segunda-feira, 16 de março de 2015

Menos ódio

É muito ódio!
Todo mundo sabe que o mundo é feito de opiniões diferentes, ideias que conflitam, gostos que não dialogam, é assim no futebol, na religião e também na política.
Contudo, estas diferenças se afloram fazendo surgir o pior e mais mesquinho dos sentimentos, o ódio.
Ano passado, vimos, presenciamos e até sentimos o que é a raiva, o preconceito e a repulsa daqueles que tiveram sua opinião derrotada no pleito eleitoral para presidente da republica.
O preconceito doentio que beira uma histeria, da menor parte da população, chegou ao que imaginava ser o ponto máximo: responsabilizar e desqualificar o voto dos negros, nordestinos, gays, pessoas com menor instrução e àqueles que são beneficiados por programas sociais, oferendo a eles a "culpa" pela da fracassada campanha do candidato tucano.
Se isso não bastasse, ao final do do segundo turno foram inúmeras as demonstrações de  intolerância nas redes sociais, aposto que muitos de vocês tomaram conhecimento de uma que seja.
Durante a posse da presidenta Dilma, os comentários que li foram repugnantes, li mulheres, mães de família, mulheres mães de família, mães de meninas, meninas que um dia serão mulheres, serão mães de família ofenderem à presidente com xingamentos que são no mínimo náuseas. Ora minhas "senhoras" chamar uma mulher, uma senhora de vaca, puta, vagabunda, de piranha, só por que não foi a pessoa que você escolheu é (sem definição). Confesso que fiquei descrente com a humanidade.
Eu achava que parava por ai.
Contudo, as cenas deste fim de semana me fizeram refletir sobre o que é essa sociedade em que vivemos, o que é a democracia, o que são as pessoas e quais seus valores.
Ver cartazes pedindo a morte de outro ser humano (petistas) por diferenças políticas é justificar as ações do Hamas e Estado Islâmico, justificar a decapitação de seres vivos, afinal, é por "diferença política".
Ver bonecos pendurados simbolizando enforcamento é justificar o apartheid que matou e marcou milhares de negros entre 1948 e 1994 na África do Sul.
Ver pessoas pedindo a volta da ditadura militar é dizer que milhares de brasileiros morreram em vão, morreram para que você tivesse direito  a protestar.
Somos um país novo se falando em democracia, somos "café com leite" como dizíamos nos jogos de futebol ao se referir às crianças mais novas. São apenas 30 anos de democracia, 30 anos de liberdades, 30 anos que podemos manifestar nossas ideias em publico sem ser preso ou agredido por um agente da polícia.
Precisamos aprender a lidar com a democracia, a respeitar a maioria, a respeitar a minoria, a conviver as diferenças...
Por fim, deixo aqui meu desabafo, estou perdendo algo que sempre me fez a continuar a lutar: estou perdendo a fé nas pessoas.
Menos ódio, mais amor, mais tolerância.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Verdade

As mentiras compartilhadas por muitas pessoas são consideradas por elas verdades.
 A realidade do mundo de verdade é, contudo, outra. Nessa realidade há muita violência, miséria, fome, mas também há coisas boas, melhora do poder de aquisição do salário mínimo, milhares de estudantes cursando faculdade de graça, outras milhares de pessoas que saíram da linha da miséria.
No entanto, essa realidade, a de verdade, não é considerada pelos que acreditaram naquela primeira "verdade", a midiática, pois essa realidade (de verdade) tem cheiro, tem nome, tem cor, tem raça, necessidades, vontade, desejo, sonhos e classe social.
E falando em verdade, realidade, digo a verdade sobre a realidade da chamada "nova classe C": ela não existe, é só uma maneira que faz que pobres acreditem que deixam de ser pobres e agora pertencem a outra classe social, diferente àquela de sua origem. A verdade é que estes pobres cidadãos continuam pobres, vivendo uma realidade diferente num mundo de verdade (aquele com cheiro...), influenciados a acreditar em outra verdade (dos outros...) que tem apenas o interesse de mudar a realidade do povo pobre (para pior).
Não adianta:
"Aê, você sai do gueto, mas o gueto nunca sai de você, morou, irmão? Você tá dirigindo um carro.
O mundo todo tá de olho em você, morou?
Sabe por quê?
Pela sua origem, morou, irmão?"

domingo, 18 de janeiro de 2015

Sobre mim


Paulistano, nascido no distrito do Jabaquara, 34 anos, Comunista, Administrador, assessor, ex aluno de psicologia, tenho TOC, não suporto barulhos repetitivos, quadros tortos, pisar no meio do piso com desenho de São Paulo, goteiras, feijão por cima do arroz e gente que masca chiclete com a boca aberta. Sou torcedor do São Paulo Futebol Clube, Insone, chato, rabugento, ansioso, provocativo, incisivo, pândego, faminto, justo, sonhador, otimista, preguiçoso, desastrado, afetuoso, compreensivo (as vezes) e leal. Gosto de fotografia, botecos, cerveja e boa companhia. Esse cara sou eu !!!

PS: inspirado pela maria e incentivado pela insônia. 
Boa noite

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Álvaro de Campos - O Dia Deu em Chuvoso

O dia deu em chuvoso.
A manhã, contudo, esteve bastante azul.
O dia deu em chuvoso.
Desde manhã eu estava um pouco triste.

Antecipação! Tristeza? Coisa nenhuma?
Não sei: já ao acordar estava triste.
O dia deu em chuvoso.

Bem sei, a penumbra da chuva é elegante.
Bem sei: o sol oprime, por ser tão ordinário, um elegante.
Bem sei: ser susceptível às mudanças de luz não é elegante.
Mas quem disse ao sol ou aos outros que eu quero ser elegante?
Deem-me o céu azul e o sol visível.
Névoa, chuvas, escuros — isso tenho eu em mim.

Hoje quero só sossego.
Até amaria o lar, desde que o não tivesse.
Chego a ter sono de vontade de ter sossego.
Não exageremos!
Tenho efetivamente sono, sem explicação.
O dia deu em chuvoso.

Carinhos? Afetos? São memórias...
É preciso ser-se criança para os ter...
Minha madrugada perdida, meu céu azul verdadeiro!
O dia deu em chuvoso.

Boca bonita da filha do caseiro,
Polpa de fruta de um coração por comer...
Quando foi isso? Não sei...
No azul da manhã...

O dia deu em chuvoso.


Álvaro de Campos, in "Poemas"
Heterônimo de Fernando Pessoa

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Descobrimos em 2014...



Este ano descobrimos que a seleção brasileira não é o melhor time do mundo e que o futebol brasileiro não é mais o futebol arte como ouvíamos de nossos pais. Descobrimos que tem um monte de jornalistas, ex jogadores, políticos e coxinhas que sofrem de "complexo de vira-latas". Descobrimos que nossos ídolos no futebol são bons apenas com a bola no chão e com a boca fechada. Descobrimos que se as coisas estão "ruins" agora,  imagina na Copa?. Descobrimos que teve Copa do Mundo no Brasil. Teve Copa  pra caralho.


Descobrimos que o Brasil é "dividido" entre petralhas e coxinhas (entre um e outro tem um monte de gente boa), que os "abestados" moram no sudeste, mais precisamente em São Paulo e não no nordeste como falam, descobrimos um novo miss bumbum, Lobão ganha o premio por ser o maior bundão do Brasil por não cumprir sua promessa, descobrimos também que após as eleições seria difícil retomar as amizades perdidas por discussões políticas, mas em primeiro lugar vem a amizade, em segundo... Aécio.


Descobrimos também que no Brasil tem uma pá de Zé Ruela que não suporta nem imaginar ficar sem opção de marca de iogurte, que tem Zé Mané que fuma, bebe, cheira, faz tudo de errado, mas pede a volta do regime militar (esses eu acredito que sofrem de cretinismo). Descobri que não se pode mais usar camisetas vermelhas, símbolos da esquerda e nem mesmo usar barba. Descobri que a presidenta Dilma é Comunista, cubana, Bolivariana, ateísta, stalinista, nordestina, venezuelana, petralha, jedi, maoísta, internacional socialista do Foro de São Paulo no Brasil. (Essa é a parte que mais gosto kkk)


Descobrimos ainda que "o mar vai virar sertão e o sertão vai virar mar", Falta água em São Paulo e a população vai beber água "tratada" de esgoto e que tem um monte de gente fazendo dança da chuva e outros pretendendo tomar banho na casa do governador do Estado de São Paulo.


Descobrimos que o Carnaval 2015 começa em 2014...


Descobrimos que o ano de 2014 esta sendo cansativo demais...


Descobrimos que existe vida após as eleições...


Descobrimos que 2015 está chegando...


E vai começar tudo de novo...