quinta-feira, 16 de abril de 2009

Programação Completa Virada Cultural 2009 - Região Centro


Como prometido a programação completa da Virada Cultural 2009 ...

Vou postar por região para melhor entendimento,

abraços



Praça do Patriarca

Sirenes ecoam pelo concreto das esquinas, viadutos e calçadões do centro velho, anunciando a abertura da Virada. Depois, pequenos concertos despertarão os passantes durante toda a festa.

Endereço: Praça do Patriarca.
Le Chant des Sirènes – Mécanique Vivante

Sinopse:
Sirenes ecoam pelo concreto das esquinas, viadutos e calçadões do centro velho, anunciando a abertura da Virada. Depois, pequenos concertos despertarão os passantes durante toda a festa.



http://www.mecanique-vivante.com/

Horários: dia 2 às 17h50, às 22h20, dia 3 às 02h40, às 07h55, às 11h40 e às 17h50.
Duração: 10 minutos;

Av. São João
Av. São João

Palco para grandes shows e numerosa platéia, tem temática variada que transita do erudito ao rock, do regional ao balanço, do MPB ao pop.

Um guindaste por sobre a cena será o suporte de números aéreos circenses tradicionais e contemporâneos durante todo o evento.

Endereço: av. S. João, pça Júlio Mesquita.
Atrações:

18h10

Concerto para grupo e orquestra (1969) – Jon Lord e Orquestra Sinfónica Municipal - regente: Rodrigo Carvalho

Sinopse:
Legendário tecladista/pianista do Deep Purple desde a fundação da banda, na década de 60, John Lord é uma das figuras mais amadas do rock. Com uma influência assumidamente clássica, é responsável por arranjos que influenciaram gerações em apresentações memoráveis. Separado do Purple desde 2002, desenvolve seu trabalho solo e apresenta seus projetos ao redor do mundo. Na Virada Cultural 2009, John Lord se apresenta ao lado da Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo para executar o álbum Concerto para Grupo e Orquestra, do Deep Purple, celebrando 40 anos de sua criação. O espetáculo marcará a abertura da 5 edição do evento.



A Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo formou-se em 1921 juntamente com a Sociedade de Concertos Sinfônicos de São Paulo. Em 1939 a orquestra foi oficializada durante a gestão do prefeito Francisco Prestes Maia e em 1949, seus componentes ganharam a estabilidade funcional. A Orquestra Sinfônica Municipal já se apresentou sob a regência de maestros internacionais como Rostropovich, Ernest Bour, Maurice Leroux, Dietfried Bernett, Kurt Masur e de maestros nacionais como Armando Belardi, Camargo Guarnieri, Edoardo de Guarnieri, Eleazar de Carvalho, Isaac Karabtchevsky, Sergio Magnani, além de vários compositores regendo suas obras como Francisco Mignone, Villa-Lobos e Penderecki.





Concerto para Grupo e Orquestra (1969)



Gravado originalmente pelo Deep Purple e pela Royal Philharmonic Orchestra em 1969, no Royal Albert Hall, este álbum foi considerado um tanto estranho na época. Se hoje é prática recorrente de inúmeras bandas tocar suas músicas ao lado de uma orquestra, há 40 anos compor e se apresentar com uma era algo no mínimo inusitado. Foi exatamente o que o Deep Purple fez, e em dez dias escreveu todo um concerto. Atualmente, John Lord viaja o mundo executando Concert for Group and Orchestra e em cada país, em cada cidade, apresenta-se ao lado de músicos e orquestras locais.

(Música)

Início: dia 2 às 18h10

21h00

Geraldo Azevedo

Sinopse:
Pernambucano de Petrolina, Geraldo Azevedo é um dos mais respeitados músicos brasileiros. Violinista autodidata, com quase 50 anos de carreira, compôs e tocou ao lado de monstros sagrados da MPB: Geraldo Vandré, Naná Vasconcelos, Teca Calazans, Zé Ramalho e Alceu Valença, com quem gravou seu primeiro disco, em 1972. Geraldo Azevedo tem uma obra marcada pela variação de ritmos e balanços, tirando de seu violão uma mistura de harmonias sofisticadas com ritmos quentes do nordeste, indo de melódicas canções românticas a frevos escaldantes.

É autor de Dia Branco, Caravana, Juritis e Borboletas, Tempo Tempero, Bicho de 7 Cabeças, Arraial dos Tucanos, entre muitas outras.

(Música)

Início: dia 2 às 21h00

00h00

Marcelo Camelo

Sinopse:
Proveniente da banda Los Hermanos, Marcelo Camelo sempre chamou a atenção pela força de suas canções, despontando definitivamente como um grande compositor da música popular brasileira nos últimos anos, sendo comparado a Renato Russo e Chico Buarque. Sou, seu primeiro álbum solo, teve uma de suas músicas, Janta (interpretada por Mallu Magalhães), considerada a melhor composição de 2008.

(Música)

Início: dia 3 às 00h00

03h00

Tim Maia Racional (1975) – Instituto, Bnegão, Thalma e Dafé

Sinopse:
O Coletivo Instituto apresenta o show de tributo a Tim Maia em sua fase Racional. Com um time de 11 músicos — bateria, baixo, guitarras, percussões, teclado, saxofone, trompete, trombone e DJ — o show se transforma numa grande celebração. O espetáculo conta com as presenças de BNegão, Thalma de Freitas e Carlos Dafé.

(Música)

Início: dia 3 às 03h00

06h00

Roots Reggae (1995) – Tribo de Jah

Sinopse:
Se o reggae fez da capital do Maranhão a Jamaica Brasileira, foi a Tribo de Jah um dos grandes agentes da consolidação dessa transformação. Fruto do encontro entre quatro músicos cegos e um com visão parcial, vindos da Escola de Cegos do Maranhão e o paulista Fauzi Beydoun, a Tribo de Jah cresceu da mesma forma que o reggae conquistou São Luís: pela força de seu estilo e a sinceridade de suas músicas. Aos poucos, a Tribo conquistou seu público assim como a reggae venceu resistências conservadoras e o preconceito na capital maranhense. Hoje, o quinteto tem 13 CDs gravados e faz shows em todo o Brasil e no exterior – a despeito da mídia que nunca lhe deu a devida atenção. Na Virada Cultural 2009, a Tribo de Jah toca na íntegra seu álbum de estréia, Roots Reggae, de 1995.



Disco de estréia da Tribo de Jah, Roots Reggae é um trabalho fundamental na história da banda de São Luís. Em cada uma de suas faixas, percebe-se a busca pelo reggae raiz, com sua musicalidade dançante numa mistura gostosa do balanço do reggae com um tempero nordestino e com suas letras inspiradas em temas sociais, no amor, na paz e liberdade – temas que acompanharam a Tribo por toda a sua carreira, até os dias de hoje. Embora não tenha sido um trabalho abraçado pela grande mídia, teve uma excelente repercussão na crítica especializada e no público amante do estilo, principalmente em São Luís e outras regiões do norte e nordeste. Com Roots Reggae, o reggae maranhense revigorou-se e voltou a empolgar o público com a mesma força com que os “regueiros” maranhenses foram tomados no início dos anos 80, consolidando a transformação de São Luís na Jamaica Brasileira – processo que se iniciou nos primórdios da década de 70. Ainda hoje o disco é muito ouvido e considerado pelos fãs e pelos amantes do ritmo jamaicano, os “regueiros guerreiros”, como um álbum fundamental para a consolidação do reggae em todo o Brasil, principalmente no Nordeste.





Roots Reggae faixa a faixa:

01 - Babilônia Em Chamas

02 - Babylon System

03 - 2000 Anos

04 - Regueiros Guerreiros

05 - Why Do You Do It?

06 - Neguinha

07 - Breve Como Um Jogo

08 - Song Of Destruction

09 - Babilônia Brasileira

10 - Babylon Lost Man

11 - Roots Civilization

12 - Chanson D’Automne Guerre Tribale En Babylone

13 - Magnatas E Regueiros

14 - Pueblo De Jah

(Música)

Início: dia 3 às 06h00

09h00

Cordel do Fogo Encantado

Sinopse:
Pernambucanos de Arco Verde, arraigados às suas raízes nordestinas, o Cordel do Fogo Encantando é um grupo que vive intensamente a fronteira entre o teatro e a música. A poesia das letras com o som do violão regional, numa levada que tem um pouco do rock somada à força rítmica e melódica dos seus tambores enchem de vida suas apresentações carregadas de dramaticidade.

Com essa forte presença de palco, o Cordel viaja por todo o Brasil, do interior aos grandes centros, do sertão nordestino à riqueza das capitais do sul do país, levando em sua música e seu teatro as agruras e alegrias, crenças e sonhos, amores e desilusões do povo nordestino. Ouvir Cordel do Fogo Encantando é conhecer um pouco mais do Brasil, é ser um pouco mais brasileiro.

Entre 2001 e 2006, o Cordel lançou 3 CDs (Cordel do Fogo Encantado, produzido por Nana Vasconcelos, de 2001; O Palhaço Do Circo Sem Futuro, de 2002; Transfiguração, de 2006) e um DVD (MTV Apresenta, de 2005), sendo reconhecidos também no além-mar, apresentando-se inúmeras vezes na Europa.

(Música)

Início: dia 3 às 09h00

12h00

Zeca Baleiro

Sinopse:
Zeca Baleiro é um cantor, compositor e músico brasileiro de MPB. Transferiu-se para São Paulo onde lançou sua carreira. Já teve suas composições interpretadas por Simone, Gal Costa, Vange Milliet, Adriana Maciel, Luíza Possi, Rita Ribeiro, Renato Braz, Charlie Brown Jr, O Rappa e Babado Novo. Muitas de suas canções foram incluídas em diversas telenovelas.

Site: http://www2.uol.com.br/zecabaleiro/

(Música)

Início: dia 3 às 12h00

15h00

Novos Baianos

Sinopse:
A intimidade musical na execução das canções e dos arranjos aparece logo aos primeiros acordes da guitarra do Pepeu Gomes, nas vozes de Baby do Brasil e Paulinho Boca de Cantor, no swing dos irmãos Jorginho (Bateria) e Didi Gomes (Baixo) e na poesia de Luiz Galvão. A alegria de tocar junto, marca registrada dos Novos Baianos, volta à cena musical brasileira, para matar as saudades.

Site: http://www.myspace.com/novosbaianos

(Música)

Início: dia 3 às 15h00

18h00

Maria Rita

Teatro Municipal

No Teatro Municipal, artistas seminais da música brasileira tocam na íntegra determinados álbuns passados, da primeira à última faixa.



Ingressos para as apresentações podem ser retirados no local, com hora de antecedência, com limite de 1 ingresso por pessoa.

Endereço: pça Ramos de Azevedo.
Atrações:

18h00

Clara Crocodilo (1980) – Arrigo Barnabé e Banda Sabor de Veneno

Sinopse:
Nascido no Paraná, Arrigo Barnabé estudou composição na Universidade de São Paulo e tem um trabalho bastante eclético, que mistura a vanguarda da música erudita contemporânea com o pop e o rock pesado. Assim, tornou-se um dos líderes da Vanguarda Paulista, movimento musical do final dos anos 70, formado por bandas como Premeditanto o Breque, Língua de Trapo e artistas como Itamar Assunção e Tetê Espíndola. A Vanguarda Paulista, repleta de experimentações e busca pela inovação, apresentava-se no Teatro Lira Paulistana, na praça Benito Calixto. Curiosamente, embora seja um dos maiores representantes dessa geração, Arrigo Barnabé jamais se apresentou nesse palco. Seu trabalho é baseado na experimentação com claras influências do dodecafonismo erudito. Participou do Festival Universitário da TV Cultura nos anos 70 com a composição Diversões Eletrônicas e em 1980 gravou o primeiro LP independente, Clara Crocodilo com o qual excursionou pelo Brasil acompanhado de a Banda Sabor de Veneno. Arrigo compôs para cinema e teatro, ganhando diversos prêmios. Na Virada Cultural 2009, ele executa na íntegra seu LP de estréia, acompanhado de Tetê Espíndola e de a Banda Suave Veneno, que traz para o palco do Teatro Municipal a mesma formação que gravou o emblemático álbum em 1980.



Banda Sabor de Veneno: formada na capital de São Paulo no final da década de 70, a banda fez parte do movimento Lira Paulistana. Integrada por Regina Porto (piano), Bozo (sintetizador e piano), Paulo Barnabé (bateria e percussão), Gi Gibson (guitarra e violão), Rogério (percussão), Otávio Fialho (baixo), Ronei Stella (trombone), Chico Guedes (saxofone e clarineta), Baldo Versolatto (saxofone e clarineta), Mané Silveira (sax e flauta), Félix Wagner (Clarineta), Suzana Salles(vocal e voz) e Vânia Bastos (vocal e voz).



Clara Crocodilo: gravado por Arrigo Barnabé, Banda Suave Veneno e mais participações de Itamar Assumpção (arranjos) e Tetê Espíndola (voz)



Ambiente

Ao final da década de 70, o Brasil tinha o cenário musical estabilizado. A guitarra elétrica e o Rock and Roll já não surpreendiam nem chocavam mais ninguém. Já no exterior, o cenário era bem diferente. O underground europeu fervilhava de bandas e artistas desconfortáveis com a mesmice e buscavam se livrar das convenções musicais impostas pelo mercado fonográfico. No Brasil, tudo estava muito bem acomodado num underground inexpressivo e uma revolução musical praticamente inexistente. A despeito desse cenário, a vanguarda musical tupiniquim começa a surgir em conservatórios e universidades brasileiras, onde os músicos adquiriam uma preciosa carga de conhecimento teórico aliada a uma vasta cultura auditiva, somada ao dia-a-dia e à originalidade brasileira. É nessa efervescência que surge o multinstrumentalista Arrigo Barnabé, sensível aos rumos que a música nacional tomava e que, principalmente, poderia tomar.



Ao lado da Banda Suave Veneno no final dos anos 70, Arrigo participou de alguns festivais e gravou aquele que é considerado por muitos experiência mais radical da MPB depois do Tropicalismo: o álbum “Clara Crocodilo”.





O álbum

Clara Crocodilo” é um álbum independente e complexo, no qual nada está ali de graça. Tudo se encaixa na composição de uma obra completa e profunda. Da confecção da capa aos detalhes nos arranjos, tudo foi criado conscientemente de modo que cada um dos elementos do disco se completam para formar uma obra única.



O nome

Barnabé buscava um nome que além de soar musicalmente, representasse uma contradição. Foi inspirado no poema Aura Amara, do trovador Arnaut Daniel, que Arrigo Barnabé encontrou esse nome: “Clara Crocodilo”. Baseado na sonoridade das duas primeiras sílabas de cada palavra (o Cla de Clara em oposição ao Cro de Crocodilo) somado ao contraponto embutido nos sentidos de Clara, que é a luz, e Crocodilo que representa o escuro das profundezas de um pântano.



A música

Atonalismo, dodecafonismo, samba, jazz, Frank Zappa, minimalismo com alguma coisa de Rock and Roll, misturados às vozes femininas em tonalidades altíssimas que ora solam, ora entram em coro, dialogando com a voz satírica de Arrigo. Os arranjos vocais são complexos e os diálogos e a narrativa se encaixam perfeitamente ao arranjo instrumental, liderados pelo piano frenético de Arrigo Barnabé entre os diversos instrumentos de sopro, sustentados pela presença de uma forte base composta por baixo, guitarra e bateria.



As letras

Uma mistura de linguagens que envolvem gírias e onomatopéias, poesia concreta, metafísica e literatura erótica, por onde desfilam histórias de chinfra e malandragem, prostitutas, chanchadas, fliperamas, chacretes, comerciais de TV e vilões mutantes que narram a realidade de um Brasil pobre, numa linguagem ágil de histórias em quadrinhos.



Clara Crocodilo” talvez tenha sido uma das coisas mais originais que se fizeram até hoje na música brasileira, representando um momento de ruptura pós-modernista na sequência do movimento Tropicalista Brasileiro.





Clara Crocodilo faixa a faixa

01 Acapulco drive-in

02 Orgasmo total

03 Diversões eletrônicas

04 Sabor de veneno

05 Infortúnio

06 Office-boy

07 Clara Crocodilo

08 Instante

(Música)

Início: dia 2 às 18h00

21h00

Alma (1986) – Egberto Gismonti

Sinopse:
Nascido em uma família de músicos em Carmo, interior do Rio, Egberto Gismonti sempre gostou de música e desde muito cedo estudou piano. Com o tempo, interessou-se pela pesquisa da música popular e folclórica brasileira, chegando a passar uma temporada vivendo com os índios no Xingu. Mestre na arte de compor músicas que aproximam o erudito do popular, alternou-se em diversos instrumentos buscando tons e sonoridades que se encaixassem às suas experimentações. Foi dos teclados (piano acústico, piano elétrico, sintetizador e órgão – Gismonti foi um dos primeiros músicos brasileiros a dominar os sintetizadores) aos violões de seis, oito, dez, doze e quatorze cordas, passando por instrumentos como flautas indígenas (ocarina e jacuí), kalimbas e sinos. No início dos anos 70 alternou-se entre o Brasil e a Europa, gravando discos lá e cá. Depois concentrou sua carreira no exterior, gravando discos premiados com o percussionista brasileiro também radicado fora do Brasil, Naná Vasconcelos, com quem gravou o aclamado Dança das Cabeças, em 1976. Na Virada Cultural 2009, executa seu disco “Alma” faixa a faixa.











Alma







Talvez seja abusar da falta de criatividade dizer que o álbum “Alma” de Egberto Gismonti toca a alma de quem o escuta. Mas em hipótese alguma trata-se de um exagero. Mais uma vez, Gismonti encanta. Em “Alma” há, em seu conjunto, uma musicalidade intensa e delicada, divertida e emocionante, expressa numa interpretação ora exagerada, ora enigmática. Nessa obra, Gismonti concede ao som do piano e à música instrumental uma forma especial, oferecendo sensações em quem o ouve, seja pela primeira, seja pela milionésima vez. Há em cada uma das composições da obra um pouco das suas influências: a grandiloquência das harmonias italianas; as intempéries provocativas das escalas mouras; o uso de clichês melódicos do cancioneiro popular brasileiro. “Alma”, lançado em 1986, é um infinito de possibilidades harmônicas e ritmicas, profundas como a alma de cada um de nós. Considerado por muitos como o melhor trabalho de Gismonti, o LP original vinha embalado por uma capa de cores neutras, envolvendo a palavra-título, que permite diversas leituras, dependendo do momento que atravessa quem o escuta. Dentro do álbum, há uma imagem holográfica de Gismonti que realça sua aura e suas formas e mais um presente a outros músicos: as partituras das nove faixas que compõem o disco. Certa vez, falando sobre LP, Gismonti disse que em 'Alma' sinto que, se não tivesse ido ao Xingu, à Europa, nem mergulhado na parafernália tecnológica, o disco não seria o que é. Mas, apesar disso tudo que falei, 'Alma' não tem índio, nem tecnologia, nem orquestra, nem canto. O que tem mais importância é a música.



Ou, como diria outro gênio, “tudo vale a pena se a alma não é pequena”.







Alma faixa a faixa



01 Baião

02 Malandro

03 Palhaço

04 Loro

05 Maracatu

06 Karatê

07 Frevo

08 Água e vinho

09 Infância

09 Cigana

(Música)

Início: dia 2 às 21h00

00h00

Grande Liquidação (1968) – Tom Zé

Sinopse:
Baiano de Irará, Tom Zé é um dos mais controvertidos, tropicalistas e criativos compositor, cantor e arranjador do Brasil. No início dos anos 60, juntou-se a Gilberto Gil, Gal Costa, Caetano Veloso e Maria Bethânia para fundar o movimento Tropicalista. Já em São Paulo, participou da composição do lendário disco “Paris et Circenses” com sua música “Parque Industrial”, em 1968. No mesmo ano, Tom Zé venceu o Festival da Record com “São São Paulo” e lançou seu primeiro LP, “Grande Liquidação” - que será executado na íntegra na Virada Cultural 2009.



Os anos seguintes não foram fáceis para Tom Zé. Ao contrário de seus companheiros tropicalistas, seus discos não foram bem aceitos pelo público e crítica. Seu valor só foi reconhecido no final da década de 80, após David Byrne, famoso compositor do Talking Heads, descobrir um de seus discos num sebo. Foi amor à primeira audição. Logo, Byrne organizou uma coletânea da obra de Tom Zé e lançou-a na Europa e EUA. O resultado não poderia ser melhor: Tom Zé passou parte da década de 90 se apresentando para os norte-americanos e nos palcos do velho continente. Quando voltou para Brasil, teve enfim seu talento reconhecido e sua obra foi toda relançada.







Grande Liquidação







“Grande Liquidação” é o primeiro LP de Tom Zé após “Panis et Circenses”, um dos marcos iniciais da Tropicália. Lançado originalmente em 1968, a princípio foi rejeitado e passou anos no esquecimento. Mas quando foi redescoberto, derrubou queixos de norte a sul do país. Considerado o mais tropicalista dos discos da Tropicália, o álbum é uma verdadeira obra prima da música brasileira, onde música e textos interagem em meio a um sarcasmo inigualável. Durante o disco, Tom Zé transita livre e solto por temas ainda hoje atuais e inúmeros ritmos costurados por arranjos vanguardistas que são a própria alma da Tropicália. Do Rock à marchinha de coreto, do baião ao iê-iê-iê, “Grande Liquidação” é um álbum que representa toda a criatividade, ora complexa ora muito simples, de Tom Zé ­- que no disco, ainda encena uma transmissão de alto falante e depois conta uma historinha na introdução da faixa “Camelô”. O álbum de estréia de Tom Zé ainda traz “São São Paulo”, vencedora do Festival de MPB da TV Record de 68. Em suma, “Grande Liquidação” é um disco que todos devem ter. E um show que ninguém pode perder.







Grande Liquidação faixa a faixa







01 São São Paulo



02 Não buzine que eu estou paquerando



03 Namorinho de portão



04 Catecismo, creme dental e eu



05 Curso intensivo de boas maneiras



06 Glória



07 Camelô



08 Profissão ladrão



09 Sem entrada e sem mais nada



10 Parque industrial



11 Quero sambar meu bem



12 Sabor de burrice

(Música)

Início: dia 3 às 00h00

03h00

Aos Vivos (1995) – Chico César

Sinopse:
Nascido numa região rural da Paraíba, Chico César logo trocou a enxada pelos estudos e o interior pela capital João Pessoa, onde se formou jornalista. Mais tarde, em 1985, veio pra São Paulo trazendo na bagagem seu diploma, suas composições e a certeza de que seria um dia um artista respeitado no cenário nacional. Hoje, Chico César tem um DVD lançado, possui seu próprio selo musical (Chita Discos), um livro publicado em 2006 (Cantáteis - Cantos elegíacos de amozade) e 7 álbuns gravados que trazem uma vasta obra, Tão importante e variada como as vozes que ainda hoje lhe dão vida: Ivan Lins, Ceumar, Emílio Santiago,Chico Buarque, Miriam Maria, Mônica Salmaso, MPB 4, Quinteto Violado, Suzana Salles, Renato Braz, Thaíde e DJ Hum, Vange Milliet, Vânia Abreu, Xangai, Zizi Possi, Zeca Baleiro e Sting.











Aos Vivos



Enquanto fazia “bicos” jornalísticos pela cidade, Chico César procurava seu espaço para tocar. Porém, suas músicas eram consideradas muito regionais para os espaços cult da cidade e muito estranhas para os recantos nordestinos. Mas no início dos anos 90, sua história começou a mudar. Uma amiga que trabalhava numa associação cultural Brasil-Alemanha conseguiu que Chico César fizesse uma série de shows na Alemanha. E pra lá ele foi, levando na bagagem tudo o que ele havia trazido da Paraíba para São Paulo: suas composições.







De volta ao Brasil, Chico César já não era um absoluto incógnito na multidão de Nordestinos que viviam em São Paulo. Com as apresentações internacionais, ele ganhou algum espaço nos jornais. Então, aproveitando essa divulgação e os moldes de seus shows realizados na Alemanha, gravou seu álbum de estréia: “Aos Vivos”.







Gravado ao vivo, só com voz e violão, Aos Vivos foi o trabalho que realizou o sonho de Chico César, tornando-o um dos líderes da nova MPB. Lançado em 1995, o primeiro álbum do cantor e compositor baiano traz sucessos como Mama África, À Primeira Vista e Mulher Eu Sei, além de participações de Lenine e do lendário guitarrista Lanny Gordin. Até hoje, as composições desse disco ganham inúmeras versões e interpretações no trabalho dos mais diversos artistas.











Aos Vivos faixa a faixa







01 Béradêro



02 Mama África



03 À primeira vista



04 Tambores



05 Alma não tem cor



06 Dúvida cruel



07 A prosa impúrpura do caicó



08 Saharienne



09 Bonazir



10 Mulher eu sei



11 Clandestino



12 Templo



13 Paraíba



14 Dança



15 Nato

(Música)

Início: dia 3 às 03h00

06h00

Violeta de Outono (1986) – Violeta de Outono

Sinopse:
O Violeta de Outono surgiu na metade dos anos 80, emergindo de um porão de Pinheiros, bairro de São Paulo, em meio a efervescência do rock nacional da década, onde a maioria das bandas buscava sua identidade na sonoridade dos conjuntos ingleses de new-wave, pós-punk e o então emergente dark-gótico. A proposta do Violeta era bastante incomum para o período, viajando do rock dos anos 60 ao experimentalismo do rock progressivo dos anos 70. Porém, a despeito da onda que assolava a capital paulista, bastou uma série de apresentações ao vivo para que o Violeta de Outono, antes ainda de gravar seu primeiro disco, virasse cult. Sua obra surpreende por suas inquietantes composições, oriundas da evolução musical do grupo – o Violeta , por exemplo, foi a primeira banda brasileira a fazer uso de efeitos eletrônicos e samplers em suas gravações e shows. Conhecida pelo seu som psicodélico, suas apresentações ao vivo são sempre marcantes devido à atmosfera lisérgica que exalam em cada acorde. Recentemente, o Violeta lançou o CD Volume 7, um álbum que mistura rock, jazz e sons espaciais. Na Virada Cultural, o Violeta de Outono executa na íntegra seu álbum homônimo, o primeiro da banda.



Violeta de Outono

Lançado originalmente em 1987 pela RCA através de seu então novo selo, Plug, o álbum de estréia do Violeta de Outono é um marco na história do rock brasileiro. Já na capa do LP, podemos ter uma amostra de toda a sua força psicodélica: um “jardim elétrico” serve de arte à capa do álbum que traz em sua composição “acidulada” um desvio botânico brotando num ambiente rarefeito, onde sombras impenetráveis se alternam com manchas deslumbrantes de luz. A experiência musical do Violeta de Outono está aí desvendada. Solos abissais, invariavelmente açoitados por uma trama rítmica visceral e explosões de efeitos especiais, envolvem os ouvintes em uma experiência hipnótica. Gravado em um estúdio abandonado da RCA paulistana, dotado de equipamentos vintage que só eram utilizados para gravações de orquestras, o disco ganhou uma forma absolutamente orgânica, com o som dos instrumentos do grupo sendo captado ao vivo, a partir de dois microfones estrategicamente posicionados. O resultado imortalizou temas que se tornariam clássicos no repertório do Violeta além de trazer uma magistral releitura de “Tomorrow Never Knows”, dos Beatles. Recentemente relançado em CD, Violeta de Outono traz mais quatro faixas bônus, registradas por ocasião das mesmas sessões de estúdio que resultaram na gravação original. Entre elas, outra releitura, desta vez dos Rolling Stones: “2000 Light Years From Home” ganhou uma releitura que lhe oferece uma nova, e ainda mais viajante, dimensão.



Violeta de Outono faixa a faixa.

1. Outono

2. Declínio de Maio

3. Faces

4. Luz

5. Retorno

6. Dia Eterno

7. Noturno Deserto

8. Sombras Flutuantes

9. Tomorrow Never Knows

10. Noite Escura

11. Caminho

12. Om Voice

13. 2000 Light Years From Home

(Música)

Início: dia 3 às 06h00

09h00

Cama de Gato (1986) – Arthur Maia

Sinopse:
Um dos maiores grupos instrumentais do Brasil, formado em 1982 no Rio de Janeiro, o Cama de Gato sempre teve em suas formações, tocando em quintetos e quartetos, músicos de primeira linha. Apreciado por um público exigente e com uma cultura musical refinada, o Cama de Gato já se apresentou em todo o Brasil, Europa e EUA. Na Virada Cultural, executa seu LP de estréia com título homônimo, contando com o baixista Arthur Maia, um dos maiores do mundo.







http://www.casacivil.ce.gov.br/noticias/grupo-cama-de-gato-encerra-temporada-no-dragao-do







Cama de Gato



O álbum de estréia do Cama de Gato, lançado em 1982 e gravado por Pascoal Meirelles (bateria), Mauro Senise (sax e flauta), Arthur Maia (baixo elétrico) e Rique Pantoja (teclados), atingiu a marca de 75 mil cópias vendidas – marca muito expressiva por se tratar de um LP de música instrumental no Brasil. “Cama de Gato” foi aclamado pela crítica como o mais bem sucedido álbum instrumental brasileiro dos anos de 1980. Na Virada Cultural, encabeçados por Arhur Maia, o disco será executado na íntegra no Theatro Municipal.







Cama de Gato faixa a faixa



01 Melancia



02 Funchal



03 Amanhã



04 Frigiano



05 Julinho



06 Cruzado



07 Vento Sul

(Música)

Início: dia 3 às 09h00

12h00

Água (1977) – Fafá de Belém

Sinopse:
Poucos são os brasileiros que não conhecem Fafá de Belém, essa grande intérprete nascida na capital paraense e que na adolescência fugia de casa para cantar nos bares da cidade. Sua voz marcante, a estrondosa gargalhada e seu amplo repertório, é capaz de lhe abrir as portas para o mais variado público. Fafá já interpretou clássicos de inúmeros compositores de música regional, cancioneiro popular, boleros, ritmos caribenhos, guarânias, afoxé, lambadas, sambas-canções, sertanejo. Foi ela uma das primeiras a interpretar o Hino Nacional, causando à época uma grande polêmica. Com mais de 30 anos de carreira e 24 álbuns lançados, Fafá de Belém também se destaca fora dos palcos. Foi personagem sempre presente na Campanha das Diretas Já, na década de 80 e batizou um modelo do Fusquinha, o carro que já foi o mais popular do país.



Água



Água, gravado em 1977, foi o trabalho que consolidou o sucesso de Fafá de Belém, sucesso já anunciado em seu disco de estréia, quando recebeu rasgados elogios de José Ramos Tinhorão (respeitado e renitente crítico da época) que a considerou a melhor intérprete daquela geração. “Água”, trouxe sucessos como Foi Assim e Pauapixuna (da dupla paraense Paulo André e Ruy Barat) e Raça e Sedução (de Milton Nascimento/ Fernando Brant) e acabou vendendo cerca de 100 mil cópias. Na turnê de divulgação do LP, Fafá se apresentava descalça e lançava mão de interpretações exageradas e decotes que realçavam suas formas voluptuosas. Foram nessas apresentações que Fafá firmou seu estilo e identidade artística, conquistando uma legião de fãs.







Na Virada Cultura 2009l, Fafá de Belém toca na íntegra seu álbum “Água”, realizando o mesmo espetáculo da época de seu lançamento.











“ÁGUA” faixa a faixa







01 Pauapixuna



02 Araguaia



03 Leilão



04 Cordas de espinhos



05 Canção passarinho



06 Ontem ao luar



07 Raça



08 Sedução



09 Foi assim



10 Cidade pequenina



11 O andarilho



12 Ave Maria dos Retirantes

(Música)

Início: dia 3 às 12h00

15h00

Francis Hime (1973) – Francis Hime e Orquestra Experimental de Repertório - regente: Jamil Maluf

Sinopse:
Compositor, cantor, pianista, arranjador e maestro, Francis Hime é um dos principais protagonistas da música popular brasileira a partir da primeira metade dos anos 60. Especialmente dotado de uma versatilidade em compor sobre vários ritmos brasileiros, Francis escreve sambas, frevos, modinhas, calangos, choros e paralelamente à música popular compõe música erudita. Essa mistura aliada ao seu talento natural, permite-lhe transitar entre a sofisticação e complexidade de uma sinfonia e a simplicidade e o balanço do samba. Para um repertório tão rico, Francis, que se auto-intitula um “compositor vira-lata” devido a suas inúmeras parcerias, conta com um talentoso grupo de parceiros como Milton Nascimento, Olivia Hime, Gilberto Gil, Paulo César Pinheiro, Capinam, Adriana Calcanhoto, Paulinho da Viola, Lenine, Joyce, Moraes Moreira, Sergio Bardotti, Chico Buarque, Vinicius de Moraes e Ruy Guerra. Na Virada Cultural, executa na íntegra, acompanhado da Orquestra Experimental de Repertório, seu álbum de estréia de 1973, intitulado simplesmente Francis Hime.



Francis Hime



Em 1969, Francis andava dividido entre a música e a engenharia. Quando optou definitivamente pela carreira musical, já compunha há dez anos. Foi dessa decisão que surgiu outra: a de viver nos Estados Unidos para estudar composição, orquestração e trilhas para filme. Passou quatro anos em Los Angeles. Ao voltar em 1973, no auge do AI-5, estava bastante amadurecido e ainda mais virtuoso e seguro.Gravou seu disco de estréia contando com parceiros já habituais como Vinicius de Moraes e Ruy Guerra mas também iniciando uma parceria que seria a mais constante e duradoura de sua carreira: com Chico Buarque. Em seu trabalho de estréia, Francis mostra seu refinamento ao mesmo tempo em que absorve dos estilos e ritmos musicas em que vive, a vitalidade e a beleza – qualidades que mostraria ao longo de seus trabalhos. Já nesse primeiro álbum, ele apresenta composições que iriam acompanhá-lo por toda a carreira – e também estariam ao lado da vida de seus parceiros. Nesta Virada Cultural, o Teatro Municipal será palco para a apresentação desta obra genial de um dos mais talentosos compositores da música brasileira, acompnahdo da Orquestra Experimental de Repertório.

Orquestra Experimental de Repertório

A Orquestra Experimental de Repertório é uma orquestra brasileira, fundada em 1990 por Jamil Maluf, seu atual maestro. A orquestra tem aproximadamente 99 músicos e seu repertório engloba música erudita, trilhas de cinema, música popular e espetáculos experimentais com grupos de teatro.

(Música)

Início: dia 3 às 15h00

18h00

Alma de Borracha (1986) – Beto Guedes

Sinopse:
Um dos principais membros do Clube da Esquina, movimento musical mineiro da década de 60 que além de Beto Guedes contava com Milton Nascimento, Lô Borges, Fernando Brant Flávio Venturini entre outros. Foi o Clube da Esquina que o projetou nacionalmente. Foi acompanhado pelo grupo 14 Bis e em 1977 lançou o primeiro LP, “A Página do Relâmpago Elétrico” que superou as expectativas comerciais. No ano seguinte, o disco “Amor de Índio” traz na faixa-título o maior sucesso de sua carreira. Em 1986, saiu LP “Alma de Borracha”, dando-lhe seu 1º Disco de Ouro, ultrapassando a marca de 200 mil cópias vendidas. Ídolo dos jovens paz e amor da década de 70, Beto Guedes continua inspirando seu público com suas composições.



http://www.betoguedes.com.br



Alma de Borracha

Lançado em janeiro de 1986 pela ODEON, “Alma de Borracha” foi o álbum que deu a Beto Guedes seu primeiro disco de ouro, ultrapassando a marca de 200 mil cópias vendidas, um recorde em sua carreira. Alma de Borracha é o título é a tradução do nome do sexto álbum dos Beatles, o Rubber Soul, grande influência de Beto durante a adolescência. Lágrima de Amor é o grande hit comercial de um disco muito bem tocado. Que ainda conta com as participações especiais de Zizi Possi (em Objetos Luminosos) e Dalto, co-autor da canção Calor Humano nos vocais. Acompanhado por uma banda excepcional, Beto realiza pouco mais de 70 shows, assistido por um público de mais de 400 mil pessoas, quebrando recordes de público em São Paulo, Recife, Rio, Salvador e Brasília. No embalo dessa turnê, lança o álbum Beto Guedes Ao Vivo. Mas essa é outra história

Alma de Borracha faixa a faixa



01 Flor da Razão

02 Calor Humano

03 Tudo em Você

04 São Paulo

05 Quando a Saudade não se Vai

06 Lágrima de Amor

07 Objetos Luminosos

08 Alma de Borracha

09 Amormeuzinho

10 Choro de Pai - ( instrumental )

(Música)

Início: dia 3 às 18h00


Praça Ramos

Um encordoamento colossal faz de um grande edifício uma harpa, por sobre a Praça Ramos.

Endereço: Praça Ramos.
MASS Ensemble – Earth Harp

Sinopse:
Um encordoamento colossal faz de um grande edifício uma harpa, por sobre a Praça Ramos.

Horários: dia 2 às 19h45, dia 3 às 00h05, às 08h30, às 10h15 e às 15h05.
Duração: 40 minutos;

Largo do Arouche

Palco especial para os fãs da música romântica dançarem juntinhos no Largo do Arouche.

Endereço: lgo do Arouche.
Atrações:

19h30

Benito di Paula

Sinopse:
Um dos pais do “samba jóia”, Benito Di Paula é um compositor peculiar. Figura rara na aparência (fraque, vasto bigode, costeletas e cabelos compridos), é um sambista que não tem em sua música a pureza das composições do morro, mas sim, a influência do luxo das sofisticadas casas noturnas das grandes capitais do país. Nascido em Nova Friburgo, Benito chegou ao Rio de Janeiro ainda jovem para cantar em boates noturnas – época em que morava no Morro da Formiga, onde conviveu com sambistas autênticos, criados na malandragem e na cadência do samba. Mas foi em Santos que ele formou sua própria banda e conseguiu um contrato com a gravadora Copacabana. Hoje, Benito tem mais de 25 discos gravados e é autor de clássicos reconhecidos internacionalmente como Meu Amigo Charlie Brown, Vai Ficar na Saudade, Se Não For Amor, Amigo do Sol, Amigo da Lua, Mulher Brasileira e Retalhos de Cetim, sucesso regravado por inúmeros artistas como Jair Rodrigues, Paul Mauriat e pelo guitarrista americano Charlie Byrd.

(Música)

Início: dia 2 às 19h30

21h30

Luís Ayrão

Sinopse:
Luiz Ayrão é carioca da gema, nascido e criado na música. Porém, antes de se tornar um cantor e compositor famoso, Luiz Ayrão teve que se virar como pode depois da morte de seu pai: foi engraxate, guia de cegos, vendedor de bebidas, bancário e advogado. Despontou como um compositor de sucesso nas décadas de 60 e 70, tendo músicas interpretadas por artistas do calibre de Roberto Carlos e Maria Bethania. Portelense desde criancinha, foi da ala dos compositores da Escola e membro de sua diretoria, além de compor inúmeros sambas para a agremiação de Madureira. Possui um público vasto e variado, como comprova as diversas gravações e regravações de algumas de suas canções. “Ciúme De Você”, por exemplo, foi originalmente gravada por Roberto Carlos, depois por Zizi Possi, Banda Raça Negra e recentemente, por Filipe Dylon. Entre suas composições mais marcantes estão “Liberdade, Liberdade”, “Meu Caro Amigo Chico” (ambas censuradas pelos militares, sendo que “Meu caro amigo Chico” é uma resposta à canção “Meu Caro Amigo” de Chico Buarque e Francis Hime), “Nossa Canção” (primeira canção romântica interpretada por Roberto Carlos, em 1966), “Ciúme De Você”, “Lencinho”, “Coração Solitário”, “Bonequinha”, “Meu Canarinho” (marchinha para a seleção brasileira que disputou a Copa de 1982), entre muitas outras. Seu último trabalho, “A Vida É Uma Festa”, lançado em 2008, traz composições inéditas mescladas a grandes sucessos de sua carreira.

(Música)

Início: dia 2 às 21h30

23h30

Wando

Sinopse:
O acrobata da paquera. O coreógrafo do machão. É assim que crítica e público classifica Wando, um dos cantores mais emblemáticos da música brasileira. Especialista em compor no limite entre o erótico e a sacanagem, esse mineiro de Cajui nem sempre foi assim. No início, dedicou-se ao samba, fase em que teve canções interpretadas por artistas como Jair Rodrigues. Foi somente alguns anos depois que ele deixou o samba para assumir seu lado romântico e sem vergonha, escancarando seus sentimentos e “más intenções”. Suas apresentações são um mundo de sensualidade, sacanagem e cafonices, temperado por calcinhas atiradas ao público (e pelo público), cenografia inspirada em quartos espelhados e camas redondas, distribuição de mulheres infláveis e sorteios de noites em móteis. Wando é o colecionador de calcinhas mais famoso do Brasil e tem entre seus maiores sucessos as canções “Moça”, “Gosto de Maçã”, “Coração Cigano”, “Vulgar e comum é não morrer de paixão”, “Obsceno” e a clássica “Fogo e Paixão”.



www.wando.com.br

(Música)

Início: dia 2 às 23h30

01h30

Reginaldo Rossi

Sinopse:
Embora seja conhecido como o Rei do Brega, Reginaldo Rossi nem sempre foi assim. No início de sua carreira, em 1964, fazia parte da Jovem Guarda com a banda The Silver Jets. O Reginaldo Rossi romântico e popular, astro do brega que conhecemos hoje, surgiu em 1970 com o disco “À Procura de Você”. Seu primeiro sucesso foi “Mon Amour, Meu Bem, Ma Femme”, regravada inúmeras vezes por diversos artistas. Mesmo com sua imensa popularidade no Nordeste, Reginaldo só teve seu valor reconhecido no sul e sudeste do Brasil em meados da década de 90, quando a canção “Garçom” estourou nas rádios e transformou-o num artista cult – tanto que 1999, inúmeros artistas como Erasmo Carlos, Wanderléia e Planet Hemp participaram das gravações de seu disco “The King”. Com 14 discos de ouro, 3 de platina (sendo um duplo) e um de diamante, o Rei do Brega tem entre seus grandes sucessos, além das já citadas “Garçom” e “Mon Amour, Meu Bem, Ma Femme”, as músicas Tô Doidão, Gênio Cabeludo, Por que Você Já Não Me Mata de uma Vez, Não Quero Mais Saber de Ti, Hei de Esquecer, Aonde Você For Eu Vou Também.



www.cliquemusic.com.br/artistas/reginaldo-rossi.asp

(Música)

Início: dia 3 às 01h30

03h30

Beto Barbosa

Sinopse:
Paraense de Belém, Beto Barbosa é um dos artistas mais populares do país. Conhecido como o Rei do Balanço e com mais de quatro milhões de discos vendidos, foi descoberto pelo diretor da gravadora Continental enquanto cantava, em um karaokê em Belém, “Canteiros” – poema de Cecília Meireles musicado por Fagner. Desde então Beto Barbosa gravou vários sucessos como Adocica, Preta e Baila Neguinha”. Em suas composições, têm espaço para todo tipo de ritmo dançante: merengue, calipso, axé, forró, Zouk (ritmo que deu origem a lambada), músicas regionais e o xote, em recriações de clássicos como Gostava Tanto de Você e “Meu Amor Não Vá Embora. Em 2001, foi indicado para o Grammy por seu disco “Forroneirando”.Seu último trabalho é o CD “30 anos”, no qual celebra seus maiores sucessos.



betobarbosa.uol.com.br/

(Música)

Início: dia 3 às 03h30

05h30

Wanderley Andrade

Sinopse:
Nascido em São Miguel do Jarí, Distrito de Almeirim - PA, Wanderley Andrade canta desde os 14 anos de idade, quando se apresentava nas matinées dos clubes da cidade. Foi crooner de bandas e antes de se tornar famoso, ganhou inúmeros concursos de karaokê. Ao longo de sua carreira, ele registra shows em casas noturnas e hotéis de grande porte em todo o país. Com um público fiel e diversificado, Wanderley mostra-se um cantor versátil, também interpretando em inglês, espanhol, francês e italiano. Em 1998 ganhou da Associação dos Radialistas do Pará, o Oscar do Brega.



www.lastfm.com.br/music/Wanderley+Andrade

(Música)

Início: dia 3 às 05h30

07h30

Bartô Galeno

Sinopse:
Iniciou a carreira artística no programa Seu Mané, na Rádio Rural onde ganhou o título de A mais bela voz. Seu primeiro disco foi No toca-fitas do meu carro, cuja música título tornou-se uma das preferidas do público. Entre seus maiores sucessos estão Amor vagabundo, Cadeira vazia, Cartão postal, Amor com amor se paga, Grande amor da minha vida e Carro hotel. Gravou com Trio Nordestino, Trio Mossoró, Trio Irakitan, Elino Julião e Bastinho Calixto. Já teve suas composições interpretadas por Agnaldo Timóteo, Falcão entre outros.



http://www.dicionariompb.com.br/detalhe.asp?nome=Bart%F4+Galeno&tabela=T_FORM_A&qdetalhe=art

(Música)

Início: dia 3 às 07h30

09h30

Jane e Herondy

Sinopse:
Jane e Herondy é uma dupla musical romântica de grandes sucessos nas década de 1970 e 80, fazendo inúmeros programas de TV como “Qual é a Música?”, “Cassino do Chacrinha” e “Almoço com as Estrelas”. Foram casados por 33 anos e se separaram recentemente, mas continuaram a cantar juntos. Explodiram nas paradas de sucesso em 1976 com a canção “Não Se Vá” e de lá pra cá ganharam alguns prêmios e muitos fãs. Em 1985, sofreram um acidente de carro que os afastou dos palcos por dois anos. Em 2001, suas músicas Não se vá” e Ama-me foram incluídas na trilha sonora do filme Domésticas - O filme" dirigido por Fernando Meirelles e Nando Olival.



http://www.dicionariompb.com.br/detalhe.asp?nome=Jane+e+Herondy&tabela=T_FORM_E&qdetalhe=his

(Música)

Início: dia 3 às 09h30

11h30

Silvio Brito

Sinopse:
O cantor e compositor Silvio Brito nasceu em Alfenas - MG em 1949. Começou sua carreira aos seis anos de idade cantando na Rádio Clube de Varginha, no programa “Petizada Alegre”. Sua carreira ganhou impulso em 1974, quando venceu o troféu “Buzina do Chacrinha” de cantor revelação da temporada. No ano seguinte já tinha suas composições executadas em todo o Brasil. Seu primeiro sucesso, “Tá todo mundo louco” lançado no Programa Silvio Santos, tomou todo o país. Em 1979, regravou a toada “Rio de lágrimas”, da dupla Lourenço e Lourival, e assumiu seu lado sertanejo, lançando anos mais tarde o LP “Rocaipira”. Constantemente comparado a Raul Seixas e famoso por suas frases de efeito e por sua filosofia de vida, Silvio Brito colocou os refrões de suas músicas na boca do povo, transformando-os em bordões populares e temas de novela. Marcado pela sua irreverência nos anos 70, hoje Silvio Brito continua fazendo shows em todo o Brasil e no exterior, cantando sucessos como “Careca, Sem Dente e Pelado”, “Casinha”, “Espelho Mágico”, “Farofa”, “Pare o Mundo que Eu Quero Descer”, “Salvem a Terra”, “Tá Todo Mundo Louco”, “Terra dos Meus Sonhos”, entre outras.



www.silviobrito.com.br

(Música)

Início: dia 3 às 11h30

13h30

Odair José

Sinopse:
Antes de se tornar conhecido nacionalmente como “Terror das Empregadas, pelo sucesso alcançado entre o público feminino das camadas populares, Odair José apresentou-se inúmeras vezes na noite carioca em boates suburbanas e inferninhos da Lapa, ambientes que lhe inspiraram na composição da maioria de suas canções. Lançou seu primeiro LP, Meu grande amor, em 1972 e já no ano seguinte, consagrou-se como um dos maiores ídolos da música brega do país ao lançar a clássica Uma Vida Só - Pare de Tomar a Pílula", censurada pelo governo brasileiro (os militares julgaram ser a canção uma propaganda contra a distribuição de pílulas). Em 1977, quando tinha a música brega encarnada em sua obra e personalidade, surpreendeu a todos compondo uma ópera-rock intitulada “O Filho de Maria e José” – fase que não durou muito tempo pois já no ano seguinte, voltou ao brega. Durante toda a carreira, vendeu milhares de discos e entre seus grandes sucessos, destacam-se “Vou Tirar Você Desse Lugar”, “Eu, Você e a Praça”, “Ela Voltou Diferente”, “Cristo, Quem É Você?”, “Revista Proibida” e “Deixe essa Vergonha de Lado”, canção que presta uma homenagem às empregadas domésticas. De volta à mídia desde o final da década de 90, recentemente Odair José lançou “Só Pode Ser o Amor”, CD com composições inéditas.



www.cliquemusic.com.br/artistas/odair-jose.asp

(Música)

Início: dia 3 às 13h30

15h30

Wanderley Cardoso

Praça da República

O palco dedicado ao rock, na praça da República, traz surpresas e atrações especiais. Merecem destaque Ike Willis, legendário cantor do grupo de Frank Zappa, e a aparição do original Camisa de Vênus.

Endereço: pça da República.
Atrações:

19h00

Fruto Proibido (1975) – Tutti-frutti

Sinopse:
Formada em 1973 pelo guitarrista Luiz Carlini, a banda Tutti Frutti acompanhou mitos do Rock tupiniquim como Rita Lee e Raul Seixas. Desde a fundação, lançaram inúmeros trabalhos que ganharam a imortalidade com interpretações de Maria Rita (“Agora São Falta Você”), Cássia Eller (“Luz del Fuego”), Zélia Duncan (“Lá Vou Eu”) entre diversos outros. Seus shows são sempre marcados pela animação contagiante da banda e pelo som calcado na rebeldia e força dos anos 70. Ao longo de quatro décadas, o Tutti Frutti faz no palco, a história do Rock nacional. O show da Virada celebrará os 35 anos de lançamento do álbum Fruto Proibido.

Início: dia 2 às 19h00

20h50

O Som Nosso de Cada Dia

Sinopse:
O Som Nosso de Cada Dia é considerada uma das primeiras bandas nacionais a fazer rock progressivo no Brasil, dando a suas canções toques psicodélicos, em uma época em que o progressivo começava a despontar no cenário internacional. Formada nos anos 70 em São Paulo enfrentou a barra pesada da Ditadura Militar sendo considerado um grupo subversivo pela sua postura contestatória. Era comum, por exemplo, a presença da Polícia Federal em seus ensaios e shows. Seu primeiro disco, “Sneg”, de 1974, é considerado um dos mais importantes álbuns do rock nacional, sendo cultuado até hoje. Dois anos depois, lançaram “Sábado/Domingo”, um álbum peculiar cujo Lado A traz Black Music e o B, o som progressivo que marcou a carreira da banda. Na última edição da Virada Cultural, apresentaram-se no Teatro Municipal tocando seu disco de estréia. A repercussão foi tamanha que eles foram novamente convidados para se apresentarem no evento, desta vez, no palco do Rock.

Início: dia 2 às 20h50

22h40

Próspero Albanese e Joelho de Porco

Sinopse:
O Joelho de Porco é um dos grandes nomes do rock-humor brasileiro. “Amadrinhados” por ninguém menos que a inesquecível Aracy de Almeida, a banda paulistana, fundada em 1972, foi a precursora do movimento punk no Brasil. Entre idas e vindas de seus integrantes, a banda gravou quatro discos, sempre recheando suas músicas com muita ironia e criatividade, tanto nas letras como nos arranjos, fugindo totalmente dos temas abordados pela maioria dos compositores nacionais. Foi assim que acabaram por ser excluídos da grande mídia, acostumada aos mesmos sucessos de sempre. Mas essa espécie de “fracasso retumbante” deu ao Joelho uma espécie de orgulho, transformando-a em uma banda cult, adorada pelos seus não muitos fãs. Atualmente, os integrantes remanescentes do Joelho de Porco se juntam para raros shows, tornando a sua apresentação na Virada Cultural uma oportunidade imperdível para assistir a lendária banda ao vivo.

(Música)

Início: dia 2 às 22h40

00h10

Camisa de Vênus

Sinopse:
Camisa de Vênus é uma banda baiana que representa um marco na história do rock nacional. Firme aos seus propósitos de anarquia e liberdade, o Camisa envolveu-se em inúmeras confusões e episódios polêmicos, como quando, ao chegar em São Paulo, no escritório da Som Livre, negaram-se a mudar o nome da banda (então considerado obsceno pela gravadora) e perderam o contrato e acabaram por ficar anos sem gravadora. Donos de clássicos do rock brasileiro como “Eu Não Matei Joana D’Arc”, “Silvia”, “Beth Morreu”, “A Ferro e Fogo”, “Só o Fim” entre muitas outras. O Camisa de Vênus foi responsável, em 1986, pela gravação de um disco realmente ao vivo de rock no Brasil intitulado “simplesmente Ao Vivo”, com microfonia, ecos e muitos palavrões. Há muito separados, seus integrantes se encontram novamente para se apresentar na Virada Cultural 2009.

Início: dia 3 às 00h10

02h10

Velhas Virgens

Sinopse:
São 21 anos do mais puro sexo, álcool e Rock and Roll. Irreverentes e muito bem humorados, a Velhas Virgens é uma banda paulistana, considerada a mais expressiva banda independente do país. São 9 discos lançados que volta e meia trazem participações especiais como as de Roger Moreira, Marcelo Nova, Sergio Hinds, Oswaldo Vechione e Rita Lee. Com letras divertidas e um rock de primeira qualidade, a Velhas Virgens é pura diversão.

Início: dia 3 às 02h10

04h00

Los Goiales All Stars

Sinopse:
Dupla formada por David e Coverdele, uma evidente paródia ao vocalista do Whitesnake e Deep Purple, David Coverdale, o Los Goiales All Stars caracteriza-se pela bem humorada sátira que produzem em seus trabalhos. Ficaram famosos em todo o país com a engraçadíssima “Eu vou com meu amigo”, que mistura a música heavy metal com as vozes e o visual sertanejas, somados e um refrão provocador. Calcados no estilo “tiração de sarro”, o show do Los Goialles é diversão garantida para o público.

Início: dia 3 às 04h00

05h20

Mqn

Sinopse:
Um dos principais nomes do rock independente brasileiro na atualidade, o MQN completa 12 anos de estrada em 2009, trazendo na bagagem o rock explosivo que tornou a banda goiana em uma das principais referências de rock independente brasileiro. No currículo, participações em inúmeros festivais nacionais e internacionais além de já terem a experiência de dividir o palco com bandas do gabarito de Deep Purple, Buzzcocks, Mudhoney, Man or Astroman, Sepultura, Superchunk, Sergio Dias (os Mutantes), Nebula, Watts, Los Natas e Thee Butcher Orchestra.

Início: dia 3 às 05h20

06h50

Matanza

Sinopse:
Com elementos de Country, Folk e Bluegrass com Rock'n Roll, Hardcore e Heavy Metal, a banda carioca Matanza criou um estilo próprio, batizado pela mídia de Country Core. Com fortes influências de Slayer e Motorhead, aliados ao legendário Johnny Cash, Matanza cativou um público fiel em todo o Brasil. As letras, na maioria das vezes bem humoradas, falam sobre bebida, mulher e violência, num clima que se aproxima muito do velho oeste norte-americano. Acostumados a misturas e novas experimentações, sem que em momento algum percam o peso de sua música, em 2005, gravaram um álbum com versões para músicas da fase inicial de Johnny Cash, batizado To Hell with Johnny Cash. Depois, lançaram A Arte do Insulto, álbum no qual o Matanza explora diversos elementos da música tradicional irlandesa. Seu últiimo trabalho, “MTV Apresenta Matanza”, gravado em São Paulo no ano passado, registram a força de suas apresentações.

Início: dia 3 às 06h50

08h30

Vanguart

Sinopse:
Uma das grandes revelações do rock nacional nos últimos anos, a Vanguart surgiu da efervescente cena do rock de Cuiabá/MT para o público de todo o Brasil. A banda nasceu quando o jovem Hélio Flanders recrutou um grupo de amigos para executar ao vivo as canções que ele havia composto em seu quarto, com poucos recursos, mas que começavam a ganhar espaço por meio da Internet.

Início: dia 3 às 08h30

10h10

CPM 22

Sinopse:
CPM 22 é uma banda brasileira da nova geração que mistura o hardcore com rock melódicos. Formada em 1995, seguem uma vertente do Hardcore com alguma influência do Punk Rock. Seguindo os passos de veteranos como Charlie Brown Jr., o CPM 22 é sucesso entre adolescentes e despontam como uma promessa de renovação no cenário nacional. Em 2008, conquistaram o Grammy Latino de melhor álbum de Rock.

Início: dia 3 às 10h10

12h00

Nação Zumbi

Sinopse:
A Nação Zumbi, banda pernambucana nascida no início dos anos 90, ficou famosa em todo o país por acompanhar Chico Science e ser, ao lado do Mundo Livre S/A, fundadora do movimento Manguebeat. Originária da junção das bandas Loustal (punk-rock) e Lamento Negro (samba-reggae) mantém viva a diversidade de seu som originária de sua origem e da sua cidade natal, o Recife – cidade onde a cultura está sempre em uma mutação efervescente. A Nação Zumbi, embora tenha perdido Chico Science, um dos maiores expoentes da música nacional dos últimos anos, manteve-se ativa, arrastando seu público por onde quer que se apresente. Com arranjos e composições criativos e com uma sonoridade bastante peculiar, a Nação Zumbi passou por diversas formações sem jamais perder a força de sua música e o seu propósito contestador.

Início: dia 3 às 12h00

14h00

Nasi

Sinopse:
Marcos Valadão Rodolfo, o Nasi, é figura conhecida no rock nacional. Mais que um simples roqueiro, Nasi é um amante da contestação. Punk quando criança (daí ganhou o apelido Nasi), fundou em 1983 uma das mais importantes e originais bandas de rock paulistano, o IRA. Paralelamente ao IRA, Nasi sempre teve seus projetos pessoais, envolvendo-se na contra-cultura. Produziu e estimulou o RAP e a cultura Hip-Hop (foi ele quem produziu o primeiro trabalho de Thaide e DJ Hum). Também tem participação ativa no cenário do Blues naciional e em 2006 lança “Onde os Anjos não Ousam Pisar”, contando com a presença de convidados oriundos do Rap, Rock and Roll, Blues e baladeiros. Na Virada Cultural 2009, apresenta-se em dois palcos: no do Rock, fazendo seu próprio show e no palco Toca Raul, onde executa o álbum KRIG-HA, BANDOLO! do mestre Raul Seixas.

Início: dia 3 às 14h00

15h50

Sitar Hendrix

Sinopse:
Poeta, escritor e pensador Marsicano, embora também seja um grande conhecedor e tradutor de poesia inglesa, é mais conhecido pela música que faz e a peculiaridade do instrumento que toca: a cítara. Ele é considerado o maior citarista do Brasil ( e também um dos únicos), discípulo de Ravi Shankar e faz questão de se misturar a todos os estilos musicais, do forró ao rock. Seu disco Sitar Hendrix foi indicado ao Grammy e é uma releitura de Jimi Hendrix sobre a cítara, fazendo uma impensável e genial mistura do rock, blues e baião. Jimi Hendrix, o maior guitarrista de todos os tempos, era aluno de cítara e sempre alimentou o projeto de gravar um disco tocando o instrumento. Marsicano em seu disco “Sitar Hendrix” acabou realizando o sonho de Jimi.

Início: dia 3 às 15h50

17h20

Ike Willis e a Central Scrutinizer Band

Catedral da Sé

Uma performance para desacelerar o mundo. Desde uma grandiosa instalação atores sopram delicadamente poemas nos ouvidos do público circulante.

Endereço: Catedral da Sé.

21h00

La Confidence des Oiseaux de Passage – Les Souffleurs Commandos Poétiques

Sinopse:
Uma performance para desacelerar o mundo. Desde uma grandiosa instalação atores sopram delicadamente poemas nos ouvidos do público circulante.



http://www.les-souffleurs.fr/

http://www.les-souffleurs.fr/anglais/html/gbpframepresse.htm



Domingo o grupo partirá da Catedral da Sé para um cortejo pelo centro das 14h as 18h.

Início: dia 2 às 21h00
Duração: 480 minutos;

Jardim da Luz

Groupe Carabosse - Instalação de Fogo.

Instalação ocupará toda a extensão do Jardim da Luz, num espetáculo cênico de grande formato e longa duração.

Endereço: Jardim da Luz.

22h00

Instalação de Fogo – Cie Carabosse

Sinopse:
Installation de Feu

O projeto propõe um percurso de Fogo e Música, desenvolvendo-se por uma grande parte do parque e também pela estação da Luz. Por sua vez, uma instalação de som e 3 músicos, espalhados pelo caminho, acompanharão os visitantes ao longo do percurso. Ao cair da noite, seguindo seu próprio ritmo, os espectadores serão convidados a um passeio livre durante as 3 horas de duração dos efeitos das chamas.

http://www.ciecarabosse.fr

Início: dia 2 às 22h00
Duração: 240 minutos;

ESTAÇÃO DA LUZ - 20 anos sem Raul

A 5ª edição da Virada Cultural homenageia um dos maiores ícones do rock nacional: Raul Seixas.



Vinte anos após a sua morte, 19 bandas se reunirão na Avenida Cásper Líbero para integrar o Palco Toca Raul, dedicado às composições do artista em seus 20 anos de carreira.



Os músicos envolvidos farão um grande passeio pela carreira de Raul, tocando todos os álbuns na íntegra. O primeiro show começa às 18h do sábado com a banda Os Panteras tocando as músicas do álbum Raulzito e os Panteras, de 1968. A última atração acontece às 18h do domingo com Marcelo Nova & Os Panteras interpretando o último álbum de Raul, A Panela do Diabo.

Endereço: Estação da Luz.
Atrações:

18h15

Raulzito e os Panteras (1968) – Os Panteras

Sinopse:
Antes de chegarem a um estúdio no Rio de Janeiro para gravarem seu primeiro disco, Raulzito e Os Panteras (na época, The Panthers) eram a melhor banda de rock de Salvador e acompanhavam quase todos os artistas da Jovem Guarda que se apresentavam na cidade, como Roberto Carlos e Jerry Adriani. E foi justamente Jerry Adriani quem os convidou a tentarem a sorte no Rio. Mas nada foi muito fácil para os roqueiros baianos. Após muito camelarem pela Cidade Maravilhosa, acabaram conseguindo gravar seu primeiro LP: “Raulzito e Os Panteras”, primeiro disco de Raul, o único gravado com Os Panteras. Era um disco um tanto romântico e nas palavras do guitarrista Eládio, “talvez não tenha sido o disco que o grupo imaginara”. Enquanto os baianos recém chegados ao Rio pensavam em liberdade, mudança de comportamento e qualidade musical, a gravadora só pensava em faturar. Eles poderiam gravar o que quisessem, desde que fosse comercial. Sua capa, visivelmente influenciada pelos Beatles, dá o tom de suas composições. Dedilhados românticos, tons de psicodelismo e uma ousada versão de”Lucy In The Sky With Diamonds”, que saiu “Você ainda pode sonhar”, ainda não mostram o Raul que todos conhecemos. Porém nas faixas “Me deixa em paz”, “Trem 103” e “Dorminhoco”, já se podia notar o que estava por vir.



Na Virada Cultural 2009, “Raulzito e Os Panteras” será interpretado pelos próprios Panteras.



“Raulzito e os Panteras”, faixa a faixa:



Brincadeira

Por Quê? Pra Quê?

Um Minuto Mais (I Will)

Vera Verinha

Você Ainda Pode Sonhar (Lucy in the Sky with Diamonds)

Menina de Amaralina

Triste Mundo

Dá-me Tua Mão

Alice Maria

Me Deixa em Paz

Trem 103

O Dorminhoco

(Música)

Início: dia 2 às 18h15

19h30

Os 24 Maiores Sucessos da Era do Rock (1973) – Gaspa e Os Alquimistas

Sinopse:
Esse LP de 1973, pensado por Raul e Nelson Motta, traz recriações modernas do rock nacional e internacional dos anos 50 e 60 como “Rock Around The Clock”, “Tutti Frutti” e “O bom”, “É Proibido Fumar”, “Vem Quente Que Eu Estou Fervendo”. O LP é creditado à banda fantasma Rock Generation, mas foi gravado pelo músicos que acompanhavam Raul na época (Gay Vaquer, guitarrista; Paulo César Barros, baixista; Luiz Paulo Simas, tecladista). O LP foi relançado em 1975 com o título “20 Anos de Rock” e dez anos mais tarde como “30 Anos de Rock”.



Na Virada 2009, “Os 24 Maiores Sucessos da História do Rock” será interpretado por Ricardo Gaspa & Os Alquimistas.



“Os 24 Maiores Sucessos da História do Rock”, faixa a faixa:



Rock around the clock/Blue suede shoes/Tutti Frutti/Long tall sally

Rua Augusta/O bom

Poor little fool/Bernardine

Estúpido cupido/Banho de lua/Lacinhos cor de rosa

The great pretender

Diana/Little darling/Oh! Carol/Runaway

Marcianita/É proibido fumar/Pega ladrão

Jambalaya/Shake, rattle and roll/Bop-a-lena

Only you

Vem quente que eu estou fervendo

(Música)

Início: dia 2 às 19h30

20h45

Vida e Obra de Johnny McCartney (1971) – Leno Azevedo e Envergadura Moral

Sinopse:
Depois da pouca repercussão de seu disco de estréia, Raul voltou a Salvador. Mas a estadia em sua cidade natal foi rápida. Aproveitando seu vasto conhecimento musical, o diretor da CBS convida Raul para ser produtor fonográfico. Nessa condição Raul trabalha na gravação do LP “Vida e Obra de Johnny McCartney”, de seu amigo Leno Azevedo. O disco é um ousado projeto que teve cinco de suas doze músicas censuradas.



“Vida e Obra de Johnny McCartney” será interpretado em todas as suas faixas, pelo próprio Leno Azevedo.



“Vida e Obra de Johnny McCartney”, faixa a faixa:



Johnny McCartney (Raulzito e Leno)

Por que Não? (Leno)

Lady Baby (Raulzito e Carlos Augusto)

Sentado no Arco-Íris (Raulzito e Leno)

Pobre do Rei (Paulo Sérgio e Marcos Valle)

Peguei uma Apollo (Arnaldo Brandão)

Sr. Imposto de Renda (Raulzito e Leno)

Não há Lei em Grilo City (Leno)

Convite para Ângela (Raulzito e Leno)

Deixo o Tempo Me Levar (Leno)

Contatos Urbanos (Ian Guest)

Bis (Rauzito e Leno)

Johnny McCartney (Raulzito e Leno)

(Música)

Início: dia 2 às 20h45

22h00

Sociedade da Grã-Ordem Kavernista Apresenta Sessão das 10 (1971) – Edy Star

Sinopse:
Ainda como produtor musical, Raul juntou um turma alucinada e pronta pra botar pra quebrar de verdade. Com Sérgio Sampaio, Miriam Batucada e Edy Star, Raul Seixas grava “Sociedade da Grã-Ordem Kavernista apresenta Sessão das Dez”. Um disco sem precedentes: anárquico e genial, debochado e sarcástico, o LP mostra um Raul decidido a abalar as estruturas do que até então era ditado como comportamento geral. “Sociedade” tem influências de Frank Zappa e traz, faixa após faixa, uma mistura porreta de frevo, calipso, samba, rock e até bolero. O resultado foi que, embora o disco tivesse sido retirado rapidamente do mercado, acabou infuenciando bandas inteligentes, ácidas e satíricas que surgiriam anos mais tarde, como Língua Trapo e Joelho de Porco (ambas se apresentarão na Virada Cultural 2009. Confira a programação).



“Sociedade da Grã-Ordem Kavernista apresenta Sessão das Dez”, faixa a faixa:



Êta Vida



Sessão das Dez



Eu Vou Botar Pra Ferver



Eu Acho Graça



Chorinho Inconsequente



Quero Ir



Soul Tabarôa



Todo Mundo Está Feliz



Aos Trancos E Barrancos



Eu Não Quero Dizer Nada



Dr. Paxeco



Finale



Edy Star

Edy Star é um cantor, ator, dançarino, produtor teatral e artista plástico baiano que ganhou notoriedade por suas apresentações em boates no Rio de Janeiro e São Paulo e pela participação no disco “Sociedade da Grã-Ordem Kavernista Apresenta Sessão das Dez”. Também participou, em 1975, da primeira montagem brasileira da peça “Rocky Horror Show”, produzida por Guilherme Araújo. Gravou um disco “Sweet Edy” em 1974, com músicas compostas especialmente para ele por nomes como Roberto Carlos, Erasmo Carlos, Gilberto Gil e Caetano Veloso. É considerado o primeiro artista “glitter” do Brasil. E foi o primeiro artista brasileiro a assumir sua homossexualidade em público. Edy Star vive em Madri, onde trabalha como mestre-de-cerimônias de um cabaré.

(Música)

Início: dia 2 às 22h00

23h15

Krig-Ha, Bandolo! (1973) – Nasi

Sinopse:
1973. Ano em que Secos e Molhados e Luiz Melodia lançaram seus LPs de estréia, Raul sai com “Kring-há, Bandolo!”, um álbum repleto de grandes sucessos como “Mosca na Sopa”, “Al Capone”, “Rockixe” e “Ouro de Tolo”. É o primeiro álbum solo de Raul, o primeiro a trazer suas parcerias com Marcelo Coelho. A parceria rendeu, além de um enigmático disco, apresentações teatrais e a divulgação do manifesto da Sociedade Alternativa, feita com a distribuição de gibis, criados por ele e Paulo Coelho, na porta de seus shows em São Paulo. Isso, em plena ditadura militar. Mas os milicos não deixaram barato: recolheram todos os exemplares da revista por serem considerados “material subversivo”, prenderam e torturaram Raul, que, enquanto suas músicas eram tocadas em milhares de vitrolas em todo o país, foi obrigado a se exilar nos EUA. Lá, ao lado de Paulo Coelho, conheceu alguns de seus ídolos como John Lennon e Jerry Lee Lewis.



Na Virada 2009, “Kring-há, bandolo!” será interpretado por Nasi.



“Kring-há, bandolo!”, faixa a faixa:



Introdução (Raul aos 9 anos)

Mosca na Sopa

Metamorfose Ambulante

Dentadura Postiça

As Minas do Rei Salomão

A Hora do Trem Passar

Al Capone

How Could I Know

Rockixe

Cachorro Urubu

Ouro de Tolo

(Música)

Início: dia 2 às 23h15

00h30

Gita (1974) – Cesar Di

Sinopse:
Disco de Ouro (600 mil cópias vendidas) e com direito a clipe no Fantástico, Gita levou definitivamente Raul ao sucesso. Recém chegado do exílio, Raul posa para a foto da capa vestido de guerrilheiro com uma guitarra vermelha, numa evidente provocação ao sistema que anos atrás o forçaram a viver nos EUA. Provocações que se repetem pelas faixas do disco. Acompanhado de Paulo Coelho, Raul grava um LP que traz um clássico atrás do outro: “Gita” (inspirada num livro sagrado indiano com mais de 6000 anos, o “Bhagavad-Gita”), “Super Heróis”, “As Aventuras de Raul Seixas na Cidade de Thor”, “Sociedade Alternativa”, “Medo da Chuva” e “Trem das Sete”. É nesse disco que o mito Raul Seixas começava a ser definido por suas palavras: “faça o que tu queres pois é tudo da lei”. Em meio à concepção de “Gita”, Raul Seixas e Paulo Coelho foram convidados para gravar a trilha sonora da novela global “O Rebu”. O que soava como um convite surreal, transformou-se em mais uma série de excelentes composições da dupla. Disco jamais relançado, “O Rebu” traz “Como Vovó Já Dizia” (com coro dos Golden Boys), “Se o Rádio Não Toca” além das baladas “Água Viva” e “Planos de Papel” (gravada pela então iniciante Alcione).



Na Virada 2009, “Git”a será executado na íntegra por César Di.



“Gita”, faixa a faixa:



Super-Heróis

Medo da Chuva

As Aventuras de Raul Seixas na Cidade de Thor

Água Viva

Moleque Maravilhoso

Sessão das 10

Sociedade Alternativa

O Trem das Sete

S.O.S.

Prelúdio

Loteria da Babilônia

Gita

(Música)

Início: dia 3 às 00h30

01h45

Novo Aeon (1975) – Caverna Guitar Band

Sinopse:
Depois da infeliz separação de Edith, sua primeira esposa, Raul ganha nova vida casando-se com Glória Vaquer, irmã de seu guitarrista Gay Vaquer. “Novo Aeon” (novo tempo) nasce em meio este momento. Ao longo de suas faixas, Raul canta o direito de só se fazer o que tiver vontade, o desejo de só ter tentação no caminho, o repúdio “à monogamia escravizante”, a obrigação em ser livre, a fé em Deus e a paranóia de que Ele, a tudo vê. Canções como “Eu Sou Egoísta”, “A Maçã”, “Rock do Diabo”, “Tente Outra Vez”, “Para Nóia”, “Tu És o MDC da Minha Vida” e “É fim de Mês” fazem de “Novo Aeon” um dos melhores discos de Raul.



Na Virada Cultura 2009, “Novo Aeon” será executado na íntegra por Caverna Guitar Band



“Novo Aeon”, faixa a faixa:



Tente Outra Vez

Rock do Diabo

A Maçã

Eu Sou Egoísta

Caminhos

Tu És o MDC da Minha Vida

A Verdade Sobre a Nostalgia

Para Nóia

Peixuxa (O Amiguinho dos Peixes)

É Fim de Mês

Sunseed

Caminhos II

Novo Aeon

(Música)

Início: dia 3 às 01h45

03h00

Há dez mil anos atrás (1976) – Macarrão e Banda Alternativa

Sinopse:
Batendo de frente contra as aspirações do mercado, Raul segue seu caminho embebido em litros e litros de álcool. Lança “Há Dez Mil Anos Atrás”, um disco recheado de canções tristes. Porém, em meio o clima depressivo de “O Homem”, “Meu Amigo Pedro” e “Cantiga de Ninar”, ainda há espaço para um Raul divertido, bem humorado e contestador, como nas faixas “Os Números” e “Eu Também Vou Reclamar”, além do sucesso que dá nome ao disco. “Há Dez Mil Anos Atrás”. O álbum ainda marca duas despedidas: ele seria o derradeiro disco autoral lançado pela Philips e um dos últimos de sua constante parceria com Paulo Coelho.



“Há Dez Mil Anos Atrás” será executado na íntegra por Macarrão e Banda Alternativa.



Há Dez Mil Anos Atrás”, faixa a faixa:



Canto para Minha Morte

Meu Amigo Pedro

Ave Maria da Rua

Quando Você Crescer

O Dia da Saudade

Eu Também Vou Reclamar

As Minas do Rei Salomão

O Homem

Os Números

Cantiga de Ninar

Eu Nasci Há 10 Mil Anos Atrás

(Música)

Início: dia 3 às 03h00

04h15

Raul Rock Seixas (1977) – Alex Valenzi e The Hideaway Cats

Sinopse:
Enquanto “O Dia Em Que A Terra Parou” chegava às lojas de disco, a Philips, sua antiga gravadora, soltava um disco de Raul que haviam guardado na gaveta: “Raul Rock Seixas”. Com interpretações de mitos como Chucky Berry, Paul Anka, Gene Vincent e Little Richards, o disco tem a mesma fórmula de “Os 24 Maiores Sucessos Da História do Rock”. No final do LP, há uma surpreendente junção de “Asa Branca” com “Blue Moon of Kentucky”. Coisas de Raul.



“Raul Rock Seixas” será interpretado, faixa a faixa, por Alex Valenzi e The Hideaway Cats.



“Raul Rock Seixas” faixa a faixa:



My Way/Trouble



The Diary



My Baby Left Me/Thirty Days/Rip It Up



All I have To Do Is Dream/Put Your Head On My Shoulder/Dear Someone



Do You Know What It Means



Lucille/Corrine,Corrina



Ready teddy/Hard Headed Woman/Baby I Don`t Care



Just Because



Bye Bye Love/Be Bop A Lula/Love Letters In The sand/Hello, Mary Lou



Blue Moon Of Kentucky/Asa Branca

(Música)

Início: dia 3 às 04h15

05h30

O dia em que a terra parou (1977) – Angelo Tavares & Banda Krig-ha!

Sinopse:
Um dos raros LP de Raul feito com um único parceiro, Cláudio Roberto, “O Dia Em Que A Terra Parou” também é sua estréia na nova gravadora, a então recém fundada WEA. O disco traz um dos maiores sucessos de Raul Seixas: “Maluco Beleza”. Mas nem de longe esta é a melhor música do disco: “No Fundo Do Quintal Da Escola”, “Tapanacara” (com a banda Black Rio), “Eu Quero Mesmo” (música escrita por Raul para Odair José), “Sapato 36”, “Que Luz É Essa” (com Gilberto Gil no violão) além da canção que dá nome ao álbum, compõem um disco de utopias e renovações, apresentando um Raul Seixas de terno e de barba e cabelos cortados.



“O Dia Em Que A Terra Parou” será interpretado em todas as suas faixas por Ângelo Tavares e Banda Krig-há!



“O Dia Em Que A Terra Parou” faixa a faixa:



Tapanacara

Maluco Beleza

O Dia em que a Terra Parou

No Fundo do Quintal da Escola

Eu Quero Mesmo

Sapato 36

Você

Sim

Que Luz É Essa?

De Cabeça Prá Baixo

(Música)

Início: dia 3 às 05h30

06h45

Mata Virgem (1978) – Raiz Quadrada

Sinopse:
Em 1978, Raul Seixas foi a uma fazenda na Bahia para se curar de uma pancreatite que o álcool lhe deixara de herança, moléstia que lhe acompanharia por muitos e muitos anos, a sua morte. Voltou com uma nova companheira, Tânia Menna (que compôs com ele “Mata Virgem” e “Pagando Brabo”), e retomou a parceria, mesmo que rapidamente, com um antigo aliado, Paulo Coelho. No disco, Freud explica as coisas, anda-se pra frente olhando para os lados, o tempo parece parar, Judas e Conde Drácula dão o ar da graça e o fim do mundo está previsto, como em qualquer profecia.



“Mata Virgem” será executado na íntegra por Raiz Quadrada



“Mata Virgem”, faixa a faixa:



Judas

As Profecias

Tá Na Hora

Planos de Papel

Conserve Seu Medo

Negócio É

Mata Virgem

Pagando Brabo

Magia de Amor

Todo Mundo Explica

(Música)

Início: dia 3 às 06h45

08h00

Por quem os sinos dobram (1979) – Mou e Tábula Rasa

Sinopse:
Raul vivia mais uma época conturbada de sua vida: seu segundo casamento chegou ao fim e um homem foi assassinado dentro de seu apartamento em Copacabana. Raul virou assunto das páginas policiais. Mas nem tudo é tristeza: nesse período, Raul conheceu sua futura esposa, Kika. Foi nesse turbilhão de sentimentos que saiu “Por Quem Os Sinos Dobram”, álbum cujo título foi inspirado no filme homônimo, uma versão do livro de Hemingway. O disco traz um Raul com arrependimentos e em busca da paz consigo mesmo, mesclados a momentos de otimismo e bom humor. Estão nesse LP alguns clássicos da sua obra, como “Segredo Do Universo”, o reggae “Ide A Mim Dada” e “Por Quem Os Sinos Dobram”.



Na Virada Cultural 2009, “Por Quem Os Sinos Dobram” será interpretado por Mou & Tabula Rasa.



“Por Quem Os Sinos Dobram”, faixa a faixa:



Ide A Mim Dada

Diamante de Mendigo

A Ilha da Fantasia

Na Rodoviária

Por Quem os Sinos Dobram

O Segredo do Universo

Dá-lhe Que Dá

Movido a Álcool

Réquiem para uma Flor

(Música)

Início: dia 3 às 08h00

09h15

Abre-te Sésamo (1980) – Velhas Virgens

Sinopse:
Os anos 80, abrem suas portas para Raul viver seus últimos anos. No início da década, tem sua terceira filha a primeira com Kika e lança “Abre-te Sésamo”, um dos melhores discos de sua carreira é considerado o renascimento de Raul. Disposto a dar a volta por cima e acabar com antigos fantasmas, Raul continua o mesmo criador inveterado que viaja entre inúmeros ritmos, sem culpa ou preconceitos. Tem rock, tem moda de viola, tem baião, tem batuque, tem forró, tem country, tem música censurada (“Rock Das Aranhas”). E tem “Ângela”, uma bela canção que Raul escreveu para sua mulher Kika Seixas (com arranjos do então novato Celso Blues Boy). Para promover o LP, Raul caprichou: passou uma tarde inteira andando de jegue pelas movimentadas ruas de São Paulo e depois, foi ao “Cassino do Chacrinha”, extinto programa da Rede Globo, carregado por halterofilistas. É nessa época que é fundado o “Raul Rock Seixas”, o primeiro fã-clube de Raul Seixas, fundado por seu amigo Sylvio Passos. Hoje, o “Raul Rock Seixas” tem milhares de associados.



Na Virada Cultural, “Abre-te Sésamo” será executado pelas Velhas Virgens.



“Abre-te Sésamo”, faixa a faixa:



Abre-te Sésamo

Aluga-se

Anos 80

Angela

Conversa prá Boi Dormir

Minha Viola

Rock das Aranha

O Conto do Sábio Chinês

Só prá Variar

Baby

E Meu Pai

A Beira do Pantanal

(Música)

Início: dia 3 às 09h15

10h30

Raul Seixas (1983) – Darlan Moreira

Sinopse:
Mais uma vez vítima da pancreatite, Raul lança um disco homônimo que traz um novo clássico, não do rock nacional, mas do cancioneiro infantil: “Carimbador Maluco”, música criado para o programa “Plunct Plact Zum”, da Rede Globo. Além de “Carimbador Maluco”, o álbum traz uma faixa na qual Raul divide os vocais com Wanderléia (“Quero Mais”), faz uma versão para “Bop a Lena”, de Gene Vincent (“Babilina”). O disco gera outro, “Raul Seixas Ao Vivo”, único registro de sua boa fase nos palcos. O LP “Raul Seixas” ainda traz uma gravação ao vivo de “So Glad You’re Mine”, de Arthur Crudup, ídolo de Elvis Presley, que foi ídolo de Raul. Raul gostava de beber na fonte. Mesmo.



Na Virada Cultural, “Raul Seixas” será interpretado por Darllan Moreira.



“Raul Seixas”, faixa a faixa:



DDI (Discagem Direta Interestelar)

Coisas do Coração

Coração Noturno

Não Fosse o Cabral

Quero Mais

Lua Cheia

O Carimbador Maluco

Segredo da Luz

Aquela Coisa

Eu Sou Eu, Nicuri É o Diabo

Capim Guiné

Babilina

So Glad You're Mine

(Música)

Início: dia 3 às 10h30

11h45

Metrô Linha 743 (1984) – Raul Seixas Band

Sinopse:
Raul Seixas Band - Arnaldo Brandão/Rick Ferreira/Pedro Augusto/Maurício Baia/Kika Seixas & Vivi Seixas

Com o sucesso de “Carimbador Maluco”, Raul descolou um contrato com a Som Livre, gravadora da Globo e soltou “Metrô Linha 743”. O disco é feito praticamente sem guitarra, com muito violão, numa época em que o rock nacional explodia e o Brasil vivia as vésperas do primeiro Rock In Rio. No álbum estão releituras de “Trem Das Sete” e “Eu Sou Egoísta”. O disco também teve uma faixa censurada, “Mamãe Eu Não Queria” , balada que questiona e deixa bem clara sua posição quanto à obrigatoriedade do serviço militar. É na época de “Metrô Linha 743” que chega ao fim mais um relacionamento afetivo de Raul: Kika se separa de Raul que afoga em muito álcool suas mágoas e inquietudes.



Na Virada Cultural 2009, “Metrô Linha 743” será interpretado pela Raul Seixas Band formada por Arnaldo Brandão, Rick Ferreira, Miguel Arcanjo, Maurício Baia e pela ex-mulher de Raul: Kika Seixas e sua filha Vivi Seixas.



“Metrô Linha 743”, faixa a faixa:



Metrô Linha 743

O Messias Indeciso

Meu Piano

Quero Ser o Homem eu Sou (Dizendo a Verdade)

Canção do Vento

Mamãe Eu Não Queria

Mas I Love You (Prá Ser Feliz)

Eu Sou Egoísta

Trem das Sete

Geração da Luz

(Música)

Início: dia 3 às 11h45

13h00

Let Me Sing My Rock and Roll (1985) – Agnaldo Araújo

Sinopse:
Se Raul Seixas não participou do Rock in Rio por estar se tratando em Salvador, o garimpo de Marupá, em plena floresta Amazônica, recebeu-o para um show inusitado. No mesmo ano, por iniciativa de Sylvio Passos, é lançado “Let Me Sing My Rock And Roll”, o primeiro (e talvez único) disco de um grande nome da música brasileira produzido por um fã-clube. O LP traz sons que as gravadoras deixaram esquecidos nas gavetas com mais outras músicas que estavam até então, limitadas a discos-compactos e à trilha sonora da novela “O Rebu”, de 1974. O álbum teve apenas 1000 cópias prensadas e jamais foi relançado, transformando-se numa relíquia, e traz “Não Pare Na Pista”, “Como Vovó Já Dizia”, “Se O Rádio Não Toca” e “Caroço de Manga”.



Na Virada Cultural 2009, “Let Me Sing My Rock And Roll” é executado na íntegra por Agnaldo Araújo.



“Let Me Sing My Rock And Roll”, faixa a faixa:



Let Me Sing, Let Me Sing

Teddy Boy, Rock e Brilhantina

Eterno Carnaval

Caroço de Manga

Não Pare na Pista

Como Vovó Já Dizia

Um Som para Laio

Love is Magick



Murungando



Vida A Prestação



Por quê?



Se O Rádio Não Toca

(Música)

Início: dia 3 às 13h00

14h15

Uah-Bap-Lu-Bap-Lah-Béin-Bum!!! (1987) – Rick Ferreira

Sinopse:
Disco calcado no passado desde a sua capa, Raul lançou pela gravadora Copacabana “UAH-BAP-LU-BAP-LAH-BÉIN BUM!”. Ano em que o rock nacional se limitava as influências britânicas, Raul sai de “Cowboy Fora da Lei”, “Canta”,



“Cambalache” e a antológica “Quando Acabar O Maluco Sou Eu”, na qual Raul cita o mutante Arnaldo Baptista em “Balada De Um Louco”, nos versos “eu sou louco mas sou feliz / muito mais louco é quem me diz / eu sou dono do meu nariz / na Feira de Santana ou mesmo em Paris”. Foi também no ano de lançamento de “UAH-BAP-LU-BAP-LAH-BÉIN BUM!” que Raul conheceu e foi reverenciado pelos então iniciantes Camisa de Vênus, que o convidou para gravar “Muita Estrela, Pouca Constelação”.



Na Virada 2009, “UAH-BAP-LU-BAP-LAH-BÉIN BUM!” será executado por Rick Ferreira, guitarrista que gravou o LP originalmente com Raul.



“UAH-BAP-LU-BAP-LAH-BÉIN BUM!”, faixa a faixa:



Abertura

Quando Acabar o Maluco Sou Eu

Cowboy Fora da Lei

Para Nóia II

I Am (Gita)

Cambalache

Loba

Canceriano Sem Lar (Clínica Tobias Blues)

Gente

Cantar

(Música)

Início: dia 3 às 14h15

15h30

A Pedra do Gênesis (1988) – Viúva Negra

Sinopse:
Já bastante doente e praticamente separado de sua última mulher, Leda Coutinho, lança também pela Copacabana seu penúltimo disco. O LP é marcado por canções que soam como o presságio de uma despedida, como “Cavalos Calados”, “Senhora Dona Persona” e na antiga “Areia Da Ampulheta”. O disco ainda traz “Check Up” (que havia sido censurada nos anos 70), “Fazendo O Que O Diabo Gosta” e “Não Quero Mais Andar Na Contramão”, uma versão de “ No No Song” de Hoyt Axton e David P. Jackson. Nesse mesmo ano, sua amizade com seu fã e agora famoso roqueiro Marcelo Nova se intensifica, iniciando a derradeira parceria de Raul, rendendo alguns shows e a gravação de seu último disco: “A Panela Do Diabo”



Na Virada Cultural de 2009, “A Pedra Do Gênesis” será interpretado, faixa após faixa, por Viúva Negra.



“A Pedra Do Gênesis”, faixa a faixa:



A Pedra do Gênesis

A Lei

Check Up

Fazendo o que o Diabo Gosta

Cavalos Calados

Não Quero Mais Andar na Contra-Mão

I Don´t Really Need You Anymore

Lua Bonita

Senhora Dona Persona

Areia na Ampulheta

(Música)

Início: dia 3 às 15h30

16h45

A Panela do Diabo (1989) – Marcelo Nova e Os Panteras

Sinopse:
Gravado em agosto de 1989, “A Panela Do Diabo” é o resultado da série de apresentações que Raul fez ao lado de Marcelo Nova, acompanhados pela banda “Envergadura Moral”. O tom de despedida é óbvio mas o disco também traz em algumas faixas o sarcasmo que tanto marcou o estilo de Raul. É nesse LP que encontramos músicas como “Carpinteiro do Universo”, “Pastor João e a Igreja Invisível” e “Rock And Roll”. Dois dias após o lançamento do álbum, em 21 de agosto, Raul faleceu em São Paulo, devido a uma parada cardíaca provocada pela pancreatite crônica.



Na Virada Cultural, “A Panela Do Diabo” é interpretado na íntegra por Marcelo Nova e Os Panteras.



“A Panela Do Diabo”, faixa a faixa:



Be Bop A Lula

Rock'n'Roll

Carpinteiro do Universo

Quando Eu Morri

Banquete de Lixo

Pastor João e a Igreja Invisível

Século XXI

Nuit

Best Seller

Você Roubou Meu Videocassete

Cãimbra no Pé

(Música)

Início: dia 3 às 16h45

18h00

Jam Seixas

Sinopse:
Que Luz é essa que vem vindo lá do céu? Plunct! Plact! Zum! O Disco Voador pousou na Luz! Ta rebocado meu compadre! E lá vão eles de novo, um pouco assustados, andando pra frente e olhando pros lados, indo onde Pedro vai enquanto o tempo parece parado. Se na curva do futuro muito carro capotou, sorte ter terminando a prestação do meu buraco pra não nos preocuparmos de não mais ter onde morrer. Dizendo a verdade ia andando pela rua meio apressado, sabendo que era vigiado enquanto botava pra ferver o carnaval que passou. Coragem que você pode mais, pode um conquistar uma porção de coisas grandes, bebendo do vinagre e do vinho. Só não pode ficar aí parado, com cara de viado. E quando acabar, o maluco sou eu.

(Música)

Início: dia 3 às 18h00


Praça Dom José Gaspar

Piano na Praça

Originado na Virada, o projeto se repete em sábados alternados durante o ano, com um grande piano montado, solitário, no meio da belíssima praça da biblioteca, para concertos solo de pianistas consagrados e emergentes.

Endereço: Praça Dom José Gaspar.
Atrações:

19h00

Duo Lumina

Sinopse:
O Duo Lumina vem atuando desde setembro de 2002, tendo se apresentado em várias salas de concerto da capital paulista e por várias vezes no Theatro São Pedro, onde foi lançado seu primeiro CD. Atualmente o duo tem enfatizado o repertório de caráter popular mais tradicional e/ou histórico, como o maxixe, o choro, o samba, o frevo e a música regional de caráter folclórico, a saber, catira, bumba-meu-boi, maracatu, congada, entre outros, com adaptações originais para a formação proposta, contando, em algumas ocasiões, com participações especiais de percussão, flauta, acordeom e clarinete.

(Música)

Início: dia 2 às 19h00

21h00

Duo Gis Branco

Sinopse:
Duo de pianistas formada por Bianca Gismonti (filha de Egberto Gismonti, que também se apresenta na Virada Cultural 2009) e Cláudia Castelo Branco, conheceram-se ainda estudantes, na Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Nas salas de audição da Escola, tocavam uma de frente para outra, mas, embora convivessem diariamente, só pensaram em tocar juntas somente quando já eram profissionais. Seu CD de estréia, batizado com o nome do duo, traz composições próprias e de outros grandes músicos, como Vinicius de Moraes, Tom Jobim, Egberto Gismonti e Aldir Blanc, Leandro Braga e Déllia Fischer (que também se apresenta nesta Virada, no palco Piano na Praça).

(Música)

Início: dia 2 às 21h00

23h00

Vitor Gonçalves

Sinopse:
O Jovem Carioca de 28 anos formou-se no curso de Bacharelado em piano pela Uni-Rio. Participou da gravação de CDs de respeitados grupos e instrumentistas, como o trombonista Vitor Santos, o baterista Márcio Bahia e o grupo UFR Jazz Ensemble. Há oito anos integra a Itiberê Orquestra Família, grupo liderado por Itiberê Zwarg, baixista que há trinta anos toca no grupo de Hermeto Pascoal. Com a orquestra gravou dois CDs, “Pedra do Espia” e “Calendário do Som”, realizou turnês pelo Brasil, Uruguai e Argentina.



O Show: esse show procura mostrar as diferentes possibilidades do piano solo. Arranjos mais depurados se misturam a uma atmosfera de total improviso e liberdade num repertório eclético, composto de clássicos da música brasileira, temas de grandes mestres e de composições inéditas próprias e de parceiros e companheiros musicais.



Repertório:

Da Cor do Pecado (Bororó)

Carinhoso (Pixinguinha)

Aqui Oh (Toninho Horta)

Cinco por Quatro (Hermeto Pasoal)

Essa Maré (Ivan Lins)

Horas (Guto Wirti)

Badalada (Vitor Gonçalves)

Rapaz de Bem (Johnny Alf)

Maracatu no Bambu (Bernardo Ramos)

Sambando (Vitor Gonçalves)

(Música)

Início: dia 2 às 23h00

01h00

Lulinha Alencar

Sinopse:
O nome desse jovem instrumentista vem sendo lembrado com cada vez mais freqüência sempre que o assunto é a cena da música instrumental que está em voga atualmente no Brasil. Com suas composições aliadas ao seu jeito peculiar de tocar os teclados (piano e acordeom), sua trajetória se faz cada vez mais independente dentro do restrito círculo de festivais brasileiros e internacionais. Integrante da Orquestra Popular de Câmara de São Paulo, Lula ainda trabalha como músico de apoio de nomes importantes da MPB. Transitando entre áreas diversas mas afins, seu som revisita suas origens sertanejas, completando-se com a urbanidade em arranjos pautados na modernidade e nas tradições.

(Música)

Início: dia 3 às 01h00

03h00

Pepe Cisneros

Sinopse:
Cubano de 28 anos, Pepe Cisneros é músico, produtor musical, arranjador e pianista. Foi músico professor em Havana até 1992, quando veio para São Paulo. Em 1997 é convidado a integrar a Orquestra Heartbreakers, com os quais vem realizando apresentações, turnês, CDs e DVDs. Tocou com Caetano Veloso e Jorge Mautner no CD “Eu não peço desculpas”. Participou de turnês com Gabriel O Pensador (DVD “Acústico MTV”), Marina Lima, Elza Soares, Toninho Horta, entre outros. Participou da gravação do último CD de George Benson, ainda não lançado no Brasil, e do show da cantora cubana Omara Portuondo, do filme Buena Vista Social Club. Pepe trabalhou em diversos trios, quartetos, quintetos, big bands, participando de festivais de jazz por todo mundo, como “Jazz Plaza” de Havana, “Festival de Jazz de Barbados”, e o nacional “Free Jazz”, em São Paulo.

(Música)

Início: dia 3 às 03h00

05h00

Edinho Santana

Sinopse:
Edinho Santana nasceu em Joinville, Santa Catarina. Marcou presença no cenário musical catarinense até maio de 2005, ano em que vem para São Paulo e participa de diversos projetos instrumentais como Bob Wyatt Quarteto, Thiago do Espírito Trio, Alex Buck noneto, Marcos Paiva Sexteto, Paulo Malheiros Noneto entre outros. Trabalhou também na banda Jazz Sinfônica de Diadema e da Reteté Big Band. Também é integrante da Soundscape Big Band Jazz e pianista da Sambista Fabiana Cozza, além de professor do Conservatório Souza Lima.



Repertório:

Valsa para Dênia - Edson Sant'anna

Chega de Saudade - Tom Jobim

3 Miniaturas - Edson Sant'anna

Sambou Sambou - João Donato

Só Danço Samba Jazz - Edson Sant'anna

Seu Thelonious - Edson Sant'anna

Waltz for Bill - Edson Sant'anna

De tanta Saudade - Edson Sant'anna

Ceroula - Edson Sant'anna

Cedar Walton - Edson Sant'anna

Tocata para piano - Edson sant'anna

(Música)

Início: dia 3 às 05h00

07h00

Beto Betrami

Sinopse:
Beto Bertrami, nascido em São Paulo, é músico profissional, pianista, tecladista, professor de música, compositor e arranjador. Bertrami já tocou com vários nomes da MPB e do Jazz como Leila Pinheiro, Jair Rodrigues, Max de Castro, Wilson Simoninha, Toquinho Ferraguti, Roberto Sion, Claudya (do musical Evita), Nora Ney, Miltinho, Márcia, Fortuna Joyce, Sônia Maia, Jane e Herondy (que também se apresentam nesta Virada Cultural), Edson Montenegro, Lady Zu, Toni Bizzarro, Toni Tornado, Carlinhos Trompete, Oswaldo Sargenteli, Clayber (gaita), Ubaldo Versolato, Nahor Gomes e Vera Figueiredo, Frank Gambele, Mike Shapiro entre outros.



Repertório:

Acabou em Pizza (Beto Bertrami)

Foi um dia (Cláudio Bertrami)

Gigi (Beto Bertrami)

Partido Alto (José Roberto Bertrami)

Primeira Inspiração (Beto Bertrami)

Vera Cruz (Milton Nascimento)

Stella By Starlight (Victor Young)

Se Todos Fossem Iguais A Você (Tom Jobim e Vinicius de Moraes)

Lígia (Tom Jobim e Chico Buarque de Holanda)

Batida Diferente (Durval Ferreira e Maurício Einhor)

(Música)

Início: dia 3 às 07h00

09h00

Leandro Cabral

Sinopse:
Leandro Cabral, nascido em 1983, há dois anos é integrante da banda de Ed Motta com quem tem feito shows por todo Brasil e exterior. Já tocou e gravou com grandes nomes como o saxofonista norte americano David Richards, o lendário trompetista Márcio Montarroyos; experientes intérpretes de blues/jazz como as norte-americanas Cynthia Utterbach e Alissa Sanders, Dave Gordon, Tony Gordon. Também já dividiu o palco com cantores de MPB como Giana Viscardi , Izzy Gordon, Salgadinho, Maurício Manieri, Paulo Ricardo, Max de Castro, Wilson Simoninha, Ana Cañas, Luciana Mello, Léo Maia, Silvera, Paulo Rogério Vincent Gardner (trombonista da orquestra de Wynton Marsalis), Edu Martins, Cuca Teixera, Djalma Lima, Fernando Corrêa, François Lima, Alberto Continentino, Nahor Gomes, Daniel D’Alcântara, Toninho Ferragutti, Paulinho Guitarra, dentre outros.



Repertorio:

Baião Malandro (Egberto Gismonti)

Auto Retrato (Egberto Gismonti)

Vozes no Mar (Délia Fischer/Thiago Picchi)

Aluvião (Délia Fischer/Thiago Picchi)

Mercado (Délia Fischer/ Thiago Picchi)

Nascimento da Vênus (Délia Fischer/ Camila Costa)

Catu (Délia Fischer)

Araçagy (Délia Fischer)

In my life (Beatles)

Blackbird (Beatles)

Grávida (Marina Lima /Arnaldo Antunes)

A Violeira (Tom Jobim/ Chico Buarque)

(Música)

Início: dia 3 às 09h00

11h00

Beba Zanettini

Sinopse:
Pianista, compositor e arranjador, nascido em São Paulo, formado pelo Instituto de Artes da Unesp, já tocou com artistas como Alzira Espíndola, Ângela Maria, Vanusa e o cantor angolano Filipi Mukenga. Tem participado da gravação e de shows de outros músicos e intérpretes tais como Letícia Coura, Suzana Salles, Sérgio Molina, Bia Biagi, Bob Cupini, Paulo Gusmão de Mendonça, Mona Gadelha e Jorge Marciano.

(Música)

Início: dia 3 às 11h00

13h00

Rafael Vernet

Sinopse:
RAFAEL VERNET, 44, é músico com formação clássica e começou seus estudos em Bagé (RS), onde nasceu. Rafael tem sido um dos mais requisitados e prestigiados músicos de sua geração. Participou de inúmeros shows, turnês e gravações ao lado de grandes cantores e reconhecidos instrumentistas nacionais e internacionais, do calibre de Hermeto Pascoal, Ed Motta, Toninho Horta, Paulinho da Viola, Zé Renato, Chico Buarque, Jean-Paul “Bluey” Maunick, Josee Koning, Jan Dumée, Wilson das Neves, Alcione, Roberto Menescal, Wanda Sá, Luciana Mello, Monarco, Fátima Guedes, Selma Reis, Lucinha Lins, Zezé Motta, Totonho Villeroy, Paula Santoro, Luciana Alves, Chico Pinheiro, Armando Marçal, Nenê, Robertinho Silva, Carlos Bala, Márcio Montarroyos, Mauro Senise, Ricardo Silveira, JT Meirelles, Idriss Boudrioua, Paulo Russo, Chico Amaral, Kiko Freitas, Marcos Suzano, Guilherme Dias Gomes, entre tantos outros.

(Música)

Início: dia 3 às 13h00

15h00

Délia Fischer

Sinopse:
Délia Fischer, 45, é Instrumentista, compositora, arranjadora, cantora e pianista.

Com carreira consolidada no exterior, principalmente na Alemanha (onde acaba de gravar seu novo CD), é conhecida como uma das mais importantes instrumentistas do país. Como integrante do Duo Fênix, juntamente com Cláudio Dauelsberg. Participou do: Festival de Jazz de Montreux, Suíça; Festival de Jazz de Sofia; Club New Morning. Paris, França; Club Brottfabrik em Sttutgard, Alemanha. Diretora musical , arranjadora, pianista e Cantora do premiado espetáculo “Let it Be”, baseado na obra dos Beatles, que está em cartaz.



Repertorio do show:

Baião Malandro (Egberto Gismonti)

Auto Retrato (Egberto Gismonti)

Vozes no Mar (Délia Fischer/Thiago Picchi)

Aluvião (Délia Fischer/Thiago Picchi)

Mercado (Délia Fischer/ Thiago Picchi)

Nascimento da Vênus (Délia Fischer/ Camila Costa)

Catu (Délia Fischer)

Araçagy (Délia Fischer)

In my life (Beatles)

Blackbird (Beatles)

Grávida (Marina Lima /Arnaldo Antunes)

A Violeira (Tom Jobim/ Chico Buarque)

(Música)

Início: dia 3 às 15h00

17h00

Mário Moita

Sinopse:
Mário Moita nasceu em 1971, formou-se em engenharia na Universidade de Évora. Desde criança se interessa por música e começou a cantar fado aos 7 anos. Quando viveu em Reguengos de Monsaraz (terra do compositor Dr. Alberto Janes), conviveu com o pianista Fortunato Murteira, que tocava fado ao piano nas décadas de 40, 50 e 60. Murteira acabou deixando-lhe um valor incalculável em partituras da época. Atualmente, Mário recria uma tradição datada de 1870, da ascensão do fado aos salões, interligando raízes Alentejanas a técnica do bello canto, resultando numa sonoridade romântica de fado ao piano.

(Música)

Início: dia 3 às 17h00


Largo Santa Efigênia

Palco dedicado a uma amostra significativa dos novos talentos musicais da cidade de São Paulo

Endereço: Largo de Santa Efigênia.
Atrações:

18h30

Anelis Assumpção

Sinopse:
A malemolência feminina ecoa elegantemente no trabalho de Anelis Assumpção. Cantora, compositora e percussionista, ela prepara-se para gravar seu primeiro CD com um punhado de canções Próprias. Com a sagacidade de quem canta na fluência das melhores conversas de botequim, a filha de Itamar Assumpção encontra o ponto certo do molho na mistura de uma descompromissada com um balanço refogado na fervura do samba, do reggae, do hip hop e da chamada vanguarda paulistana.

Site: www.myspace.com/anelisassumpcao

Início: dia 2 às 18h30

20h30

Iara Rennó

Sinopse:
Filha de Alzira Espíndola a cantora, compositora, instrumentista, arranjadora e produtora musical Iara Rennó tem músicas gravadas por Elza Soares e Ney Matogrosso e lança seu primeiro disco solo, Macunaó.perai.matupi ou Macunaíma Ópera Tupi, em abril de 2008. O projeto tem 14 faixas, todas compostas pela paulistana, exclusivamente, com trechos do livro Macunaíma – o herói sem nenhum caráter, de Mário de Andrade.

Site: http://br.myspace.com/iararenno

Início: dia 2 às 20h30

22h30

Lívia Nestrovski

Sinopse:
Lívia Nestrovski é atualmente aluna de Regina Machado, no curso de Música Popular da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Já premiada desde os 12 anos de idade como solista e coralista, hoje tem enfoque em diversas áreas da música, dentre as quais se encontram o samba, o jazz, o funk/soul, e a música instrumental. Dentre seus projetos, estão o duo Jamaxim, com Fred Ferreira (que vai de Tom Jobim e Milton Nascimento a Joni Mitchell e Charles Mingus), a Banda Hermética (músicas de Hermeto Pascoal) e o grupo Casaforte (música autoral). Atualmente, participa também de um projeto com os compositores e arranjadores Arrigo Barnabé e Mário Campos.

Início: dia 2 às 22h30

00h00

Danilo Moraes
Danilo Moraes

Sinopse:
Danilo Moraes, cantor, compositor e guitarrista é filho do músico Wandi Doratiotto e já realizou trabalhos com nomes como Chico César e Carlos Carenga. Possui um disco solo e realizou apresentações em Paris e em outras cidades da Europa.

Site: http://www.myspace.com/danilomoraes

http://www.danilomoraes.com

Início: dia 3 às 00h00

01h50

Curumim

Sinopse:
Começou sua carreira como baterista de nomes como Paula Lima, Arnaldo Antunes, Vanessa da Mata e Céu.Em 2003 iniciou sua carreira solo lançando o álbum “Achados e Perdidos” que também foi lançado no mercado norte-americano.

Site: http://www.myspace.com/curumin

Início: dia 3 às 01h50

03h40

Rockers Control

Sinopse:
Há mais de 10 anos tocando juntos, o pessoal do Rockers Control apresenta seu primeiro disco 'Jacuípe Sessions', resultado de horas dentro de estúdios e inferninhos do centro de São Paulo. Um convite para ouvir alto e entrar no transe das ondas do dub.

Site: http://www.myspace.com/rockerscontrol

Início: dia 3 às 03h40

05h30

DJ Tudo

Sinopse:
DJ TUDO é uma das variantes artísticas de Alfredo Bello, músico, pesquisador de cultura tradicional e contemporânea desde 1991. DJ TUDO que se manifesta em busca de novas expressões artísticas, desde tradições folclóricas e populares até a música eletrônica, , criando uma discotecagem ímpar, interligando e sobrepondo música tradicional e contemporânea/eletrônica de forma única.

Site: http://www.myspace.com/djtudo

Início: dia 3 às 05h30

07h20

Os Pamonheiros

Sinopse:
Banda nascida em 2003 em Piracicaba quando amigos reunidos deixaram fluir espontaneamente suas raízes caipiras e rockeiras. A fusão foi tomando forma e após uma demo gravada em 2005, a banda lançou em agosto de 2008 seu primeiro CD entitulado Os Pamonheiros.

Site: http://www.myspace.com/ospamonheiros

Início: dia 3 às 07h20

09h00

Banda Cayana

Sinopse:
O forró é a arte de transformar tudo em festa e alegria, e com a Banda Caiana é assim. Uma rapaziada jovem de São Paulo vem à de três anos mostrando seu trabalho, com dois CD´s gravados, eles estão agora em estúdio gravando seu próximo trabalho.

Site: http://surforeggae.ig.com.br/banda.asp?Cat=30&Estilo=Forro&CodBanda=400

Início: dia 3 às 09h00

10h40

Leo Cavalcanti

Sinopse:
Leo Cavalcanti, jovem cantor, compositor, multi-instrumentista e arranjador, desenvolve uma linguagem musical ímpar, tanto pela qualidade e originalidade de suas composições quanto por seu grande potencial como cantor, instrumentista e arranjador de suas canções. Tem uma voz que chama a atenção e uma técnica particular de tocar violão.

Site: http://www.myspace.com/leocavalcanti

Início: dia 3 às 10h40

12h20

Marcelo Jeneci

Sinopse:
Marcelo Jeneci é um compositor que têm o trabalho calcado em sua própria vivência musical. Instrumentista desde muito cedo, comemora com apenas 25 anos de idade seus dez anos de estrada como músico acompanhante de diversos nomes da música popular brasileira. O repertório de seu show é construído com músicas inéditas compostas pelo próprio Jeneci

Site: http://www.myspace.com/jeneci

Início: dia 3 às 12h20

14h00

Por quê?

Sinopse:
Defnir

Início: dia 3 às 14h00

15h40

Bárbara Rodrix, Dani Black e Pedro Altério

Sinopse:
Dani Black é filho de Tetê Espíndola e Arnaldo Black. Bárbara Rodrix é filha de Zé Rodrix e Julia. Pedro Alterio é filho de Rita e Rafael Altério. São amigos, talentosos e companheiros, unidos na vida e nos palcos, fazendo uma música de bom gosto e sensibilidade, fundindo talento e inspiração.

Início: dia 3 às 15h40

17h20

Comadre Fulozinha

Conselheiro Crispiniano

Palco dedicado à nova música instrumental paulistana e convidados estrangeiros. Jazz, groove, choro, ska e temas variados executados por jovens virtuoses.

Endereço: r. Conselheiro Crispiniano.
Atrações:

19h10

Choro das Três

Sinopse:
Formado pelas irmãs - Corina (flauta), Lia (violão de 7 cordas), Elisa (bandolim) e o pai, Eduardo (pandeiro), o Choro das Três é um conjunto instrumental brasileiro. Com composições variadas, próprias e de amigos, seu repertório tem como base principal a pesquisa de compositores e músicos da antiga, nem sempre conhecidos do grande público, mas de vital importância no desenvolvimento da música brasileira.

Com seus shows, o Choro das Três tem conseguido atingir seu principal objetivo: levar às pessoas, principalmente aos mais jovens, um pouco da nossa história musical, mostrando o Choro, já centenário, continua colecionando novos compositores e intérpretes, encantando pessoas do mundo todo.

(Música)

Início: dia 2 às 19h10

20h50

George Petit

Sinopse:
Nos estúdios de Nova Iorque é um dos mais requisitados engenheiros de som e vem para a Virada Cultural tocar seu intrumento de origem, a guitarra, a convite do trio do virtuoso bateria Mosca.

(Música)

Início: dia 2 às 20h50

22h50

Daniel Latorre Hammond Trio

Sinopse:
Começou sua carreira na música popular ainda adolescente tocando em Pubs e Clubs de São Paulo. Latorre estudou órgão com o organista de Blues Norte Americano Sr. Deacon Jones, aluno de Jimmy Smith ( Deacon foi band Leader e organista de John Lee Hooker, Freddie King e muitos outros). Conheceu diversos organistas norte americanos e recebeu instruções de Jimmy Smith a Reuben Wilson.

(Música)

Início: dia 2 às 22h50

00h50

Menage

Sinopse:
Trio de guitarra, violão cello, bateria e programação, executa arranjos de melodia e rifes conhecidos do samba popular ao hevy metal

(Música)

Início: dia 3 às 00h50

02h30

Macaco Bong

Sinopse:
O Macaco Bong nasceu em Cuiabá (MT) no ano de 2004 como um quarteto de rock instrumental. Logo no ano de 2005, a banda se tornou um power trio, permanecendo com a proposta de rock instrumental.

(Música)

Início: dia 3 às 02h30

04h10

Freegideira

Sinopse:
FREEgideira é uma festa onde a música que se dança é feita através do exercício coletivo de improvisação audio-visual entre artistas de diversas formações e influências.Sua orquestração é formada por instrumentos acústicos, elétricos, eletrônicos e imagens projetadas em diferentes formatos analógicos e digitais. Para além de uma festa, FREEgideira é um ambiente de troca de influências entre diversas pessoas e manifestações artísticas.

(Música)

Início: dia 3 às 04h10

06h00

Charles M Trio

Sinopse:
O Charlie M. Trio foi formado no início do ano de 2001. Os músicos Charlie M. (guitarra), Vinicius Almeida (baixo) e Marcos Ferr (bateria) gravaram o primeiro CD do Trio em março de 2001 e a partir de então se apresentam no circuito instrumental paulistano tocando o repertório do CD JAZZ NOW! e standards do jazz e da M.P.B.

(Música)

Início: dia 3 às 06h00

07h40

Roto Roots

Sinopse:
A banda Roto Roots se originou em São Paulo, em 2005, como um projeto musical dos instrumentistas Paulo Bira (baixo )e Paulo Pixú O grupo apresenta um repertório onde o ska e o reggae jamaicanos, o choro e o baião brasileiros a rumba cubana e o jazz norte-americano se fundem e se alternam, em versões de clássicos da cultura pop e composições originais.

(Música)

Início: dia 3 às 07h40

09h20

Alessandro Penezzi

Sinopse:
Comparado com Yamandu Costa e Rafael Rabello, Alessandro Penezzi é violonista, compositor e arranjador. Com 2 CDs lançados, Penezzi impressiona pelo vasto repertório, pela velocidade e precisão nas notas e por suas belas composições. É nome certo nos melhores palcos instrumentais do país e presença cada vez mais frequente nos festivais Europeus.

(Música)

Início: dia 3 às 09h20

11h20

Danilo Brito

Sinopse:
Dizem que o jovem Danilo Brito, aos três anos, alcançou o bandolim do pai na cadeira e tocou as cordas alternadamente. Aos cinco anos, surpreendeu quando tocou um trecho de “Delicado” de Waldir Azevedo, sem que ninguém houvesse lhe ensinado. Autêntico chorão é considerado um dos melhores bandolinistas do Brasil.

(Música)

Início: dia 3 às 11h20

13h20

Gabriel Grossi

Sinopse:
Gabriel Grossi, jovem gaitista brasiliense radicado no Rio de Janeiro, é um dos representantes de uma geração de músicos que tem causado grande impacto na cena musical brasileira. Tem realizado shows e gravações no Brasil e no exterior ao lado de grandes nomes da música brasileira como: Chico Buarque, Ivan Lins, Leila Pinheiro, João Donato, Guinga, Lenine, Djavan, Dominguinhos, Maria Bethânia, Ney Matogrosso, além de Hermeto Pascoal, uma de suas grandes influências.

(Música)

Início: dia 3 às 13h20

15h20

Kleztory

Sinopse:
Os canadenses do Kleztory são legítimos representantes do gênero “Klezmer”, a música dos nômades judeus da Europa do Leste. Por ser uma música alegre e dançante, alguns brasileiros a comparariam com o Choro, que também se caracteriza por músicos virtuosos abertos para improvisos. O Kleztory é formado por músicos de diversos lugares do mundo como Rússia, Canadá e França que, apesar dos arranjos modernos, representam o verdadeiro espírito Klezmer

(Música)

Início: dia 3 às 15h20

17h20

Ricardo Herz

Sinopse:
Virtuoso no violino, Ricardo Herz recebeu elogios rasgados de grandes músicos como Edu Lobo, Dominguinhos e Didier Lockwood. Venceu Prêmio Visa em 2005, categoria Juri Popular, e desde então lançou 3 CDs com músicas próprias e interpretações de clássicos da MPB. Na Virada, apresentando-se com seu quarteto, Herz realiza um show cheio ritmos brasileiros que já é sucesso em diversos países Europeus.

(Música)

Início: dia 3 às 17h20


Cine Dom José

O lendário Cine Dom José participará pela primeira vez da Virada Cultural exibindo um pequeno ciclo dedicado a um dos gêneros mais instigantes do terror: os filmes sobre zumbis.



Mortos-vivos, reanimados por métodos diversos – entre eles a necromancia, essas criaturas povoam o imaginário daqueles que se aventuram nas sessões de cinema. De T. Hayes Hunter e a magistral interpretação de Boris Karloff em O Zumbi até Michele Soavi e o melhor filme de zumbis da década de 90 – Pelo amor e pela morte, passando por diretores como George A. Romero, Robert Rodriguez, Zack Snyder, Lucio Fulci e Danny Boyle. Todos os filmes serão exibidos em DVD com legendas em português.

Endereço: r. D. José de Barros 306.
Atrações:

18h00

Zombie, a volta dos mortos-vivos (Zombie 2) – Lucio Fulci

Sinopse:
Zombi 2, Itália, 1979, 35mm, cor, 91' - exibição em DVD

Direção: Lucio Fulci; elenco: Tisa Farrow, Ian McCulloch, Richard Johnson, Al Cliver



Numa pequena ilha tropical zumbis putrefatos devoram os habitantes locais. Um cenário caótico e uma luta insana pela sobrevivência.

(Cinema e vídeo)

Início: dia 2 às 18h00

20h00

O zumbi (The ghoul) – T. Hayes Hunter

Sinopse:
The ghoul, Inglaterra, 1933, 35mm, pb, 69' - exibição em DVD

Direção: T. Hayes Hunter; elenco: Boris Karloff, Cedric Hardwicke, Ernest Thesiger, Dorothy Hyson.



Professor Morlant, um egiptólogo, é obcecado pelos poderes dos antigos deuses do Egito. Em seu leito de morte, ele ordena para que seu serviçal coloque uma jóia sagrada em sua mão, prevenindo-o de que, caso ela seja removida dali, ele se transformará num zumbi assassino.

Início: dia 2 às 20h00

22h00

Pelo amor e pela morte (DellaMorte DellAmore) – Michele Soavi

Sinopse:
DellaMorte DellAmore, Itália/França/Alemanha, 1994, 35mm, cor, 105' - exibição em DVD

Direção: Michele Soavi; elenco: Rupert Everett, François Hadji Lazaro, Anna Falchi, Stefano Masciarelli.



Francesco Dellamorte, o guarda de um cemitério e seu ajudante Lazaro lutam contra um estranho mistério: o retorno à vida dos mortos que estão enterrados ali.

Início: dia 2 às 22h00

00h00

Planeta Terror – Robert Rodriguez

Sinopse:
Planet Terror, EUA, 2007, 35mm, cor, 105’ – exibição em DVD

Direção: Robert Rodriguez; elenco: Rose McGowan, Freddy Rodriguez, Josh Brolin, Marley Shelton.



Um casal de médicos William e Dakota Block é surpreendido no hospital por uma multidão de homens e mulheres cheios de feridas e mutilações, que vagam com um suspeito olhar perdido. Entre eles está Cherry, uma dançarina de boate cuja perna foi arrancada num ataque noturno. Com uma metralhadora no lugar da perna decepada, ela vai liderar, acompanhada por El Wray, um exército de inválidos assassinos.

Início: dia 3 às 00h00

02h00

A noite dos mortos vivos – George A. Romero

Sinopse:
Night of the living dead, EUA, 1968, 35mm, pb, 96' - exibição em DVD

Direção: George A. Romero; elenco: Duane Jone, Judith O�fDea, Karl Hardman, Marilyn Eastman.



Pessoas comuns se refugiam numa casa abandonada tentando fugir de zumbis famintos que vão se tornando cada vez mais numerosos.

Início: dia 3 às 02h00

03h40

A última mulher do mundo – George Romero - Com Orquestra Visual Chawarma

Sinopse:
A Última Mulher do Mundo é uma remixagem ao vivo do filme de George Romero, A Noite dos Mortos Vivos, de 1968, recentemente disponibilizado a domínio público pela internet. O remix conta com dois músicos e dois editores de vídeo, aproximando o processo de montagem ao da performance musical, possibilitando que cada apresentação seja única, com planos, duração e seqüências montadas de acordo com a vontade dos editores.



A Orquestra Visual Chawarma é formada por Danilo Moraes, Alexandre Gonçalves, Fil Pinheiro e Gustavo Brandão.

Início: dia 3 às 03h40

04h00

Despertar dos mortos (Dawn of the Dead) – George A. Romero

Sinopse:
Dawn of the Dead, EUA/Itália, 1978, 35mm, cor, 120' – exibição em DVD

Direção: George A. Romero; elenco: David Emge, Ken Foree, Scott Reiniger, Tom Savini.



Os mortos estão retornando à vida e atacando os vivos. Quatro sobreviventes do ataque escondem-se em um shopping abandonado e planejam contra-atacar. No entanto, milhares de mortos-vivos descobrem o esconderijo e iniciam um novo massacre, contaminando alguns sobreviventes que retornam como zumbis e se somam ao exército de abomináveis criaturas.

Início: dia 3 às 04h00

06h00

Dia dos mortos (Day of the Dead) – George A. Romero

Sinopse:
Day of the Dead, EUA, 1985, 35mm, cor, 102' – exibição em DVD

Direção: George A. Romero; elenco: Lori Cardille, Joe Pilato, Terry Alexander, Gary Klar.



Depois de um acidente nuclear, mortos-vivos habitam a Terra alimentando-se de carne humana. Num abrigo subterrâneo, militares e cientistas tentam descobrir um modo de liquidá-los, mas a situação agrava-se quando o estoque de mantimentos se esgota.

Início: dia 3 às 06h00

08h00

A volta dos mortos vivos – Parte 2 (The Return of The Living Dead 2) – Ken Wiederhorn
"A volta dos mortos vivos – Parte 2" (The Return of The Living Dead 2)

Sinopse:
EUA, 1988, 35mm, cor, 89' – exibição em DVD

Direção: Ken Wiederhorn; elenco: James Karen, Thom Mathews, Dana Ashbrook, Marsha Dietlein.



O exército americano guarda barris com o misterioso gás verde no depósito de uma pequena cidade. Mas dois garotos curiosos abrem um dos tonéis e os mortos do cemitério local se transformam em zumbis que voltam a ameaçar a humanidade.

Início: dia 3 às 08h00

10h00

Burial ground (Le n otti del terrore) – Andrea Bianchi

Sinopse:
Itália, 1981, 35mm, cor, 85' – exibição em DVD

Direção: Andrea Bianchi; elenco: Karin Well, Gianluigi Chirizzi, Simone Mattioli, Antonella Antinori.



Zumbis etruscos, mortos há três mil anos, com picaretas e machados detonam portas e janelas atrás de suas vítimas. Escalam paredes e até executam trabalhos em equipe ao utilizarem um tronco de árvore como aríete para derrubar uma das portas de suas vítimas. Os zumbis de Andrea Bianchi são os mais agressivos e inteligentes dos filmes do gênero.

Início: dia 3 às 10h00

12h00

Epidemia dos Zumbis (The Plague of the Zombies) – John Gilling
"Epidemia dos Zumbis" (The Plague of the Zombies)

Sinopse:
Inglaterra, 1966, 35mm, cor, 90' – exibição em DVD

Direção: John Gilling; elenco: Andre Morell, Diane Clare, Brook Williams , Jacqueline Pearcer.



Sir James Forbes, médico e professor da Faculdade de Londres, recebe uma carta desesperada de um ex-aluno, o Dr. Peter Tompson, pedindo ajuda para identificar e controlar uma estranha doença que matou várias pessoas em seu vilarejo. Sir James e Sylvia, sua filha, partem para Cornualha e acabam encontrado um terrível mistério: o corpo dos mortos pela estranha doença desapareceram.

Início: dia 3 às 12h00

14h00

A volta dos mortos vivos – Parte 3 (The Return of The Living Dead 3) – Brian Yuzna

Sinopse:
EUA, 1993, 35mm, cor, 97' – exibição em DVD

Direção: Brian Yuzna; elenco: J. Trevor Edmond, Mindy Clarke, Kent McCord, Basil Wallace.



Exército aperfeiçoa método para trazer cadáveres de volta à vida. Quando sua namorada morre, rapaz que sabe sobre os experimentos, utiliza o método para ressuscitá-la. Mas erra na dose, conclamando à vida um batalhão de zumbis.

Início: dia 3 às 14h00

16h00

Madrugada dos mortos (Dawn of the Dead) – Zack Snyder
"Madrugada dos mortos" (Dawn of the Dead)

Sinopse:
EUA, 2004, 35mm, cor, 105’ – exibição em DVD

Direção: Zack Snyder; elenco: Sarah Polley, Ving Rhames, Jake Weber, Mekhi Phifer.



Após mais um dia cansativo de trabalho, tudo que Ana quer é tomar um banho ao lado do marido e dormir. Mas nas primeiras horas da manhã, ela é violentamente atacada por uma legião de mortos-vivos, e se descobre num pesadelo real: o mundo inteiro está tomado por zumbis.

Início: dia 3 às 16h00

18h00

Extermínio (28 Days Later) – Danny Boyle

Sinopse:
Inglaterra, 2002, 35mm, 115’ – exibição em DVD

Direção: Danny Boyle; elenco: Cillian Murphy, Naomie Harris, Brendan Gleeson, Megan Burns.



Um poderoso vírus está a solta. Transmitido em uma gota de sangue e com efeito devastador em alguns segundos, o vírus mantém os infectados em um estado permanente de descontrole assassino. Dentro de 28 dias, o país está tomado e um punhado de sobreviventes inicia esforços para garantir algum futuro a raça humana, mas o que não percebem é que o vírus mortal não é a única coisa que os ameaça.

Início: dia 3 às 18h00


Anhangabaú

A ocupação do Vale do Anhangabaú por ações coreográficas tem em seu centro o grande palco para cias de dança, do clássico ao contemporâneo. Os grandes grupos do município e do estado, além de convidados de peso, se apresentam durante as 24 horas de festa. Neste palco o dia amanhecerá ao som da lenda da percussão mundial Guem.

Endereço: Vale do Anhangabaú.
Espaço: Palco da Dança;
Atrações:

18h00

Fragile – Mauricio de Oliveira

Sinopse:
Com um olhar que busca refletir sobre o efêmero, ao mesmo tempo em que propõe um novo entendimento da vitalidade, beleza e resistência do corpo, o solo Fragile traduz em movimento as questões que permeiam a obra do artista plástico inglês Damien Hirst. Concebido, dirigido e interpretado por Maurício de Oliveira, “Fragile” explora o volátil, o insustentável e a ausência de peso em detrimento da força, da simetria e da eficiência.

(Dança)

Início: dia 2 às 18h00
Duração: 10 minutos;

18h15

DUALIDADE@BR – Balé da Cidade de São Paulo

Sinopse:
Seis anos depois de ter criado para o Balé da Cidade Máscaras do Tempo, Gagik Ismailian voltou ao Brasil em 2001, especialmente para conceber novamente para a companhia oficial da cidade DUALIDADE@BR, inspirada em canções de Amália Rodrigues, Henry Touge e Wim Mertens e do grupo inglês Delirium.

(Dança)

Início: dia 2 às 18h15
Duração: 30 minutos;

19h00

La Valse – Balé da Cidade de São Paulo

Sinopse:
Em 1992, no espetáculo 1,2,3 de Luis Arrieta, estreava La Valse, duo especialmente criado para Mônica Kodato e Irineu Marcovechio, então bailarinos do Balé da Cidade de São Paulo. Nesse mesmo ano, a convite da direção da companhia, La Valse passava a fazer parte do seu repertório. Desde então, a obra tem sido apresentada no Brasil e no exterior com grande sucesso, mostrando a alta qualidade técnica e interpretativa dos seus solistas.

(Dança)

Início: dia 2 às 19h00
Duração: 14 minutos;

20h15

Serenade – São Paulo Cia de Dança

Sinopse:
Em sua primeira participação na Virada Cultural, a São Paulo Companhia de Dança apresenta Serenade, obra de 1935, que marcou a estréia do russo George Balanchine na América. Elaborada sobre música de Tchaikovsky (Serenata em Dó Maior para Orquestra de Cordas, Opus 48), a peça foi criada inicialmente para os alunos da School of American Ballet e partiu de exercícios que procuravam esclarecer aos jovens bailarinos a distinção entre o bailado em sala de aula e a dança no palco.

Início: dia 2 às 20h15
Duração: 30 minutos;

20h50

Formas-me – Mariana Piza

Sinopse:
Definir

(Dança)

Início: dia 2 às 20h50
Duração: 45 minutos;

21h35

Ágape – Sopro Cia de Dança

Sinopse:
Inspirado na mesma Serenata para Cordas, de Tchaikovsky, que a São Paulo Companhia de Dança interpreta anteriormente em Serenade, Ágape, de Roberto Amorim busca uma nova leitura dessa obra do século XIX, com movimentos técnicos dentro da linguagem da dança contemporânea. A peça revela a intima relação do amor incondicional, transcendental, o amor pelo próximo, o amor das relações humanas e genuínas. O Amor Ágape.

(Dança)

Início: dia 2 às 21h35
Duração: 42 minutos;

23h30

Só tinha de ser você – Quasar Cia de Dança

Sinopse:
A companhia goiana traz para a Virada Só tinha que ser com você, espetáculo de 2005, em homenagem a dois dos maiores artistas brasileiros de todos os tempos: Elis Regina e Tom Jobim. A partir de uma trilha sonora irretocável, o coreógrafo Henrique Rodovalho aceita o desafio de adicionar a dança como elemento poético à obra cristalizada no álbum Tom & Elis, gravado em 1974. O resultado é uma movimentação ambientada com sofisticação, capaz de conduzir o espectador a uma jornada cheia de lembranças. Romântico e brasileiro, Só tinha de ser com você foi considerado o melhor espetáculo brasileiro de dança no ano de 2006, pelo Jornal o Estado de São Paulo, tendo recebido, no mesmo ano, a indicação para o I Prêmio Prime! Bravo de Cultura, concedido pela Revista Bravo!.

(Dança)

Início: dia 2 às 23h30
Duração: 42 minutos;

01h00

O animal mais forte do mundo – Angelo Madureira e Ana Catarina Vieira

Sinopse:
O animal mais forte do mundo propõe algumas questões sobre o lugar do forte e da força da sobrevivência. O trabalho é baseado na reunião de 1800 fotos dos processos de criação que resultaram nas obras anteriores do repertório da dupla de criadores – Somtir (2003), Outras formas (2004), Como? (2005) e Clandestino (2006) –, retrabalhadas com foco na exploração dos volumes para os movimentos.

(Dança)

Início: dia 3 às 01h00
Duração: 50 minutos;

03h00

Pequenas frestas de ficção sobre realidade insistente – Grupo Cena 11

Sinopse:
Pequenas frestas de ficção sobre realidade insistente é uma fábula feita da colagem de ações, objetos, corpos, imagens e movimentos que se fortalecem das características que as definem para ganharem novos significados ao se inter-relacionarem. Na coreografia de Alejandro Ahmed o corpo procura parceiros para sua dança. A dança procura meios para perceber-se real. Ficção e realidade intercalam seus lugares e, assim, contam histórias. O coreógrafo, que também integra o corpo de intérpretes do grupo catarinense Cena 11, usa o peso e o desequilíbrio como recurso de antivaidade, a autoria da ação divide assinaturas entre gravidade, ossos, músculos, cérebros e espectadores. Dança como vestígio. Dança para não ter poder. Tempo para entendermos o tempo.

(Dança)

Início: dia 3 às 03h00
Duração: 50 minutos;

04h50

Fábrica – Núcleo Omstrab

Sinopse:
Fábrica, de Fernando Lee, traz imagens de trabalhadores de diversas épocas do entorno do bairro da Pompéia, em São Paulo, capital: das plantações de banana do século passado, até operários de “Fábricas Culturais” atuais. A linguagem da dança dá o tom da apresentação, que tem trilha sonora original, especialmente composta e executada ao vivo pelos intérpretes. A intenção é transformar o espaço cênico em espaço sonoro, extraindo som de seus materiais e estruturas, numa reinterpretação das influências musicais desses trabalhadores ao longo de sua história.

(Dança)

Início: dia 3 às 04h50
Duração: 40 minutos;

05h35

Baque da aurora – Caracaxa

Sinopse:
A Cia. Caracaxá surgiu em 2003, como resultado de uma pesquisa sobre o

Maracatu de Baque Virado, também conhecido como maracatus-nação,

manifestação popular brasileira que tem como principal palco a cidade de

Recife. No seu repertório, a Cia canta suas próprias toadas de maracatus

tradicionais, buscando a reprodução fiel dos baques (toques) de cada Nação.

A força da sonoridade e o grande número de integrantes garantem uma

contagiante vibração sonora.

Início: dia 3 às 05h35
Duração: 40 minutos;

06h20

Guem e Cia Abieié – Guem e Bailarinos Convidados

Sinopse:
Guem é uma lenda viva da percussão mundial. Radicado na França, é um dos maiores músicos africanos vivos e é conhecido por ser um melodista da percussão africana, encantando por onde passa, principalmente nos grandes festivais da Europa. Por aqui Guem ficou conhecido quando, após uma temporada de 6 meses no Brasil, gravou o disco O universo rítmico de Guem, um clássico mundial da percussão.

(Dança)

Início: dia 3 às 06h20
Duração: 50 minutos;

07h00

Batuntã interativo

Sinopse:
O Batuntã mistura expressão corporal, cênica e musical, fundindo percusão, canto e dança.

As apresentações do grupo expressam uma variedade musical também nos instrumentos. Esse multiplicidade de influências são enriquecidas com o contato direto dos integrantes do Grupo com festas de manifestações populares de Pernambuco.

Durante a apresentação, o público pode vivenciar um pouco do universo

cultural trabalhado pelo Batuntã, participando diretamente da música, com

instrumentos ou percussão corporal, sob a regência do grupo. A integração

coletiva é possível, pois o repertório cultural de tradições populares

brasileiras é composto por danças, cantos e ritmos carregados de um teor

festivo, que pode fazer do público um brincante, junto aos artistas.

Início: dia 3 às 07h00
Duração: 50 minutos;

09h05

Les Sylphides – Corpo de Baile Jovem

Sinopse:
O Corpo de Baile Jovem da Escola de Bailado do Theatro Municipal apresenta Les Sylphides, numa adaptação coreográfica dos professores Katiah Rocha, Luis Augusto Ribeiro e Mariângela D´Andrea. Original de Fokine sobre composição de Chopin, a obra inaugura, no início do século XX, um novo pensamento através de um balé que não se preocupa mais em contar uma história com princípio, meio e fim. Ao contrário, constrói uma atmosfera onírica a partir de um personagem real – o único homem presente na peça – que dialoga com as sílfides, seres da mitologia celta germânica da Idade Média.

Início: dia 3 às 09h05
Duração: 40 minutos;

10h40

Lúdico – Cia. Druw

Sinopse:
Com concepção e coreografia de Miriam Druwe, Lúdico é inspirado nas obras do pintor russo Wassily Kandinsky. Como espetáculo de dança infanto-juvenil, propõe, de forma colorida e poética, um passeio pelo universo da criação de uma obra de arte. Cores e formas se agitam em busca de um lugar. A reta, a curva e o ponto são personagens que têm características e personalidades próprias.

(Dança)

Início: dia 3 às 10h40
Duração: 60 minutos;

12h35

Jogo de Dentro – Cia. Danças

Sinopse:
Unindo a dança moderna e a capoeira para criação de uma identidade corporal brasileira, Jogo de Dentro tem como principal característica o constante jogo como fator que determina as relações entre seus participantes. O contato inicial através do olhar, a sedução, a manipulação e a crueldade, as diferentes nuances do risco, o prazer, a diversão e a disposição para encontrar novos significados e novas sensações são aspectos abordados como jogos na coreografia de Claudia de Souza.

Início: dia 3 às 12h35
Duração: 60 minutos;

14h30

Enquanto dure… – Companhia de Ballet da Cidade de Niterói

Sinopse:
O Ballet da Cidade de Niterói vem, ao longo de seus 17 anos, apresentando trabalhos assinados por coreógrafos expressivos do universo da dança contemporânea. Rodrigo Moreira, Renato Vieira, Vasco Wellenkamp, Rodrigo Negri, Luis Arrieta, Rodrigo Pederneiras, Luiz Fernando Bongiovanni são alguns dos coreógrafos que conceberam trabalhos especialmente para a companhia. Seguindo nesta mesma direção, Henrique Rodovalho é quem assina a criação de Enquanto Dure….

Início: dia 3 às 14h30
Duração: 30 minutos;

15h30

Frutos da terra – Cisne Negro Cia de Dança

Sinopse:
Fruto da Terra foi criado pelo coreógrafo israelense Itzik Galili, um dos mais conceituados coreógrafos da atualidade, que tem sua própria companhia sediada na Holanda. A obra descreve de forma poética e simples, a vida no campo, a comunicação e o relacionamento entre grupos de trabalhadores, que, mesmo em meio a tensões e conflitos, vivem numa mágica harmonia. Com música de Mercedes Sosa, Fruto da Terra lança mão de recursos cênicos inovadores, com tratamento do artista plástico Ascon Nijs.

Início: dia 3 às 15h30
Duração: 18 minutos;

16h05

Trama – Cisne Negro Cia. de Dança

Sinopse:
Neste Brasil mestiço, misterioso e mágico, todos os retratos são tendenciosos, parciais ou comprometidos. Observando os brincantes e suas brincadeiras, as festas populares, os folguedos, seus personagens místicos criamos danças que revelam um pouco desta complexa Trama de simplicidade, que mostra o transcendente e o contagiante caminho da alegria neste país.

(Rui Moreira)

(Dança)

Início: dia 3 às 16h05
Duração: 23 minutos;

17h00

Bossa Nova – Ballet Stagium

Sinopse:
Pioneiro na utilização de canções da MPB em suas coreografias, o Stagium celebra nesse trabalho os 50 anos da Bossa Nova. A coreografia de Décio Otero lembra ícones do movimento, cuja novidade rítmica e melódica resultou na criação de Garota de Ipanema, Corcovado, Din din, Desafinado entre outras obras primas da nossa música.

(Dança)

Início: dia 3 às 17h00
Duração: 45 minutos;


Praça do Correio

Dança dentre grandes caixas e empilhadeiras: um espetáculo de rua sobre ilusão e encontro, solidão e vida comum.

Endereço: Anhangabaú.
Alhambra Container – Cia Osmosis

Sinopse:
Dança dentre grandes caixas e empilhadeiras: um espetáculo de rua sobre ilusão e encontro, solidão e vida comum.



http://vimeo.com/groups/documentaryfilm/videos/2132180

Horários: dia 2 às 22h35 e dia 3 às 03h55.
Duração: 50 minutos;

Boulevard São João

Confinados em um seu dormitório imaginário, os personagens evoluem num show coreográfico de acrobacias sobre o leito.

Endereço: Anhangabaú.
Expédition Paddock – Tango Sumo

Sinopse:
Confinados em um seu dormitório imaginário, os personagens evoluem num show coreográfico de acrobacias sobre o leito.



http://www.tangosumo.com/pages/paddock.html

Horários: dia 3 às 01h55 e às 13h40.
Duração: 30 minutos;

Viaduto do Chá

Duo coreográfico entre um bailarino e uma retroescavadeira. Ambos evoluem delicadamente num bailado suave e brutal.

Endereço: baixios.
Transports Exceptionnels – Cia Beau Geste

Sinopse:
Duo coreográfico entre um bailarino e uma retroescavadeira. Ambos evoluem delicadamente num bailado brutal e suave.



http://br.youtube.com/watch?v=qjjL9sP_zD8

Horários: dia 2 às 19h20, dia 3 às 00h30, às 09h50 e às 16h35.
Duração: 30 minutos;

Av. Rio Branco

O palco se dedica ao movimento samba-rock madrugada adentro, e no domingo apresenta gafieiras e mais grupos dançantes. Nos intervalos dos shows, DJs e bailarinos da cena animam o público.

Endereço: Av. Rio Branco.
Atrações:

18h30

Sandália de Prata

Sinopse:
A banda Sandália de Prata é uma das mais importantes bandas de samba-rock da atualidade. Seus músicos acompanham grandes nomes da música brasileira, como Jair Rodrigues, Jamelão, Max de Castro, Roberto Carlos e outros. A banda tem lotado pistas de dança em bailes de gafieira e samba-rock desde 2003 e em 2006 lançou seu primeiro CD.

Site: http://www.myspace.com/sandaliadeprata

Início: dia 2 às 18h30

20h30

Farufyno

Sinopse:
O Farufyno surgiu em meio à redescoberta do Sambarock em São Paulo. O show traz o novo e o clássico na mesma bagagem. O Farufyno é capaz de misturar o melhor da Música Brasileira com uma levada original e inconfundível. Um show para dançar, elevar a alma e curtir.

Site: http://www.myspace.com/farufyno

Início: dia 2 às 20h30

23h00

Trio Mocotó

Sinopse:
O trio começou tocando na boate Jogral em São Paulo, onde acompanhava Jorge Ben, junto com o cantor participaram em 1969 do FIC apresentando a música Charles, Anjo 45, a parceria durou até 1972. Posteriormente trabalharam com Toquinho e Vinicius, Chico Buarque e Abílio Manoel.

Site: http://www.myspace.com/triomocoto

Início: dia 2 às 23h00

01h30

Clube do Balanço

Sinopse:
O Clube do Balanço, no final dos anos 90, levou a tradição dos bailes para o público classe. A banda lançou seu primeiro cd em 2001, reunindo grandes nomes do samba-rock, como Erasmo Carlos, Bebeto, Marku Ribas, com uma nova geração que revisitava estes grandes clássicos, como Paula Lima, Simoninha, Seu Jorge, Max de Castro .

Site : http://www.myspace.com/clubedobalanco

Início: dia 3 às 01h30

04h00

Os Opalas

Sinopse:
A banda traz ao palco energia e carisma que motivam e cativam, além de um repertório que faz o público viajar pela boa e inconfundível música brasileira. Em 2008, a banda lançou o seu primeiro cd, “Nosso Balanço”.

Site: http://www.myspace.com/osopalas

Início: dia 3 às 04h00

06h00

Sambasonics

Sinopse:
A Banda Sambasonics surgiu em 2001 como uma nova alternativa no cenário musical paulistano. Incorporou em seu trabalho elementos de samba e groove, reinventando para a nova geração a sonoridade samba-rock da música brasileira dos anos 60/70.

Site: http://www.lastfm.com.br/music/Sambasonics

Início: dia 3 às 06h00

08h00

Colomi

Sinopse:
Apresentam estilo que mistura o baião de Luíz Gonzaga ao samba-rock de Jorge Ben.

Início: dia 3 às 08h00

09h20

Balaco

Sinopse:
A banda toca muito samba-rock, black music, soul, samba-funk e outras vertentes do samba. O grupo é formada atualmente por Duda Lazarini (bateria), Bruno Barbosa (baixo), Fernando Perereca (voz e guitarra), Leandro Cunha (teclado), Rodrigo Skowa (voz e percussão), Marcelo Toledo (sax tenor e flauta), Mauro Zacharias (trombone) e Manga Morais (trompete).

Site: http://www.jornalacidade.com.br/noticias/77477/banda-balaco.html

Início: dia 3 às 09h20

10h50

Projeto Coisa Fina

Sinopse:
Promovendo a fusão entre canção e música instrumental, Jazz, Baião, Samba e Maracatu, o Projeto Coisa Fina provoca o ouvinte brasileiro a vivenciar suas raízes e resgatar sua diversidade. Assim, integrantes do grupo arranjam músicas de nomes importantes como J.T. Meirelles, Chico Buarque, Milton Nascimento, e escrevem músicas próprias.

Site: http://www.myspace.com/projetocoisafina

Início: dia 3 às 10h50

12h50

Juliana Amaral e Gafieira Etc E Tal

Sinopse:
Juliana Amaral, 35 anos, é cantora, compositora e atriz. Tem dois discos lançados pela gravadora Lua Music: ÁGUAS DAQUI (2002), com direção e produção musical de Luis Felipe Gama e co-produção de Robertinho Silva; JULIANA SAMBA (2007), produzido por Moacyr Luz com arranjos de Paulão Sete Cordas, com um repertório que reúne diferentes gerações de compositores, como Cartola, Heitor dos Prazeres, Luis Carlos da Vila, Nei Lopes, Paulinho da Viola e Marcelo Camelo. Participou de diversos projetos, como Marçal, uma dinastia do samba (2006), com Armando Marçal, Moacyr Luz, Wilson das Neves e Wanderley Monteiroe Da malandragem à pilantragem .

Início: dia 3 às 12h50

14h50

Gafieira São Paulo

Sinopse:
Formada por músicos jovens, levando para bem longe aquele pensamento de que é “coisa de velho”, a Gafieira revive a atmosfera existente nos antigos “clubes de dança”, que tornaram-se, na década de 60, redutos do que havia de melhor na música popular. Além disso, o grupo vem conquistando espaço pela qualidade de seu repertório essencialmente brasileiro: sambas, choros, marchinhas. maxixe, forró, baião.

Início: dia 3 às 14h50

16h50

Havana Brasil

Sinopse:
Mais que uma orquestra que toca, o Projeto Havana Brasil pretende fazer arte e cultura, criando música e mais um pouco. É a convergência da inquietude de músicos que se relacionaram durante sua formação e crescimento profissional. Instrumentistas iniciados e apaixonados pelo jazz, desde cedo descobriram o valor da simplicidade conceitual e do brilho dos detalhes.

Site: http://www.havanabrasil.com.br

Início: dia 3 às 16h50


Praça Alfredo Issa

Uma mesa de samba e partido alto, no nível da rua e de livre circulação, anima a festa com descontração e improviso. São esperados alguns dos mais expressivos novos talentos e velhos baluartes do samba de São Paulo para uma participação.

Endereço: Praça Alfredo Issa.

18h00

Samba de Mesa e Partido Alto – diversos artistas

Sinopse:
Roda

(Música)

Início: dia 2 às 18h00
Duração: 2440 minutos;

Cine Olido

O melhor da Mostra Internacional de Cinema em 24 horas.

Endereço: Largo do Paissandu.
Atrações:

18h00

Eu, você e todos nós (Me and You and Everyone We Know, 2005) – Miranda July

Sinopse:
(Me and You and Everyone We Know, 2005)



A solitária artista Christine usa seus projetos artísticos como forma de aproximação com as pessoas ao seu redor. O vendedor de calçados Richard, recém-separado, pai de dois meninos, está a procura de um relacionamento novo e surpreendente, mas entra em pânico quando conhece a cativante Christine. Seus filhos, de 7 e 14 anos, parece ter mais jogo de cintura do que ele. Apesar da pouca idade, já estão envolvidos com os problemas do amor. O mais velho está sendo assediado por duas colegas de classe que querem saber tudo sobre sexo e o mais novo está envolvido numa relação pela internet.

Início: dia 2 às 18h00

21h00

Canções de amor (Les Chansons d’Amour, França, 2007) – Christophe Honoré

Sinopse:
(Les Chansons d’Amour, França, 2007)



Ismaël (Louis Garrel) perambula sem direção por Paris. Erwann (Grégoire Leprince-Ringuet) apressa um pouco seu passo. Já Jeanne (Chiara Mastroianni) é condenada à imobilidade e Alice (Clotilde Hesme) anda ao lado de Ismaël, mas ela resolve se afastar do seu caminho para seguir outra história, agora com um rapaz bretão que acaba de conhecer.

Início: dia 2 às 21h00

00h00

Shortbus (EUA, 2006) – John Cameron Mitchell

Sinopse:
Vários jovens de Nova York encontram-se num salão infame e underground chamado Shortbus, onde se deparam com situações cômicas e trágicas envolvendo amor, música, política e sexo. Sofia é a terapeuta sexual que nunca teve um orgasmo e por isto fingiu durante anos para seu marido, Rob. Ela conhece Severin, uma dominatrix que tenta ajudá-la. Entre os clientes de Sofia está o casal gay James e Jamie, que começa uma relação aberta com Ceth. O filme sugere uma forma de diminuir a pressão pós-ataques terroristas de 2001 e assim reconciliar melhor as pessoas.

Início: dia 3 às 00h00

03h00

Violência em família (Suburban Mayhem, Austrália, 2006) – Paul Goldman

Sinopse:
(Suburban Mayhem, Austrália, 2006)



Katrina, uma mãe solteira de 19 anos. Ela vive num mundo de pequenos crimes, sexo fácil, carros envenenados e manicures. Mestra em manipular os homens, Katrina mora com seu pai e sua filha num bairro do subúrbio. Nada a impedirá de alcançar o que quer, nem mesmo matar. Quando seu pai ameaça contatar a assistência social para lhe tirar a custódia da filha, Katrina dá início a um plano que chocará toda a comunidade e tornará seu nome ainda mais infame do que ela sequer poderia supor.

Início: dia 3 às 03h00

06h00

Novo

Sinopse:
definir

Início: dia 3 às 06h00

09h00

Ágata e a Tempestade (Agata e la tempesta, Itália/Suécia - 2004) – Silvio Soldini

Sinopse:
(Agata e la tempesta, Itália/Suécia - 2004)



Um clima surreal percorre a vida de Ágata (Licia Maglietta), dona de livraria em Gênova que indica livros aos clientes como se fossem remédios. Possuidora de uma intensa energia, literalmente, ela é capaz de provocar curtos-circuitos e queimar lâmpadas. Ela namora Nico (Claudio Santamaria), 13 anos mais jovem, e também o irmão gêmeo dele, o que provoca algumas confusões. O clima de perplexidade se completa quando Ágata descobre que Gustavo (Emilio Solfrizzi), que sempre pensou ser seu irmão, na verdade, é irmão de outra pessoa. Neste clima de ambigüidade e redescobertas, Ágata põe à prova seus conceitos e sua atitude diante da vida.

Início: dia 3 às 09h00

12h00

Ararat (Canadá, 2002) – Atom Egoyan

Sinopse:
A realização de um filme sobre os trágicos eventos de 1915, que resultaram no massacre de parte do povo armênio pelo exército turco, acaba afetando a vida de duas família ligadas ao filme. Dirigido por Atom Egoyan (O Doce Amanhã) e com Christopher Plummer no elenco.

Início: dia 3 às 12h00

15h00

O Sol (Solntse, Rússia / Itália / Suíça / França, 2005) – Aleksandr Sokúrov

Sinopse:
(Solntse, Rússia / Itália / Suíça / França, 2005)



Em 15 de agosto de 1945, os japoneses ouvem pela primeira vez a voz de seu imperador, que exorta seu exército e seu povo a pôr fim às hostilidades. Isso permite aos norte-americanos desembarcar nas ilhas japonesas sem encontrar resistência. O pedido do imperador ajuda a salvar muitas vidas, mas os vencedores exigem que Hirohito (Issei Ogata) compareça diante de um tribunal de guerra. O general McArthur (Robert Dawson), comandante das tropas americanas no Pacífico sul, desaconselha o presidente Franklin Roosevelt a converter Hirohito num criminoso de guerra.

Início: dia 3 às 15h00

18h00

Todos contra Zucker (Alles auf Zucker, Alemanha, 2004) – Dani Levy

Festival Internacional de Curtas

A Praça Ramos recebe o Festival Internacional de Curtas-Metragens. Com produções de todo o mundo rolando em frente ao Municipal, nos intervalos de seus espetáculos, as sessões prometem ser uma das grandes atrações da Virada Cultural 2009.

Endereço: Telão do Theatro Municipal.

Festival do Minuto

Nos intervalos dos shows serão exibidos filmes de 1 minuto do acervo do festival.

Nesta quinta edição da Virada Cultural o Festival do Minuto promove um concurso de vídeos feitos no evento. Serão 5 mil reais em prêmios. O regulamento completo pode ser consultado em http://www.festivaldominuto.com.br

Endereço: telão da Av. São João.

Sala Olido

Espetáculos teatrais selecionados são apresentados na sala e no corredor da Galeria Olido.

Endereço: Paissandu.
Atrações:

00h00

Deus

Sinopse:
Através de uma adaptação da peça Deus, de Woody Allen, a Meta Cia de Teatro traz questionamentos contemporaneos sobre liberdade, dominação, destino e existência humana. A performance, o jazz, o comico e a tragédia gregra se misturam. Qual será o resultado final?

Início: dia 3 às 00h00

02h30

Sem notícias de Ti, Mon Cher

Sinopse:
Especial no corredor da Olido.

Espetáculo de pesquisa de dança contemporânea que tem a sutileza do convite para um chá e os sonhos como eixos norteadores.

Início: dia 3 às 02h30

04h00

O Corpo – Martha Nowill, Nilton Bicudo e Maria Manoella

Sinopse:
O trio de atores apresentará dois contos da Via Crucis do Corpo de Clarice Lispector.

Início: dia 3 às 04h00

11h00

Los 2 Play

Sinopse:
Los2Play escrevem um novo e excitante capítulo na história do circo. Bem vindos à COMEBACK!

Resgatados do passado quatro ginastas de qualidade excepcional, bem... em realidade são três, apresentam humor, energia e uma técnica impecável!

Vocês já viram saltos incríveis, acrobacias impressionantes, equilíbrios delirantes, mas nunca viram quedas tão profissionais!!!!

Los2Play... Desavergonhados e despretensiosos!

Início: dia 3 às 11h00

15h00

Bichos do mundo – Pia Fraus

Sinopse:
Tubarão, pinguim, tartaruga e uma bicharada sem fim tomam o palco no novo espetáculo da companhia Pia Fraus. Em cena, atores-manipuladores brincam o tempo todo com placas coloridas e bonecos - sem ofuscar o elemento principal da peça: a música. Escritas por Beto Andretta, as doze canções são tocadas ao vivo por Daniel Xingu (baixo), Marcelo Dworecki (guitarra), Fernando Thomaz (bateria) e Fernando Henna (teclados), que formam a Banda Strombólica. Na voz de quatro cantores, Macacada! O Qué que Qué? e Duelo de Gigantes, entre outras faixas, dão vontade de levantar da poltrona e sair dançando.

Início: dia 3 às 15h00

17h00

U fabuliô – Parlapatões, Patifes e Paspalhões

Sinopse:
Desde 1995 no repertório do grupo, U fabuliô é um espetáculo marcadamente de rua. Participou de diversos festivais e tem como curiosidade o fato de que mesmo com suas piadas picantes sobre um padre libidinoso.

Início: dia 3 às 17h00


Vitrine WiFi

Tenda digital provida pelo abrangente projeto da PRODAM de inclusão digital

Endereço: Paissandu.

XV de Novembro

A já tradicional pista popular da Virada em seu formato habitual, com personagens de presença marcada, circulantes e DJs convidados.

Endereço: XV de Novembro.
Atrações:

18h00

Thiago Zanin

Sinopse:
É residente dos projetos Blackout/Sub e Elektra. Organizou e promoveu o Projeto kat club@ D.edge juntamente com os djs Mau Mau / Pil Marques e a hostes Adriana Recci. Em janeiro de 2008 Thiago Zanin fez sua primeira tour internacional e encantou os 5 países do velho mundo por onde passou com seu jeitinho brasileiro de tocar electrohouse e techouse. Atualmente se apresenta em diversos clubs do país , sempre com novidades em seus sets.

(Música)

Início: dia 2 às 18h00

20h00

Adriano PS

Sinopse:
Já se apresentou em algumas das casas mais conceituada do Brasil, o D-edge, Nocturna Campo grande e na E-Clube em Cuiaba(MS), Rave Recept caxias do sul (rs), Chosmalal Marília (SP), foi residente do Susi In Transe no projeto semanal Maquinaria e residente mensal no Insonia, Rebordose, Electro sunday (SP), Ohanna (SP), Rave Pollux, Nitroxx, Lótus e SP Groove.

(Música)

Início: dia 2 às 20h00

22h00

Vivi Seixas

Sinopse:
Em 2003 começou tocando Ambient, mas rapidamente passou para o House, por ser um estilo mais dançante com maior aceitação nos clubs, tocando com discos de vinil, por sua qualidade do som. Seu gosto musical, aliado a mixagens redondas, lhe rendeu a residência dos clubes 00 (RJ) e Manga Rosa (SP), além de muitos contratos por todo o Brasil. Vivi levanta qualquer pista tocando Funky & Tech House, com muito groove, uma forte linha de baixo e BPMs variando entre 126 e 130.

(Música)

Início: dia 2 às 22h00

00h00

Maxwell Rocha

Sinopse:
DJ e Produtor Maxwell Rocha teve uma educação musical acima da média. Começou a se interessar pela musica eletrônica aos quatorze anos como frequentador assíduo de festas da fortíssima cena da periferia de São Paulo. Tornou-se residente do Clube Espaço Nation, referência da cena Underground Paulistana e passou a se apresentar ao lado dos principais nomes da mesma. como: Mau Mau, Renato Cohen, Anderson Noise, Murphy, Snoop, Oscar bueno, George actv, Marky, Patife, Andy, Ramilson Maia, Sharp Side(belgica)entre outros. Seu repertório transita entre House, Techno e Electro, incluindo as variantes dos citados gêneros

(Música)

Início: dia 3 às 00h00

02h00

Mau Mau

Sinopse:
Considerado o melhor DJ do Brasil pela mídia e publico brasileiros, Mau Mau é dono de um estilo único e conduz a pista com maestria, sempre sintonizado com as tendências de vanguarda. Seu set é um mix de house e techno, misturados a batidas e swing brasileiros. Essa característica o levou a participar do Carnaval 2000 em Salvador, na Bahia, ao lado de Daniela Mercury, formando assim o primeiro trio elétrico techno no carnaval baiano. Atualmente suas residências são: Vegas (SP) - projeto Hell’s Club D-Edge (SP) - projeto Mothership.

(Música)

Início: dia 3 às 02h00

04h00

Renato Lopes

Sinopse:
Atualmente, é residente das festas Tara (Glória) e Yazz. Também é convidado freqüente das festas Mothership e Paradise (D-Edge), Hell’s (Clube Vegas) e Sunday Away (Tostex). Da formação da cultura das pistas à era da digitalização da música, Renato Lopes faz parte de um clã privilegiado de DJs, consagrando-se através da combinação beats da melhor qualidade X carisma.

(Música)

Início: dia 3 às 04h00

06h00

Glaucia Mais Mais

Sinopse:
Glaucia é uma das djs mais requisitadas de São Paulo residente do club D-edge às quartas feiras. Sua noite é considerada uma das principais noites do melhor club do Brasil.

(Música)

Início: dia 3 às 06h00

08h00

Mandraks

Sinopse:
Cláudio Baldi Jr. aka Mandraks nascido em São Paulo, conheceu a música eletrônica no ano de 1995, logo em seguida em 1998 começou a tocar, através da influencia de seus amigos Djs. No decorrer dos anos passou pelo house , techno e acid techno, buscando sempre manter sets dançantes e bem mixados, hoje se dedica com maior peso ao electro house , techouse e ao electro tech.

(Música)

Início: dia 3 às 08h00

10h00

Scoob

Sinopse:
Top DJ Scoob é um dos nomes mais lembrado nas grandes PVTs e festas de Techouse, Electro e Minimal. Destaca-se pela diferenciada técnica de mixagem feita com batidas e distorção. Com estilo musical agressivo e dançante o Top DJ head liner no Vale do Paraíba tem como base um estilo quebrado das musicas que toca além de inserções vocais que alucinam a pista. Mais recentemente o DJ esteve à frente de casas como o Suzy in Trance de SP e Sevillha de Mogi das Cruzes.

(Música)

Início: dia 3 às 10h00

12h00

China

Sinopse:
Mais conhecido como China, Humberto Sato começou sua carreira em 1997, divertindo amigos em bares e festas. A partir de 2005, China passou a se dedicar ainda mais ao seu hobby, iniciando sua profissionalização e aprofundando seus estudos sob a influência dos melhores DJs de House do Brasil. O resultado apareceu rapidamente: ele começou a receber convites para tocar em grandes clubes e festas e em pouco tempo foi indicado a DJ Revelação do Cool Awards

(Música)

Início: dia 3 às 12h00

14h00

Mad Zoo

Sinopse:
Mad Zoo tocou em 20 países 2 anos seguidos, mostrando em cada um destes paises sua música e seus remixes, aproximando ainda mais o Brasil ao mundo. Engenheiro de estúdio, tornou-se uma das principais referencias em estúdios devido ao tempo de trabalho em estudio de áudio.

(Música)

Início: dia 3 às 14h00

16h00

Patife

São Franscisco
São Franscisco

Trazendo infindável harmonia entre todos presentes, a presença inédita de artistas de grande importância no cenário mundial Trance music, vindos de países como República Tcheca, Sérvia, Alemanha e Suíça.

Endereço: lgo São Franscisco.
Atrações:

18h00

Jonas Rocio
Jonas Rocio

Sinopse:
O jovem produtor Jonas Rosio teve seu primeiro contato com a música eletrônica aos 15 anos e desde então passou a se dedicar profundamente e compreender desde a elaboração da música até sua adaptação na pista. É músico desde os 13 anos de idade quando já estudava piano, buscando vertentes como o Jazz e o Rock Psicodélico. Hoje em dia foca suas produções em sons de Low BPM que remetem aos baixos da Soul Music e as melodias do Trance.

Início: dia 2 às 18h00

19h30

Daniel Morais
Daniel Morais

Sinopse:
Com mais de 10 anos de experiência em mixagens, o Dj Daniel Moraes já vivenciou em sua carreira na musica eletrônica, vários estilos que vem desde o dance, flashback, passando pelo hardtechno e hardtrance e que por fim, se concretiza nos dias de hoje, em uma atuação mais voltada para Progressive Trance. Para a Virada Cultural promete apresentar em uma hora e meia de set com total dedicação, um mix de diferentes estilos que tendem ao trance e house, de alta qualidade e com grande precisão.

Início: dia 2 às 19h30

21h00

Propulse Live! – Fabiano Zorzan
Propulse Live!

Sinopse:
Um dos pioneiros no formato LIVE ACT no Brasil, Fabiano Zorzan, 31 anos, se tornou referência na cena eletrônica nacional e conquista cada vez mais seu espaço, com produções que fazem parte de vários sets de DJs nacionais e internacionais. Dono de um estilo único, o projeto Propulse é reconhecido pelos amantes da música eletrônica e formadores de opinião que não economizam elogios para falar de seu LIVE PA, um dos mais conceituados do país.

Atualmente Zorzan é residente da melhor noite de house e vertentes de São Paulo, a Moving no Club D-Edge, onde mostra suas mais recentes produções.



Site: http://www.carambolarecords.com.br/

Início: dia 2 às 21h00

22h00

Gui Milani

Sinopse:
Dj profissional há 10 anos, Gui Milani é considerado um dos maiores nomes do Progressive no Brasil hoje em dia, feito que ocorreu em virtude de sua contratação pela agência tcheca Tribal Vision Records, uma das melhores do mercado mundial. Ainda é, pelo terceiro ano consecutivo, organizador do Palco de Psytrance & Progressive da Virada Cultural SP, que no ano passado obteve 70.000 pessoas prestigiando seus Djs. Seus sons são profundos e pesados ao mesmo tempo, levando o público ao delírio com baixos fortes e melodias contagiantes.

Site: http://www.tribalvision.cz/booking/index.php?kdo=29

Início: dia 2 às 22h00

23h30

Slater – Michal Smentana
Slater

Sinopse:
Dono de uma das mais importantes gravadoras de Progressive mundial, a Tribal Vision Records e um dos Djs mais requisitados e experientes do Mundo, Michal Smentana dispensa comentários. Seus sets já foram apreciados em quase todos os países do mundo como Brasil, Estados Unidos, Argentina, Chile, Japão, Canadá, Austrália, China, Turquia, Marrocos, Portugal, Suécia, França, Espanha, Grécia, Hungria, entre outros, e quase sempre é eleito o melhor da festa ou festival, seja pelo seu repertório composto quase sempre de músicas inéditas que ele tem em primeira mão, seja pela sua apurada técnica de mixagem que faz com que suas transições sejam quase imperceptíveis.

Já compilou mais de 15 álbuns tanto para sua gravadora quanto para outras das mais renomadas no mundo e volta ao Brasil para provar o porquê é considerado um dos melhores DJs do mundo da atualidade.



Sites:

http://www.djslater.net

http://www.myspace.com/djslatertribalvision

http://www.tribalvision.cz

Início: dia 2 às 23h30

01h00

Tathi
Tathi

Sinopse:
Sua linha de som é o full on psychedelic/dark, sons obscuros envolvidos por uma atmosfera intrigante que seleciona com o fim de transmitir musicalidade e energia. Seus sets exploram uma sonoridade grooveada e expressam-se numa viagem musical repleta de psicodelia por trás de mixagens precisas. Já tocou em ocasiões marcantes como Festival Universo Paralello na Bahia (2008 e 2009), Cachoeira Alta Dance Festival 2008 (MG), Tribal Space (Lisboa- Portugal/ 2008) e também em festas indoor na Espanha, onde realizou sua primeira turnê européia.



Site: http://www.zuvuya.net/cad_galeria_materia_ver_r.asp?cod_capa=1602&site=r&pasta=entrevistathaty&tipo_mat=mc

Início: dia 3 às 01h00

02h30

Jancsur & Paulinha
Jancsur & Paulinha

Sinopse:
Janczur e Paula são os responsáveis pelo crew do FOP, um núcleo que ganha cada vez mais força no cenário nacional e internacional, tendo a participação de seus djs na produção de diversas festas que levantam a bandeira do underground e do psychedelic.

Início: dia 3 às 02h30

04h00

Sutemi
Sutemi

Sinopse:
Sutemi teve seu primeiro contato com o Psytrance em 2002 e buscou logo o lado negro da força, iniciando sua trajetória no Dark Psychedelic no início de 2003. Um dos maiores nomes de tal estilo da América Latina, hoje faz parte do seleto casting da primeira gravadora underground psicodélica brasileira, a Dead Tree Productions. Foi convidado para integrar e representar no Brasil a gravadora da Índia Temple Twisters.

Início: dia 3 às 04h00

05h30

Demonizz Live! – Leandro Morales e Thiago Pasetchny
Demonizz Live!

Sinopse:
Dentre os mais respeitados artistas da cena Darktrance brasileira, os dj’s paulistanos, Leandro Morales e Thiago Pasetchny, tem se destacado com o Demonizz, projeto que vem mostrando um trabalho serio em suas produções desde 2005.

O projeto Demonizz promete uma experiência única em sua composição, cuja característica mais evidente é o ritmo hipnótico de sua bateria, basslines pesados e sintetizadores ácidos. Sem deixar o dance floor morrer, o projeto faz uma fusão de Darktrance com diversas influências, criando uma atmosfera alucinante nas pistas por onde passam.



Site: www.demonizz.com

Início: dia 3 às 05h30

07h00

Vitor Falabella
Vitor Falabella

Sinopse:
Dono de um ouvido apurado e muito bom gosto musical,aos 22 anos o mineiro Vitor Falabella aparece como uma das revelações da e-music no cenário nacional.

Com apresentações cheias de vigor e bastante versatilidade, seus sets podem variar entre os grooves do techno ate as melódicas batidas do progressive,estilo esse que o levou a representar o selo alemão entitulado de Spintwist Records e também foi o único dj brasileiro a fazer parte do festival eletrônico UMF (ULTRA MUSIC FESTIVAL). Dividiu o mainstage com grandes nomes como Carl Cox,Booka Shade,Tocadisco,Erick Morillo,Benny Benassi,Fedde Lê Grand, dentre outros.



Site: http://www.myspace.com/vfalabellaprogressive

Início: dia 3 às 07h00

08h30

Vidigal
Vidigal

Sinopse:
Vidigal teve o primeiro contato com a música eletrônica em 1998, mas só começou suas experimentações como DJ em 2003. Em 6 anos de discotecagem passou por diversos estilos, tocou em diversas festas em vários lugares do Brasil e acumulou muita bagagem. Muito exigente com a qualidade dos sons que toca, faz dos seus sets de Progressive Psytrance uma viagem pelos beats dançantes e grooveados, sempre permeados de muita psicodelia.

Início: dia 3 às 08h30

10h00

Khainz Live! – Simon Schwendener
Khainz Live!

Sinopse:
Khainz é o projeto de Simon Schwendener da Suíça. Iniciou suas produções musicais em 99 com o projeto de fullon Freakulizer. Em meados de 2006 decidiu expandir suas idéias criando Khainz, que é um projeto que mescla electro,techno e progressive.

O suíço já se apresentou em vários cantos do mundo como Japão, México, Austrália, Portugal, Alemanha, África Do Sul, Tailândia entre outros lugares. Também marcou presença em grandes festivais como Universo Paralello, Boom Festival (Portugal) e Full Moon Festival (Alemanha).





Site: http://www.myspace.com/khainzelectro

Início: dia 3 às 10h00

11h30

Duca Live! – Dusan Sekic
Duca Live!

Sinopse:
Tribal Vision Records SÉRVIA



Dusan Sekic, também conhecido como Duca, nasceu em Belgrado, Sérvia e teve seu primeiro álbum lançado como ANAX em 2004. De lá para cá focou-se em estilos musicais mais lentos formando o projeto DUCA produzindo Progressive House e Tech House.

Após divulgar inúmeras músicas nas melhores gravadoras mundiais como Tribal Vision, Iboga, Lo-Kik, Prestige Music, Candyflip, Blue Tunes, Moonflower, Flow entre outras, lançou seu novo álbum After Dark no final de 2008 o que lhe rendeu uma série de bookings ao redor de todo o mundo em países como Japão, Brasil, México além de quase toda Europa.

Hoje em dia ele é um dos artistas mais aguardados no Brasil e em sua turnê em 2009 passará por diversos estados como São Paulo, Minas Gerais, Goiás e Santa Catarina.



Site: http://www.myspace.com/ducamusic

Início: dia 3 às 11h30

13h00

Fabio Leal
Fabio Leal

Sinopse:
Fabio começou a se interessar por música eletrônica aos 13 anos. Começou então a tocar em pvt’s e festas de amigos, mas o que realmente impulsionou sua carreira foi ter sido convidado para tocar em março de 2004 na festa “Waves of Sounds”, em Berlin.A principal característica de seus sets é a impecável técnica de mixagem e o total domínio sobre os cdj’s e mixer. A linha que segue dentro do psytrance é o groove, sempre pesado e lisérgico, tendo como influências em seu set Domestic, Headroom, Ejekt e Panick.



Site: http://www.4ideas.com.br

Início: dia 3 às 13h00

14h30

Leif Hatfield
Leif Hatfield

Sinopse:
Alemanha

Leif está envolvido com a mais famosa gravadora da alemanha sprout records e com a dupla de maior sucesso no cenario mundial D-nox & Beckers, juntos percorrem mundo a fora tocando nos maiores e melhores festivais de musica eletronica do mundo, tem lançado suas produções pela gravadora e também muitas musicas em parceria com Beckers, em prazo de alguns mêses sairá um cd com Hatfield & Beckers. E toda essa ousadia que faz com que o artista sejá hoje um dos nomes mais citados para chegar ao mainstream, e ficar nele, pois sua história e bagagem são muito consistente.

No Brasil Hatfield fez sua primeira tour em 2008, e passou por cidades como Curitiba, Campinas e São Paulo, em 2009 sua tour promete.

Início: dia 3 às 14h30

16h00

Rodrigo Carreira
Rodrigo Carreira

Sinopse:
Começou profissionalmente no mercado da música em 1993 e Em 2004 Rodrigo Carreira da inicio a seu mais novo projeto, o qual assina com seu próprio nome. Trazendo uma grande parte de sua bagagem musical esse projeto tem influências de muitos estilos como house, techno, electro e trance.

Suas primeiras músicas lançadas pelos selos Sinn Tech da Alemanha e Soul Man Music do Uruguay, e desde entào vem chamando atenção de artistas renomados como Marcelo Castelli, Presslaboys, Patrick La funk, D-Nox e Beckers.

Início: dia 3 às 16h00

17h00

Girls On The Decks – Gabi Lima e Alessandra Albieri
Girls On The Decks

Sinopse:
O projeto Girls on the Decks é a novidade da música eletrônica brasileira e faz parte do casting da Synk Management. Com muito charme e técnica foi idealizado pela Dj Gabi Lima, tendo a dj Alessandra Albieri como residente fixa do projeto, Gabi e Ale estão no cenário eletronico desde os anos 90, e estão completando 6 anos de carreira.

Início: dia 3 às 17h00


São Bento

No saudoso ponto de encontro das equipes de break e do old school, uma pista dedicada a celebrar a eterna ligação do movimento com a São Bento.

Endereço: São Bento.
Atrações:

18h00

Angel Keys

Sinopse:
Angel Keys já tocou em diversas igrejas, possuindo grande experiência com o público religioso. Sua grande a influência é gótico, aparecendo claramente em seu repertório.

(Música)

Início: dia 2 às 18h00

19h00

Grand Master Ney
Grand Master Ney

Sinopse:
Precursor da Black Music em São Paulo, o Produtor, Divulgador, Professor de Djs Grand Master Ney acumula 30 anos de carreira trazendo como referencia técnica os DJs Grand Máster Flash, Jazzy Jeff, Jam Master Jay e os brasileiros Greco, Dj Cuca, Corello DJ (RJ). Também já trabalhou em diversas rádios.

(Música)

Início: dia 2 às 19h00

21h00

Celcinho Double C
Celcinho Double C

Sinopse:
Celsinho Double C. trabalha há mais de duas décadas como Dj, atualmente é residente as terças-feiras no Show Bar Lounge - Pinheiros - SP no Projeto Old School Black, às sextas-feiras na Versus - Vila Olímpia - SP e se apresenta em várias casas noturnas e festas por todo o Brasil.

Início: dia 2 às 21h00

23h00

Marks
Marks

Sinopse:
Já discotecou com vários DJS da cena nacional, nomes como Andy, Patife, Koloral, Bungle, Ricardo Guedes, Adriano Pagani, Ronaldinho, Maloca Dub, 2 Funkyz, Anderson Thomé, David WS, Tubarão, Marnel, Alexandre Tahira, Kitty, Chris Intaface (UK), entre outros. Juntamente com DJ Eduardo Araújo esta a frente do projeto E-Music for Lovers que completa 1 Ano de sucesso absoluto no ABC Paulista em Setembro de 2007. Com muito carisma e técnica apurada vem conquistando o público por onde se apresenta principalmente no ABC Paulista. Seu set tem como base o melhor da House Music, com doses de Progressive e Electro.

Início: dia 2 às 23h00

01h00

Renatinho

Sinopse:
Residente de Guarulhos, toca nas principais casas noturnas da região. Já participou de diversos projetos que envolve a cena do black e soul. Atualmente, é residente do Club Dolores.

Início: dia 3 às 01h00

03h00

Flash

Sinopse:
Um dos DJs que estão em alta na cidade de São Paulo. Sua batidas são inconfundíveis aos ouvidos dos baladeiros de plantão.

Início: dia 3 às 03h00

05h00

Betão Grooves

Sinopse:
Dj experiente, possui uma carreira sólida e muito reconhecimento no mercado. Já trabalhou na Rádio Transamérica e hoje é residente do Black Bombom. Sua principal influência é o black music.

Início: dia 3 às 05h00

07h00

Paulão

Sinopse:
Comeou sua carreira em 1995, discotecando em festas da faculdade. Criou com mais dois amigos as Festas Black, trazendo a Campinas nomes que despontavam na cena como, por exemplo, a banda Zomba, que tinha entre seus integrantes o multi-instrumentista Curumim e a diva Paula Lima. Suas músicas passeiam entre o sambarock e o black music. Além de DJ, desenvolve permanente pesquisa sobre a música brasileira, destacando a análise discográfica dos ritmos na segunda parte do século XX. Atualmente, prepara ensaios sobre a história do samba rock e planeja para 2006 a sua primeira turnê internacional.

Início: dia 3 às 07h00

09h00

André Child

Sinopse:
André Child é um nome que vem se destacando na nova geração de dj’s. Com muitos estudos direcionados ao assunto, tem chamado a atenção de um público que está acostumado com altíssima qualidade.

Início: dia 3 às 09h00

10h00

Lil Lipe

Sinopse:
Sempre agitador das pistas com influências fortíssimas do hiphop.

Início: dia 3 às 10h00

11h00

Cinara
Cinara

Sinopse:
Cinara é a nova cara da Black Music feminina no Brasil. Residente do Rose Bom Bom em São Paulo a Dj desponta num cenário masculinizado como promessa de sucesso, seus sets são dançantes e repletos de novidades da R&B mundial.

Início: dia 3 às 11h00

13h00

Cesar African People

Sinopse:
definir

Início: dia 3 às 13h00

15h00

Heron
Heron

Sinopse:
Conceituado e respeitado na cena black existente em São Paulo, há três anos, DJ Héron envolve seus seguidores com a batida HIP-HOP. Atualmente residente em vários clubs pelo Brasil; House Garden (Goiania), Seven Ny (Curitiba), Yellow Club e Life (Barra Bonita), Target (Guaruja), Joy Soul Club (Sp), Sambary Love (Sp), Daora (Sp), etc. Apesar de ser um dos mais novos djs na atualidade, com seus 23 anos de idade, seu traballho vem sendo tão avassalador que hoje em dia é tido como um dos principais djs da cena hip hop no Brasil.

(Música)

Início: dia 3 às 15h00

17h00

Magoo

Sinopse:
Em seus 25 anos de experiência, Magoo já tocou em diversos lugares. Já trabalhou na Rádio Nova Brasil FM, no Madame Satã, Aero Anta e muitos outros.

(Música)

Início: dia 3 às 17h00


Rua Anchieta

DJs residentes das mais representativas casas noturnas da cidade.

Endereço: Rua Anchieta.
Atrações:

18h00

Waltinho Abud (Berlin)

Sinopse:
Jazz Nights

Início: dia 2 às 18h00

19h50

Daniel Ganjaman (Studio SP)

Sinopse:
Formado pelos produtores Pedro Dubstrong (DJ da Chocolate e conhecido por suas mixtapes), Gustavo Sola e pelo o multi-instrumentista Gustavo Veiga (Veiga & Salazar), o Echo Sound System não é uma banda de reggae, nem é apenas um grupo de hip hop: é uma mistura com raízes nas vertentes jamaicanas, mesclando diversas influências como o Ragga, Dub, Dancehall e Rap. Suas apresentações são sempre repletas de convidados especiais, que incluem os maiores nomes do Raggamuffin Brasileiro.

Início: dia 2 às 19h50

21h40

Valter Nu (Grazio a Dio)

Sinopse:
Discoteca no Grazie a Dio há muito tempo, sempre trazendo muito “Trip Hop” e “Eletronic”, fazendo a casa bombar

Início: dia 2 às 21h40

23h30

Flavio Forgotten e Lady Rocker (Inferno)

Sinopse:
O DJ Flávio, membro do Grupo Forgotten Boys, esquenta as pista com a facilidade dos grandes DJs, botando todo mundo pra dançar.

Início: dia 2 às 23h30

01h20

Tati e Valentim (Outs)

Sinopse:
Os DJs residentes, Tati e Valentim, fazem sets de “garage rock”, “glam rock”, “grunge”, “hardcore”, “britpop”, entre outros estilos

Início: dia 3 às 01h20

03h10

Tonyy (Trash 80)

Sinopse:
Com mais de 15 anos de carreira, DJ Tony já participou das mais importantes festas e festivais do mundo, levando para as pistas os bons tempos dos anos 80

Início: dia 3 às 03h10

05h00

Lu Riot (CB)

Sinopse:
DJ do CB Bar, promoter e gerente do CB Bar,além de arquiteta.

Início: dia 3 às 05h00

06h50

Fabricio Miranda (Funhouse)

Sinopse:
O Line Up da sua discotecagem é sinônimo de qualidade musical. Fabrício tem vasta experiência e, como de praxe, irá esquentar a pista numa apresentação pra ninguém ficar parado.

Início: dia 3 às 06h50

08h40

Celso Tavares (Astronete)

Sinopse:
O DJ Celso Tavares, que toca aos sábados na festa Discotexxx da balada Astronete, em São Paulo, montou uma seleção infalível de músicas que vão criar a atmosfera sexual perfeita, para dançar.

Início: dia 3 às 08h40

10h30

Andre Juliani (Vegas)

Sinopse:
Compromissado e devoto da música de vanguarda, André Juliani tem uma estreita relação com os produtores do lendário selo Underground Resistance, de Detroit, fruto de suas elogiadas produções e apresentações (como nos eventos em que tocou com Carl Craig, Suburban Knight, Octave One & Random Noise Generation, Laurent Garnier, Ricardo Villalobos, John Acquaviva, Dave Angel, Trevor Rocklife, DJ Hell e muitos outros). Também se apresenta regularmente nos principais clubes e eventos do Brasil e na América do Sul (Santiago - Chile em 2005 e 2006), América Central (Guadalajara - México em 2007).

Início: dia 3 às 10h30

12h20

Renato Ratier (D-Edge)

Sinopse:
Atualmente considerado um dos nomes mais aclamados da “house music” no Brasil, Renato Ratier não se prende a apenas um estilo. Vindo de Chicago, seus sets passeiam pelo “techno”, flertando com o “electro”, “disco-punk”, “rock” e “groove”.

Início: dia 3 às 12h20

14h10

Clash Colletive (Clash)

Sinopse:
Estreou na última semana o Clash Collective, reunião de três DJs conhecidos do clube paulistano Clash, fazem sets e excursões que levam o nome do clube e sua sonoridade por inúmeras pistas. Denis Hadler, Fab e Matt - esses dois últimos integrantes do projeto The Witchdoktors, são os clashers.

Início: dia 3 às 14h10

16h00

Ednei (A Lôca)

Sinopse:
Começou sua paixão pela música desde muito cedo. Aos 14 anos já tocava em festas de amigos e aniversários, sempre em busca das novidades musicais. Em 1991 conheceu a DJ Carla e ali começaria seu contato com vários clubs e DJs da época. Em viagem a Londres em 1994 extraiu da cena musical inglesa inspiração que turbinou sua carreira como DJ. Com DJ Julião em 1997 montou a loja Techno Records, no bairro da Penha, São Paulo (que logo depois migraria para galeria Ouro Fino), contando com DJ Marcio Zanzi, Gu e Adriano na equipe. Semanalmente a Techno Records era atualizada com muitos cds e vinys de vários gêneros. A loja acabou por dar-lhe uma ampla cultura musical, refeltida em seu trabalho.

Início: dia 3 às 16h00

17h50

Lalai (Crew) Paula e Gil (Vai) - (Gloria)

Sinopse:
Com um estilo que atrai e não dá sossego para pista, os DJs trazem o melhor e mais contagiante da “house” a “eletrorock”.

Início: dia 3 às 17h50


Pirâmide do Piques

Discotecagem de rua das 21h as 3h

Endereço: Ladeira da Memória.

21h00

Reggae Sound System

Sinopse:
Discotecagem de rua das 21h as 3h

Início: dia 2 às 21h00

Kombi do Forró

Em uma kombi aberta, trios de forró se sucedem tocando durante as 24 horas, perambulando pela festa e seus arredores

Endereço: palco móvel.

Praça Pedro Lessa

Repetindo o grande sucesso do ano anterior, um ônibus adaptado serve como palco para aulas de dança abertas ao público

Endereço: Anhangabaú.

18h00

ônibus da dança

Sinopse:
Repetindo o grande sucesso do ano anterior, um ônibus adaptado serve como palco para aulas de dança abertas ao público

Início: dia 2 às 18h00

Maratona de Rua

Inúmeros artistas de rua se espalham pelas praças, calçadões e viadutos do centro velho, se apresentando ininterruptamente. Números aéreos dentre edifícios, façanhas circenses, artifícios, carros e máquinas de espetáculo se descortinam diante e em meio à multidão

Endereço: Maratona de Rua.
Atrações:
Cômica Kombi

Sinopse:
Uma Kombi cheia de palhaços e malabaristas, surpreenderá o público da Virada Cultural, desestabilizando o cotidiano ao imprimir no ambiente e nas pessoas uma outra lógica, estabelecida pela surpresa.

(Intervenção)

Horários: dia 2 às 20h00, às 22h00, dia 3 às 10h00 e às 12h20.
germinAções – Floriana Breyer

Sinopse:
Nos espaços suspensos da cidade, uma “mulher planta” dialoga com as plantas que resistem ao caos e a poluição urbana. Alcançando as vegetações que heroicamente brotam nas fendas de pontes, viadutos, escadarias e paredões do centro de São Paulo, a performer dança com a natureza através de diversas técnicas de equilíbrio e alpinismo.

(Intervenção)

Horários: dia 2 às 22h30, dia 3 às 01h00, às 11h00, às 14h00 e às 17h00.
Irmãos Becker

Sinopse:
Os irmãos André Becker e Duba Becker estarão pelas ruas da Virada

Cultural fazendo malabarismos com objetos inusitados como cones,

raquetes de tênis, facas, tochas e usando até uma escada.

(Intervenção)

Horários: às 00h00 e às 12h30.
Duração: 240 minutos;
Parisada

Sinopse:
É um grupo de pessoas que se reúne periodicamente para treinar e

estudar os infinitos aspectos do palhaço e as maravilhas da

improvisação teatral através de jogos e exercícios dinâmicos que envolvem corpo, voz e mente. Estarão pelas ruas próximas ao Theatro Municipal, interagindo com o público e preparando-lhes uma surpresa: uma mala, de onde pode surgir qualquer coisa.

(Intervenção)

Horários: dia 2 às 20h00, às 23h10, dia 3 às 11h00, às 12h30, às 14h00, às 15h30 e às 17h30.
Monociclos – Rodrigo Racy

Sinopse:
Criador da Cia. CircoLando, entre outras peripécias, ele pedalou seu

monociclo por todo caminho de Santiago de Compostela. Estará na

Maratona de Rua com novos monociclos pegando fogo, literalmente.

Horários: às 02h00.
Duração: 360 minutos;
Um sorriso enquanto espera – Amigos do Nariz Vermelho

Sinopse:
Grupo de improvisação cômica que atua voluntariamente em projetos

sociais e espetáculos. Eles alegram o público enquanto esperam a próxima atração. Há cinco anos, eles distribuem sorrisos e alegria às pessoas que aguardam sua vez nas filas de hospitais públicos de São Paulo.

(Intervenção)

Horários: às 01h30, às 03h30, às 05h00, às 06h30 e às 08h00.
Malabarismos – Luciano Rabelo

Sinopse:
Malabarista vindo diretamente dos semáforos de São Paulo para as ruas

Virada Cultural. Trabalho com técnicas de contato com bola e chapéu, cigar box e muito mais.

(Intervenção)

Horários: dia 2 às 22h00 e dia 3 às 03h30.
Duração: 240 minutos;
Dançando na Cidade – Silenciosas+Gt'aime

Sinopse:
Improvisação que usa a dança e os espaços públicos para criar grandes

coreografias, interagindo com os transeuntes, que podem participar da apresentação. Os 15 intérpretes-criadores (dirigidos e treinados por Diogo Granato, em técnicas de dança contemporânea, contato improvisação, parkour, artes marciais e acrobacias) se espalham pelo espaço, ocupando-o com uma dança aleatória. Aos poucos contaminam o público até que todos caiam na dança.

(Dança)

Horários: dia 2 às 23h00, dia 3 às 00h30, às 02h00 e às 03h20.
Irmãos Siameses – Felinos Adestrados

Sinopse:
Dois palhaços-irmãos, siameses e viajantes, estão de passagem por

São Paulo. Circulando pelo centro, descobrem lugares, deparando-se com

situações inusitadas. Eles ainda declamam poemas, brincam e divertem o público.

(Intervenção)

Horários: às 04h30, às 06h00, às 08h00 e às 09h30.
Duração: 60 minutos;
Pirâmides Humanas – Grupo Acrobático Juliu's

Sinopse:
Acrobatas e equilibristas farão impressionantes pirâmides humanas nas

ruas da Virada Cultural.

(Intervenção)

Horários: dia 2 às 20h30 e dia 3 às 10h00.
Duração: 190 minutos;
A gigante e a boneca – As Tapiocas

Sinopse:
Uma gigante que sonha em dançar, mas é tão desproporcional que não

consegue se equilibrar. Brincando com sua boneca, explora as

possibilidades e limites do corpo de cada um, descobrindo que cada um

tem seu jeito especial de fazer sua bela dança.

(Intervenção)

Horários: dia 2 às 19h00, às 21h00, dia 3 às 12h00 e às 14h00.
Ciclista Prateado

Sinopse:
Todo prateado com sua bicicleta também prateada e pirotécnica, estará pedalando e soltando fogos pelo centro da cidade.

(Intervenção)

Horários: dia 2 às 18h00 e dia 3 às 08h00.
Duração: 540 minutos;
Paisagens Sonoras – Coletivo Corrosivo

Sinopse:
O público terá a oportunidade de experimentar um momento sonoro

atípico, sentando em um banquinho em frente a um carrinho de cimento

que, circulando pela Virada Cultural, carregará um aparelho de DVD, uma TV com fone de ouvido.

(Intervenção)

Horários: às 00h30, às 02h00, às 03h30 e às 05h00.
Roda de Capoeira – Grupo Raízes de Capoeira

Sinopse:
O grupo fará várias rodas de capoeira durante as 24 horas.

(Intervenção)

Horários: dia 2 às 20h00, dia 3 às 00h00, às 08h00, às 12h00 e às 16h00.
Globo da Morte

Sinopse:
Na Praça da República enquanto o público aguarda por mais um petardo do Rock'n'Roll , o show ficará com as motos que realizarão façanhas de tirar o fôlego.

(Intervenção)

Horários: dia 2 às 20h30, às 22h15, às 23h50, dia 3 às 01h50, às 11h40, às 13h30 e às 15h30.
Travessias – Acrobático Fratelli

Sinopse:
A 19 anos realizando façanhas com técnicas de circo aliadas com a tecnologia para a segurança em altura o Acrobático Fratelli virá para a Virada Cultural com figuras inusitadas quem voarão do topo de um prédio a outro durante as 24 horas.

(Intervenção)

Horários: dia 2 às 19h00, às 19h50, às 20h40, às 21h30, às 22h20, às 23h10, dia 3 às 00h00, às 00h50, às 01h40, às 02h30, às 03h20, às 04h10, às 05h00, às 05h50, às 08h00, às 08h50, às 09h40, às 10h30, às 11h20, às 12h10, às 13h00, às 13h50, às 14h40, às 15h30, às 16h20 e às 17h10.
Duração: 20 minutos;
Circo Funâmbulos – Ares

Sinopse:
O circo está nos ares de São Paulo e do largo do Paissandu onde o grande palhaço Piolin (Abelardo Pinto) viveu sua fase de gloria. Por isso o Ares vem do alto da Galeria Olido para trazer esta homenagem a este palhaço maravilhoso.

(Intervenção)

Horários: às 10h00, às 13h00 e às 16h00.

18h10

Guindaste do Circo
Guindaste do Circo

Sinopse:
Durante as 24 horas artistas circenses, em grupo ou solo, voarão sobre as cabeças do público do palco na Av. São João, isto com o auxilio luxuoso de um guindaste. Os solos passearão pelas habilidades aéreas do circo como lira, trapézio, bambu e força capilar. Os grupos apresentam números do circo contemporâneo paulistano, são eles:



Cia. Linhas Aéreas:

A Cia. traz dois números para a virada cultural, um deles acontece em um cotidiano sofá que temos em nossas salas mas agora voando a uma altura de até 30m. Figura do espetáculo Pequeno Sonho em Vermelho de 2003 inspirado na vida diária e nas idéias de Wassily Kandinsky.

O outro se aproxima mais do circo tradicional, o Carrosel um aparelho aéreo criado pela Cia. São dois grandes elos perpendiculares onde as artistas fazem uma bela coreografia acrobática.



Mobil:

Quatro lindas mulheres voarão em movimentos giratórios colorindo e realçando a beleza das alturas da cidade. (foto)



Solas de Vento:

O grupo que participou da ultima Virada Cultural com o numero capoeira, este ano traz dois números. Um em dupla em que o contrapeso é tema e outro onde três tecidos servem de asas para os bailarinos aéreos.



Lu Guimarães - Corda Lisa

Com o seu aprendizado vindo das melhores escolas de Circo do Mundo, Luciana faz um número de Corda Lisa que demonstra toda a sua qualidade e alto nível de Aéreos que enche os olhos da platéia.



Fafá Salles - Circo Miúdo/lira

Artista plástica e circense, tem um trabalho marcado pelo visual, “moldado” para provocar um impacto visual muito criativo no público, com formas e figuras incríveis.





Cassia Teobaldo - Lira

Há muitos anos no circo, já participou de incontáveis espetáculos com algumas das mais importante Cias. de São Paulo, como o “Fractons” e o “Espetáculo Urbes”.





Livia – Lira

Baiana, há a pouco chegada em São Paulo, a artista de circo e musicista Lívia explora com muita leveza e criatividade, o espaço circense e o ambiente musical da cidade.



Luciene –

Moradora da Cidade de Campinas, Luciene vem ganhando espaço no circo brasileiro e internacional. No currículo, diversos trabalhos com o Grupo “Acrobatico Fratelli” e outras Cias. Atualmente, vive uma fase experimental em aéreos.



Solas de Vento - Capoeira

Dois artistas em duas cordas lisas realizam um jogo de capoeira.







Sandra Borovik,



Membro do Grupo Ares que esteve presente na apresentação do Grupo realizada para a despedida da tocha dos Jogos Panamericanos do Rio de Janeiro.







Cia. Linhas Aéreas - Carrossel



Carrossel é um número poético e emocionante, com imagens que remetem à fragmentação e à descoberta, num caleidoscópio de sonho que voa. A linguagem une os recursos expressivos do circo e da dança gerando coreografias aéreas, que são resultantes de uma pesquisa do grupo sob as perspectivas do circo contemporâneo. O estudo do movimento aéreo e da ocupação deste espaço, aponta a busca por uma expressividade própria, criando uma espécie de Gramática do Espaço.







Sandra Miyazawa



Atriz circense com performances marcantes, participou dos espetáculos Universo Umbigo e Cerimônia da Semeadura.











Léia Lopes e Julio Batista



Dupla de artistas circenses, participaram de algumas edições da Palhaçaria Paulistana.







LUCIANA LIMA, HELENA CERELLO e ADRIANA TEGL - Pétalas

Número premiado pelo PAC de circo é realizado em um aparelho criado especialmente para ele. O resultado plástico da mistura entre a dança e o circo encanta a todos.



Joana Piza

Xampu, só para cabelos oleosos; condicionador, nem pensar. O risco de escorregar é maior, explica a atriz Joana de Toledo Piza, 30, que ficará pendurada pelo cabelo em número que será aprsentado na Virada Cultural, Por conta da gravidade, com a prática o cabelo cresce mais rápido, pois sustenta o corpo. Dizem que até a pessoa cresce, conta a artista, que lava o cabelo diariamente e não usa secador.



Ângela



Com inúmeras apresentações sempre apreciadas pelo público, a artista circense tem seu trabalho marcado pela rara sensibilidade com que alterna leveza e força em cada movimento.

(Intervenção)

Início: dia 2 às 18h10
Duração: 1440 minutos;

18h45

Rue de l'attribut – Les Piétons
Rue de l'attribut

Sinopse:
Criada em 1984, a companhia de arte de rua multi-diciplnar dirigida por Jean-Marie Maddeddu, mistura linguagens de teatro, dança e musica para tocar o publico da rua. O espetáculo Rue de l'attribut virá diretamente de Poussan na França para encantar os paulistanos na Virada Cultural.



Na internet:

http://www.dailymotion.com/video/x2z6dp_les-pietons-a-shmeisani_creation

Início: dia 2 às 18h45

21h00

Preto no branco interativo – Rogério Borovik

Sinopse:
O projeto multimidia preto no branco criado e desenvolvido por Rogério e Samira Borovik em 2008, traz para a Virada Cultural sua versao interativa, com intensa participação do público. Um prédio no centro de Sao Paulo será tela para uma grande projeção de vídeos processados em tempo real com software processual Keyworx, a partir das performances corporais do público-participante. Será proposto um jogo de luz e sombra através do espelhamento de imagens. O reflexo e o dualismo que distribue significados.

(Performance)

Início: dia 2 às 21h00
Duração: 540 minutos;

00h00

Peruada Noturna

Sinopse:
A tradicional passeata dos estudantes de Direito do Largo de São Francisco em sua versão para a virada, como já nas quatro edições anteriores do evento, madrugada adentro.

Início: dia 3 às 00h00

00h45

Bloco de Pedra

Sinopse:
Resultado do Projeto Calo na Mão, na Escola Estadual Profº António Alves Cruz, onde trabalhamos com a cultura do Maracatu de Baque Virado, estudando a dança, as toadas e os baques das Nações Pernambucanas.

(Intervenção)

Início: dia 3 às 00h45
Duração: 150 minutos;

08h00

Pernaltas – Cia de Artes do Baque Bolado

Sinopse:
Tendo como base a música do Macaratu de Baque Virado do Recife, a Cia prima pela pesquisa e pelo respeito à ancestralidade do rico e vasto universo do folclore brasileiro. Vem a Virada Cultural em pernas de pau iluminados com cores, tambores e crenças

(Intervenção)

Início: dia 3 às 08h00
Duração: 150 minutos;


PRAÇA JÚLIO PRESTES

Sala São Paulo

Sede da Orquestra Sinfônica

do Estado de São Paulo

A antiga estação de trens da Estrada de Ferro Sorocabana abriga hoje o Complexo Cultural Júlio Prestes, sede da maior e mais moderna sala de concertos da América Latina: a Sala São Paulo.



Especialmente construída para receber as melhores orquestras sinfônicas do mundo, a Sala São Paulo tornou-se realidade após o trabalho de recuperação do monumental edifício da Estação Júlio Prestes, construído no estilo Luís XVI, marcado pela sobriedade dos ornamentos e detalhes.



Projetado em 1925 – período em que a cidade, estimulada pelo café e pela ferrovia, crescia em ritmo acelerado – o edifício somente seria concluído em 1938, quando a urbanização de São Paulo já se caracterizava pela presença de automóveis, inibindo a utilização de bondes e trens.



O trabalho de recuperação do edifício acompanhou a reestruturação da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, sediada atualmente no mesmo prédio da Sala São Paulo. A solução encontrada para as intervenções realizadas nesse prédio histórico, concebido de acordo com princípios específicos de um estilo e época, baseou-se na intenção de estabelecer um diálogo adequado com o espaço existente, valorizando os conceitos e as características de uma construção anterior, ajustando-a a uma utilização distinta da original, que veio atender a uma demanda da sociedade contemporânea, adequando-se à proposta de revitalização.



O projeto da Sala São Paulo possibilita a apresentação de qualquer tipo de concerto, pautada pela alteração do espaço da sala de concertos gerada pela flexibilidade do forro com painéis móveis. Além disso, os elementos de composição foram concebidos para a reflexão sonora multidirecional, atendendo a recomendações acústicas.



Em sua nova utilização, a Sala São Paulo não apenas recupera o antigo edifício, mas também garante sua preservação por meio de uma ocupação significativa, que certamente o eleva à posição de marco da cidade. A preocupação com o patrimônio cultural reflete a consciência de que não há desenvolvimento, nem progresso, sem o cuidado com o nosso passado. Pela memória são estabelecidos os laços que criam a identidade entre os indivíduos e o meio em que vivem. A recuperação do local é o resgate de uma importante parte do passado de nossa cidade, uma contribuição para a construção de um desenvolvimento mais justo e humano.

Endereço: SALA SÃO PAULO, CEP 01218020.
Telefone: 55 11 3367 9500.
Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo – Horário a definir

Sinopse:
Wagner Polistchuk - regente

Cláudio Cruz - spalla

Repertório

Beethoven Abertura Leonora nº 2, Op.72a

Beethoven Sinfonia nº 4 em Si b maior, Op.60

Desde o primeiro concerto em 1954, a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo –Osesp– trilhou uma história de conquistas, que culminou em uma instituição hoje reconhecida nacional e internacionalmente pela qualidade e excelência. A Osesp é atualmente parte indissociável da cultura paulista, agente de transformações e criadora de um novo paradigma na música de concerto e na gestão cultural em nosso País.



Nos primeiros anos, a Osesp foi dirigida pelo maestro Souza Lima e pelo italiano Bruno Roccella, mais tarde sucedidos por Eleazar de Carvalho, que por 24 anos permanece à frente da Orquestra e desenvolve intensa atividade, com temporadas regulares no Teatro Cultura Artística, transmissões pela TV Cultura, turnês nacionais e a realização dos concursos Jovens Solistas da Osesp e dos Concertos para a Juventude. Nos últimos anos sob seu comando, o grupo passa por um período de privações. Porém, antes de seu falecimento, Eleazar deixa um projeto de reformulação da Osesp. Com o apoio do Secretário de Cultura e o empenho do Governador Mario Covas, é realizada a escolha do maestro que conduziria essa nova fase na história da Orquestra.



Em 1997 o maestro John Neschling assume a direção artística da Osesp e, com o maestro Roberto Minczuk como diretor artístico adjunto, redefine e amplia as propostas deixadas por Eleazar. Em pouco tempo, a Osesp abre testes para os músicos, no Brasil e no exterior, eleva os salários e melhora as condições de trabalho.



A Sala São Paulo é inaugurada em 1999 e, nos anos seguintes, são criados os coros Sinfônico, de Câmara, Juvenil e Infantil; o Centro de Documentação Musical Maestro Eleazar de Carvalho; o Serviço de Assinaturas; o Serviço de Voluntários; os Programas Educacionais; a editora de partituras Criadores do Brasil; e a Academia da Osesp. As temporadas se destacam pela diversificação de repertório e uma parceria com o selo sueco BIS garante a difusão internacional da música brasileira de concerto.



A criação da Fundação Osesp, em 2005, representa um marco na história da Orquestra. Com o presidente Fernando Henrique Cardoso à frente do Conselho de Administração, a Fundação coloca em prática novos padrões de gestão, que passam a ser referência no meio cultural brasileiro.



Após as turnês pela América Latina (2000, 2005, 2007), Estados Unidos da América (2002, 2006), Europa (2003, 2007) e Brasil (2004, 2008), o grupo realiza em 2008 a primeira edição da Osesp Itinerante, pelo interior do estado de São Paulo, com concertos, oficinas e cursos de apreciação musical que atingem mais de 70 mil pessoas.



Em 31 de dezembro de 2008 é realizado um concerto de ano novo para a emissora franco-alemã ARTE, regido pelo maestro Neschling e transmitido ao vivo para a França, Alemanha, Bélgica, Suíça, Espanha, Áustria, Polônia, Finlândia, Portugal, Dinamarca, Hungria, Suécia, Itália, Holanda e Brasil.



Recentemente indicada pela revista inglesa Gramophone como uma das três orquestras emergentes no mundo nas quais se deve prestar atenção, a Osesp dá continuidade ao projeto de ampliação constante da cultura musical brasileira e inicia a Temporada 2009 tendo como regente principal o maestro francês Yan Pascal Tortelier.



Sala São Paulo (1484 lugares) – Pça. Júlio Prestes, 16



orquestra@osesp.art.br

(Música)

Pinacoteca do Estado de São Paulo

A Pinacoteca do Estado é o museu de arte mais antigo da cidade e certamente um dos mais importantes do país. Nasceu no prédio inicialmente construído para abrigar o Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo. Por isso, a história da Pinacoteca confunde-se em seus primórdios com a implantação do Liceu, e sua presença no edifício – conturbada por uma série de eventos históricos, como os conflitos de 1930 e 1932, além de reformas – alternou-se com transferências temporárias para outros locais, como o prédio da Imprensa Oficial e o pavilhão no Ibirapuera.



No momento de sua inauguração, que se deu em 24 de dezembro de 1905, o acervo da Pinacoteca consistia em 26 pinturas de importantes artistas que atuaram na cidade, como Almeida Júnior, Pedro Alexandrino, Berthe Worms, Antonio Parreiras e Oscar Pereira da Silva, oriundos do Museu Paulista (então Museu do Estado). Nos seus primeiros anos, a Pinacoteca ocupou uma única sala no terceiro piso. Não era ainda um órgão autônomo em relação ao Liceu, o que só aconteceria em 1911. Durante suas primeiras décadas de existência, a Pinacoteca voltou-se à ampliação de seu acervo, com ênfase na arte brasileira do século XIX. Contudo, este perfil começa a mudar a partir 1967, com as gestões de Delmiro Gonçalves, Clóvis Graciano e Walter Wey, quando se iniciaram as reformas do prédio, ampliaram-se as atividades do museu e mudaram os critérios de escolha de obras, que passou a ser feito pelo Conselho de Orientação da Pinacoteca, criado em 1970. A partir de então, a significativa coleção de arte brasileira do século XIX passava a ser complementada, pouco a pouco, por obras representativas de períodos posteriores.



Uma série de profícuas gestões, contribuiu, cada uma a seu tempo, para o enriquecimento do acervo da instituição e para sua adequação às condições museológicas de excelência, que hoje tornam a Pinacoteca um museu de referência internacional. De um espaço restrito a especialistas, transformou-se em espaço de inclusão, recebendo os mais diferentes segmentos da sociedade. De uma única e imutável exposição com obras do acervo, evoluiu para um programa de mostras temporárias sobre as mais variadas questões de arte e da cultura, associado a mostras de longa duração com trabalhos de seu acervo. De um corpo funcional composto por um conservador, como estipulava sua regulamentação de 1911, passou a contar com um quadro com mais de 50 técnicos e cerca de 100 funcionários, todos altamente qualificados. Redimensionou seu relacionamento com a escola formal, conquistando um papel de aliança e complementaridade. No lugar do trabalho amador, ainda que dedicado, colocou a museologia como referencial científico para propor e implementar suas políticas. De uma iniciativa isolada do Estado, constituiu-se em ação articuladora das esferas pública e privada.



Neste contexto, celebrar o primeiro centenário da Pinacoteca do Estado de São Paulo se configura como o momento ideal para uma necessária reflexão sobre sua atuação. Ao longo destes 100 anos, o balanço de realizações é significativo: um acervo de mais de 6 mil obras, nas mais diversas técnicas, de autoria de mais de sete mil artistas diferentes, que oferece um dos mais abrangentes panoramas da arte brasileira dos séculos XIX e XX; alguns milhões de visitantes (mais de um milhão somente nos três últimos anos); dois prédios com mais de 20 mil m2 de instalações técnicas adequadas: o centenário edifício da Luz, onde foi criada, e, mais recentemente, o antigo prédio do DEOPS, atual Estação Pinacoteca; centenas de publicações que se constituem em referência básica da história de nossas artes visuais; centenas de mostras que revelaram e consagraram criadores e obras as mais distintas; conhecimento e experiência consolidados em todas as áreas do campo museológico, da conservação e restauro à educação para públicos especiais.



Para além desses indicadores concretos, há um universo impossível de ser dimensionado. Uma das responsabilidades fundamentais do museu de arte na atualidade é educar o olhar e sensibilizar o espírito, criando as condições indispensáveis para o exercício completo da cidadania. Mas a grande tarefa do museu contemporâneo, nesta era virtual, é ainda, reafirmar a individualidade, o espiritual, o homem como agente criador, único e insubstituível. É para enfrentar este desafio que a Pinacoteca do Estado se repensa e se amplia incessantemente, preservando o passado e acolhendo o futuro.

Endereço: Praça da Luz, 2.
Telefone: 3324.1000.
Atrações:

18h00

Feirão de Livros e de Molduras

Sinopse:
Feirão de Livros e de Molduras

Início: dia 2 às 18h00

18h00

Visita noturna ao Jardim da Luz

Sinopse:
Visita noturna ao Jardim da Luz

Início: dia 2 às 18h00

18h00

Apresentações noturnas de grupos musicais

Sinopse:
Apresentações noturnas de grupos musicais

(Música)

Início: dia 2 às 18h00

16h30

CORO SINFONICO DA OSESP

Sinopse:
Criado em 1994, o Coro da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo tem como objetivo a divulgação de obras do repertório coral-sinfônico e da literatura a cappella.



Desde maio de 1995 sob a direção de Naomi Munakata, o grupo participou de inúmeros concertos com renomados regentes e orquestras, apresentando obras como Um Réquiem alemão, de Brahms; os réquiens de Verdi e de Mozart; Carmina Burana e Catulli Carmina, de Carl Orff; Oratório de Natal e Paixão segundo São Mateus, de Bach; Choros nº 10, de Villa-Lobos; Maracatu do Chico Rei, de Francisco Mignone; e Chichester Psalms, de Leonard Bernstein, além do ciclo de óperas italianas de Carlos Gomes, em comemoração ao centenário da morte do compositor.



O Coro apresenta-se nas temporadas de concertos da Osesp, em formação de câmara ou sinfônica, a cappella ou acompanhado pela orquestra, com a qual fez as primeiras audições no Brasil de peças como Belshazzar’s Feast, de William Walton; Missa brevis, de Bernstein, entre outras obras. Recebeu o Prêmio Carlos Gomes de Melhor Coral de 1999 e 2001.

(Música)

Início: dia 3 às 16h30


MUSEU DA LÍNGUA PORTUGUESA

A Virada começa antes no Museu



Inaugurado no dia 20 de março, o Museu da Língua Portuguesa abriu suas portas à visitação pública no dia 21 de março de 2006.



O Museu apresenta uma forma expositiva diferenciada das demais instituições museológicas do país e do mundo, usando tecnologia de ponta e recursos interativos para a apresentação de seus conteúdos.



Muito mais do que aplicar as tecnologias ao espaço expositivo por puro deleite de modernidade, o Museu da Língua Portuguesa adota tal museografia a partir de um dado muito simples: seu acervo, nosso idioma, é um “patrimônio imaterial”, logo não pode ser guardado em uma redoma de vidro e, assim, exposto ao público.



A preservação do patrimônio imaterial é um tema extremamente importante e complexo, e que, só recentemente, começou a ser discutido no mundo. Hoje, o Brasil já dispõe de legislação específica, que permite o tombamento de tal patrimônio, reconhecidamente importante para a manutenção e valorização da nossa identidade cultural.



Assim, o Museu da Língua Portuguesa, com seu acervo virtual, é uma instituição pioneira na preservação de um bem imaterial, merecendo a atenção de outras instituições, tanto brasileiras quanto estrangeiras.

Em um mundo altamente globalizado, onde tudo se parece, cada vez mais será importante a preservação do patrimônio imaterial (diferencial identitário de povos, nações e comunidades) e a criação de espaços dedicados a esta função.

Endereço: Praça da Luz, s/n.
Telefone: (11) 3326-0775.
Atrações:

14h00

Sarau Chama Poética – Homenagem a Ataulfo Alves

Sinopse:
Sarau Chama Poética – Homenagem a Ataulfo Alves

(Sarau)

Início: dia 2 às 14h00

16h00

Conto de todos os Cantos – Renata Mattar e Giba Pedroza

Sinopse:
Apresentação do espetáculo Conto de todos os Cantos com os cantores e contadores de histórias Renata Mattar e Giba Pedroza.

Início: dia 2 às 16h00

18h30

Roda de Samba – Marcelo Fonseca e conjunto

TEATRO DE DANÇA – TD

Endereço: Av. Ipiranga, 344, subsolo - Centro - São Paulo-SP.
Telefone: (11) 2189-2557.
A’Lombre, Sombra e Improviso – Cia de Dança de São José dos Campos

Sinopse:
Fundação Cassiano Ricardo

Cia de Dança de São José dos Campos

Coordenação Artística: Renato Vieira



Ficha Técnica:

Coordenação Artística: Renato Vieira

Coreografias “A´Lombre” e “Improviso”: Renato Vieira

Coreografia “Sombra”: Bruno Cezario

Iluminação: Renato Vieira e Luiz Coelho

Figurino: Marine Levesque e Bruno Cezario (em A´Lombre)

Bailarinos: Anderson de Souza, Andressa Barbosa, Ane Adade, Bianca Lopes, Bruno Fernandes, Carlos Matos, Diego Gomes, Fábia Vasconcellos, Marcela Pinho, Marina Annunciato, Raul Arcangelo Vagner Cruz, Val Santos, Vanessa Porcino



Músicos Convidados:

Camila Bonfim – contrabaixo, Milena Salvatti – violoncelo, Rodrigo de Oliveira – violino

(Dança)

Horários: dia 2 às 22h00, dia 3 às 00h00 e às 17h00.

Museu do Tribunal de Justiça

Palacete Conde de Sarzedas, possivelmente executado e projetado entre 1891 e 1895, para ser a residência de Luís de Lorena Rodrigues Ferreira, descendente do próprio Conde de Sarzedas. É remanescente dos palacetes paulistanos e talvez, o único sobrevivente da família neogótica de residências ecléticas. Atualmente abriga o Museu do Tribunal de Justiça com 8 salas de exposições do acervo do Judiciário paulista.

Endereço: Rua Conde de Sarzedas, 100, CEP 01512000.
Telefone: 3295-5819, 3295-5816.
Atrações:

09h00

Exposição: Instrumentos Musicais antigos e contemporâneos

Sinopse:
Estarão expostos instrumentos musicais de vários países, do Acervo de José Augusto Sampaio Guidon - luthier, restaurador e colecionador desde os 12 anos de idade.Dentre outras curiosidades destacam-se o saxofone fabricado por Adolphe Sax (1814-1897) e dois trompetes triunfais da marca Getzen (USA) que foram usados na apresentação da ópera AIDA na inauguração do Canal de Suez (1869-Egito), além do baixo marca Hofner igual ao do músico inglês Paul McCartney, baixista dos Beatles, entre 1960 e 1970.

(Exposição)

Início: dia 3 às 09h00

09h00

OFICINA DE ARTE

Sinopse:
• Edna Costa – formada em artes cênicas ensina os interessados confeccionarem máscaras em papel machê.

(Artes plásticas)

Início: dia 3 às 09h00
Duração: 120 minutos;

09h00

OFICINA DE ARTE

Sinopse:
Sueli Finoto - artista plástica, ensina a confecção de cartões artesanais.

(Artes plásticas)

Início: dia 3 às 09h00
Duração: 120 minutos;

11h00

OFICINA - História é pra contar

Sinopse:
• Andréa Maria Nogueira – contadora de história do “Viva e deixe Viver – Hospital do Câncer”, utilizando-se da atividade lúdica como forma de comunicação, interage com o público numa viagem literária de aprendizagem, na medida em que, ao desenvolvê-las, exercitamos nossa plenitude, independente da idade, meio social e outras variáveis.

(Oficina)

Início: dia 3 às 11h00
Duração: 50 minutos;

12h00

PIANO

Sinopse:
• Roberta Chamilet, no piano e Marcelo Andrade – no violão, ambos formados em Música pela Faculdade Santa Marcelina e professores de musicalização infantil, apresentarão as obras abaixo:



F.F. Chopin – Noturno opus 9 nº 2 e opus 72

Estudo opus 25 nº 12



L.V. Beethoven – Sonata opus 28- Pastoral



Isaac Albeniz – Granada



H. Villa-Lobos – O Cravo brigou com a Rosa

Estudos nºs 1 e 2 para violão



• Karol Kawabata, com doze anos, a estudante de piano apresentará a peça “Miniatura em Jazz”, de Marc Nevin.

(Música)

Início: dia 3 às 12h00
Duração: 50 minutos;

13h00

OFICINA - História é pra contar

Sinopse:
• Andréa Maria Nogueira – contadora de história do “Viva e deixe Viver – Hospital do Câncer”, utilizando-se da atividade lúdica como forma de comunicação, interage com o público numa viagem literária de aprendizagem, na medida em que, ao desenvolvê-las, exercitamos nossa plenitude, independente da idade, meio social e outras variáveis.

(Oficina)

Início: dia 3 às 13h00
Duração: 50 minutos;

14h00

DANÇA

Sinopse:
• Parwati – professora de dança do ventre há cinco anos, terapeuta holística e reikiana, colaboradora da Escola Holística Harmonia Primavera se apresentará num solo da dança do ventre.

(Dança)

Início: dia 3 às 14h00
Duração: 30 minutos;

14h00

DANÇA

Sinopse:
Thais Helene – vice-presidente da Associação Ananke, naturopata e Terapeuta Corporal fará uma apresentação solo da dança cigana.

(Dança)

Início: dia 3 às 14h00
Duração: 30 minutos;

14h30

DANÇA

Sinopse:
Os professores de dança Ávallos Ernandes e Estrella de Luzia, farão uma apresentação da dança cigana. Ele encontrou nas Tradições Ciganas e na Dança Típica Cigana formas de trabalhar as motivações e os bloqueios do Ser Humano. Aliando Dança com Terapia tem atualmente um trabalho estruturado no crescimento pessoal do indivíduo. Estrella de Luzia, estudou Ballet Clássico, Jazz e Dança do Ventre Egípcia, porém encontrou na Dança Típica Cigana a verdadeira forma de expressão da Alma.

(Dança)

Início: dia 3 às 14h30
Duração: 30 minutos;

15h10

TEATRO

Sinopse:
• Bruno Matos e Kedma Franza - Sob direção de René Piazentin representarão fragmentos do espetáculo “Esperando Godot”, de Samuel Beckett, obra-prima do Teatro do Absurdo. (Sinopse: Em um lugar indeterminado, Vladimir e Estragon esperam por Godot). Os atores são formados pelo Teatro Escola Macunaíma, sendo que Kedma e René são atualmente integrantes da “Cia. dos Imaginários”.

(www.ciadosimaginarios.com).

(Teatro)

Início: dia 3 às 15h10
Duração: 50 minutos;

16h10

MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Sinopse:
• Ritinha Carvalho – Ao lado de seu violonista Paulo Ribeiro a cantora apresentará grandes clássicos da MPB, além de canções inéditas que comporão seu CD, com lançamento previsto para o segundo semestre de 2009.

(Música)

Início: dia 3 às 16h10
Duração: 50 minutos;

17h00

MÚSICA (MPB e ROCK INTERNACIONAL)

Nossa Senhora da Consolação

Duzentos anos de história. A Igreja de Nossa Senhora da Consolação surgiu no caminho do Piques. Vereda que levava àquela região que hoje é ocupada pela Praça da Bandeira. Nas proximidades, a Rua do Paredão, hoje Xavier de Toledo. Também ficava na estrada que levava (e ainda conduz) à Nossa Senhora dos Pinheiros. Ao bairro de Pinheiros.



A Igreja foi fundada em 1799. Reformada em 1840. Foi subordinada à Igreja de Santa Ifigênia, enquanto a maioria das igrejinhas do século XIX serviam à Sé. Mas em 1870 já aparecia em seu livro de Tombo os limites de sua freguesia, entre o Anhangabaú, a futura Avenida São João e o Rio Tietê. E a ela se subordinaram as igrejas da Santa Cruz das Perdizes (até 1879) e de Santa Cecília (até 1892).



No início do século XX surgiu a idéia de construir uma nova igreja. Como se fazia por toda a cidade, numa febre de progresso e renovação que, infelizmente, destruiu grande parte de nossos edifícios coloniais.

A nova matriz tem imagens belíssimas. É faustosa.

Endereço: Rua da Consolação,585.

18h00

A definir

Sinopse:
a definir

Início: dia 2 às 18h00

Centro Cultural São Paulo

VIRADA Da DANÇA

Serão 12 horas de dança e música com grupos e dançarinos de estilos diversos, animando a noite de sábado e a manhã do domingo, com muito ritmo e balanço para todos os gostos: dança de salão, dança contemporânea, gafieira, tango, com música ao vivo e Djs. Para dançar a noite inteira!!

Endereço: Rua Vergueiro, 1000, CEP 01504000.
Espaço: Sala Adoniram Barbosa;
Telefone: 33974002.
Atrações:

23h00

Músicos: Bocato Soul Battuk - Dança Contemporânea: Tica Lemos e Alexandre Tripiciano

Sinopse:
Músicos: Bocato Soul Battuk



Dança: Contemporânea: Tica Lemos e Alexandre Tripiciano Virada da Dança

(Dança)

Início: dia 2 às 23h00

01h00

Músicos: Social Samba Fino(gafieira)

Sinopse:
Virada da Dança



Músicos: Social Samba Fino(gafieira)



Dança: gafieira com Deivid Bosco e Suellen Violante

(Dança)

Início: dia 3 às 01h00

03h00

Musico: Dj Theo Werneck - Dança: Street dance e contemporâneo: Thiago Leite e Samanta Barros

Sinopse:
Virada da Dança



Musico: Dj Theo Werneck



Dança: Street dance e contemporâneo: Thiago Leite e Samanta Barros

(Dança)

Início: dia 3 às 03h00

06h00

DANÇA DE SALÃO COM A PROFESSORA ADRIANA CABRAL

Sinopse:
Virada da Dança

DANÇA DE SALÃO COM A PROFESSORA ADRIANA CABRAL

(Dança)

Início: dia 3 às 06h00

09h00

Músicos: Pocho Cáceres Tango

Centro Cultural São Paulo

Endereço: Rua Vergueiro,1000, CEP 01504000.
Espaço: Sala Jardel Filho;
Telefone: 33974002.

11h30

Concerto de domingo: Arthur Nestrovski (violão), Jussara Silveira (voz) e André Mehmari (piano)

Sinopse:
Nome do Concerto: Viagem de Verão: Canções e Versões, de Schubert a Caymmi [Versões de canções de Schubert e Schumann recriadas a partir de músicas de Dorival Caymmi, Caetano Veloso e Zé Miguel Wisnik, entre outros.]

(Música)

Início: dia 3 às 11h30

Biblioteca Monteiro Lobato

Endereço: rua General Jardim.

10h00

Oficina de artes para crianças – Iara Janra

Sinopse:
Atriz Iara Janra conduz recreação e vevência de arte para crianças.

(Oficina)

Início: dia 3 às 10h00
Duração: 480 minutos;

TEATRO SÉRGIO CARDOSO

Endereço: Rua Barra Funda, 171 - Barra Funda - São Paulo - SP.
Telefone: (11) 3667-0499.

23h30

Thobias da Vai-Vai e Eliseth Rosa

Sinopse:
Thobias da Vai-Vai e Eliseth Rosa

(Música)

Início: dia 2 às 23h30

CASA DAS ROSAS

A Casa das Rosas- Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura é um Centro Cultural localizado na Avenida Paulista 37, em um dos últimos casarões da avenida mais movimentada do país. A atmosfera onírica da antiga construção e seu jardim, em contraste com a moderna estrutura urbana, traduz o que a Casa das Rosas representa: um refúgio onde toda a expressão poética encontra seu espaço. Um território onde a liberdade artística se materializa, por meio de saraus, recitais, lançamentos de livros, peças de teatro, exposições e qualquer outro formato que privilegie a difusão da poesia e da arte em geral.



A poesia encontra na Casa das Rosas um espaço completamente democrático, onde se pretende desfazer preconceitos e qualquer paradigma negativo sobre a arte poética. É também o primeiro espaço público do país destinado à poesia, sendo batizado como Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura, em homenagem ao poeta paulistano, falecido em 2003.





ARQUITETURA



Projetada pelo arquiteto Ramos de Azevedo, em 1928, a casa mistura métodos construtivos de diferentes épocas, o chamado “estilo eclético”, com influência também da Art Déco. Construída numa área de 5.500 metros quadrados, a casa possui 30 cômodos no estilo arquitetônico francês. A Casa das Rosas agrega elementos da Renascença e do estilo Luis XV, que retomou os padrões e o rigor da arquitetura greco-romana, o que se convencionou chamar de neoclassicismo. O interior da Casa é ainda mais eclético, pois combina elementos decorativos ingleses, principalmente nas aplicações de gesso nos estilos Adam, Hepplewhite, Shareton e Chippendale em seus 30 cômodos, claramente divididos em área social, íntima e de serviço. A Casa das Rosas foi declarada patrimônio público pelo Condenphaat (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo), sendo tombada em 1985.





Francisco de Paula Ramos de Azevedo (São Paulo, SP- 1851-1929) foi o mais importante arquiteto do período áureo da economia cafeeira em São Paulo. Suas dezenas de projetos de edifícios públicos e residências contribuíram para redefinir a cidade como metrópole de vocação cosmopolita. A Casa das Rosas foi projetada e construída por seu escritório entre 1928 e 1935 para sua filha Lúcia Ramos de Azevedo, que residiu na casa com o marido, o engenheiro Ernesto Dias de Castro.

Endereço: Av. Paulista, 37, CEP 01311902.
Telefone: 11) 3285.6986.
Atrações:

18h00

A Atriz Ideal – Cia. Teatral Amigos do Almeida

Sinopse:
A tragicomédia “A Atriz Ideal” trata das ilusões, fantasias e delírios de um diretor de teatro angustiado com a passagem do tempo.

Texto: Fernando Viti

Encenação: Carlos Rahal

Atores: Fernando Lourenção, Carlos Rahal, Leandro Hainis, Marcus Lacerda, Sheila Belém, Simone Bruno, Thamara Fogal, Juliana Leme, Gil Oliveira

Músicas Originais: Renato Almeida

(Teatro)

Início: dia 2 às 18h00

20h00

O Réquiem das Flores – Grupo Quântica Teatro Laboratório

Sinopse:
Um personagem de quem pouco se sabe e que vive imerso em pensamentos e vícios sem tempo e espaço definidos, percorre sozinho o labirinto da existência humana, onde a angústia e a liberdade se misturam à espera incansável pela enigmática figura de Hermann, seu grande amor morto na guerra.

Desenhos coreográficos e interpretação: Priscila Nicoliche

Músicos: Meyson, Jua de Casa Forte, Leandro Pellagio

Início: dia 2 às 20h00

00h00

Marsicano

Sinopse:
Recital de cítara indiana

O músico paulistano apresentará peças clássicas indianas ragas em variações de sua autoria. Introdutor do Sitar no Brasil, gravou sete cds, sendo o último indicado ao 49 th Grammy (EUA).

(Música)

Início: dia 3 às 00h00

02h00

Banda Babilaques

Sinopse:
A banda Babilaques- nome emprestado de um projeto multimídia de Wally Salomão- surgiu no segundo semestre de 2008, fundindo diferenças e confundindo referências. Com formação heterogênea, o grupo tem influências heterodoxas, como diz uma de suas letras: “do hip hop ao Iggy Pop, do ZZ top a Zizi Possi”.

(Música)

Início: dia 3 às 02h00

04h00

Banda Paralela

Sinopse:
A Banda Paralela surgiu pelo encontro informal de alguns músicos da Banda Sinfônica do Estado de São Paulo. Fazer música de vários estilos a partir de instrumentos de sopro e percussão é a assinatura do grupo. De maxixe a dance music, tudo é possível apenas com os instrumentos acústicos: saxofone barítono, escaleta, saxofone alto, trompete, trombone, bumbo e caixa/prato.

(Música)

Início: dia 3 às 04h00

06h00

Conjunto Língua Brasileira

Sinopse:
Com repertório de choros de André Parisi, o grupo se diferencia por arranjos elaborados em cima de composições que fogem à regra da tradição, ao mesmo tempo em que se apoia na mesma para se construir. A apresentação será um pré-lançamento do cd do conjunto.

(Música)

Início: dia 3 às 06h00

08h00

Dado Trio

Sinopse:
Com repertório de jazz, eclético e valorizando a improvisação, o Dado Trio nasceu em 2003, a partir do saxofonista, flautista, compositor e arranjador Dado, e já recebe uma grande variedade de exelentes músicos.

(Música)

Início: dia 3 às 08h00

10h00

Felisdônio – Com Micrantos Cia. De Dança

Sinopse:
A dança é inspirada no personagem Felisdônio do O Livro das Ignorãças, de Manoel de Barros, que nos faz lembrar de que o contato íntimo com o mundo pode acontecer de forma desajeitada, brincalhona e poética. Felisdônio apresenta ao público parte do processo de criação do espetáculo Memórias da Infância da Micrantos Cia. de Danças.

(Dança)

Início: dia 3 às 10h00

12h00

Cantadores e repentistas

Sinopse:
Os cantadores Sebastião Marinho, Luzivan Mathias e Andorinha desenvolvem o autêntico improviso de iola nascido no interior dos estados nordestinos. Ao som de acordes encantadores, os poetas apresentam diversas modalidades de estrofes improvisadas sobre os temas pedidos pela plateia numa impressionante demonstração de agilidade mental.

(Música)

Início: dia 3 às 12h00

13h00

Paris Te Amo

Sinopse:
Prepare-se para ver Paris de uma maneira que você nunca imaginou antes, mostrada pelos olhos de alguns dos cineastas mais aclamados do mundo, incluindo os Irmãos Coen, Gus Van Sant, Isabel Coixet e Walter Salles. O resultado é um caleidoscópio de histórias sobre alegrias, separação, encontros inesperados e estranhos, e acima de tudo, sobre amor.

(Cinema e vídeo)

Início: dia 3 às 13h00

15h00

Contação de histórias

Sinopse:
Contos de Enganar a Morte, com Mafuane Oliveira

Baseada na literatura de Ricardo Azevedo, Mafuane Oliveira narra a engraçada saga de Zé Malandro, um grande herói que tenta enganar a morte. Como diz o autor, ao mesmo tempo em que essa história popular nos possibilita uma interessante reflexão sobre a morte, é uma verdadeira, divertida e apaixonada declaração de amor à vida.

Início: dia 3 às 15h00

16h00

Sarau Chama Poética com o tema: 'Longa é a arte, tão breve a vida" .

CINESESC

A partir da 0h, a unidade exibe três filmes. Nos intervalos das sessões, haverá apresentações e performances. Após a última sessão, será oferecido café da manhã. Confira os preços no local.

Endereço: Rua Augusta, 2075.
Atrações:

23h00

A garota ideal – De Craig Gillespie

Sinopse:
Estados Unidos, 2007

(Cinema e vídeo)

Início: dia 2 às 23h00
Duração: 106 minutos;

01h00

Caro Francis – De Nelson Hoineff

Sinopse:
Brasil, 2008

(Cinema e vídeo)

Início: dia 3 às 01h00
Duração: 95 minutos;

03h00

A ilha da morte – De Wolney Oliveira

Sinopse:
Brasil/Cuba/Espanha, 2006

(Cinema e vídeo)

Início: dia 3 às 03h00
Duração: 88 minutos;

05h00

Stella – De Sylvie Verheyde

SESC Consolação

Sesc Consolacao

Endereço: Rua Dr. Vila Nova, 245.
Telefone: 3234-3000.
Atrações:

18h00

SOY LOCO POR TI SÃO PAULO

Sinopse:
Na Virada, a unidade apresenta o projeto Soy Loco por ti São Paulo. Com um toque de humor e irreverência, a diversidade e a riqueza da cultura latino-americana o projeto convida artistas de diversos países que moram e fazem sua arte em São Paulo.

(Artes plásticas)

Início: dia 2 às 18h00

18h00

MESTRE DE CERIMÔNIAS

Sinopse:
Wander Wildner verbete obrigatório da enciclopédia virtual do rock gaúcho, desde que era cantor dos Replicantes nos anos 80, estreiou sua carreira solo em 1996, criando ali o punkbrega - estilo em que canta algumas musicas em español selvagem

(Música)

Início: dia 2 às 18h00

18h00

TELÕES e VJ

Sinopse:
O VJ Raimo Benedeti fará uma compilação de imagens pesquisadas e captadas na hora e exibirá o resultado em 4 ou 5 telões que ficarão na Convivência e entrada da unidade.

(Cinema e vídeo)

Início: dia 2 às 18h00

18h00

DJ

Sinopse:
Entre os shows, um DJ irá brincar com os diversos sons, ritmos e estilos da rica música latina.

(Música)

Início: dia 2 às 18h00

18h00

ÍRIS GUARANY

Sinopse:
O conjunto Folclórico Paraguaio tem como repertório grandes temas, muito conhecidos pelo povo latino, grande apreciador da música guarani.

(Música)

Início: dia 2 às 18h00

19h00

MARIACHI TEQUILA

Sinopse:
O Grupo formado em 1989 apresenta o show “México Lindo”, no seu repertório as mais autênticas e tradicionais canções da terra Apeteça.

(Música)

Início: dia 2 às 19h00

20h00

GATO NEGRO

Sinopse:
O grupo apresenta versões contemporâneas e composições próprias na linguagem do tango, integrando outros ritmos argentinos.

(Música)

Início: dia 2 às 20h00

21h00

TAPETES CONTADORES DE HISTÓRIAS

Sinopse:
Belos painéis e livros de pano servem de cenário a fábulas e contos fantásticos da América Latina.

(Teatro)

Início: dia 2 às 21h00

21h30

ESPECIAL CPT /SESC SP

Sinopse:
Prêt-à-Porter Especial.

(Teatro)

Início: dia 2 às 21h30

22h30

RAÍZES DE AMÉRICA

Sinopse:
Algumas canções clássicas da banda que conta com nove cantores multi-instrumentistas e cerca de trinta instrumentos em cena.

(Música)

Início: dia 2 às 22h30

22h30

ESTÚDIO FOTOGRÁFICO.

Sinopse:
Após caracterização, as pessoas poderão pousar para uma foto e o fotógrafo insere a imagem em um fundo, essa foto montagem será enviada para um blog e colocada nos telões.

(Fotografia)

Início: dia 2 às 22h30

23h30

AULA ABERTA DE SALSA

Sinopse:
AULA ABERTA DE SALSA.

(Dança)

Início: dia 2 às 23h30

00h00

SONORA HAVANA

Sinopse:
O Grupo Caribeño Sonora Havana apresenta algumas musicas clássicas do cancioneiro cubano.

(Música)

Início: dia 3 às 00h00

01h30

TRASH POUR 4

Sinopse:
Neste show a banda paulistana apresentará repertório em espanhol especialmente proposto para a Virada Cultural “Soy Loco Por Ti São Paulo”.

Início: dia 3 às 01h30

03h00

Wander Wildner y sus Comancheros

SESC Avenida Paulista

Atrações variadas.

Endereço: Avenida Paulista, 119.
Telefone: 3179-3700.
Atrações:


Sinopse:
A história de um homem que volta à sua cidade natal, após longos anos de ausência e revisita lembranças que o marcaram profundamente. Monológo com o João Miguel. Texto: Letizia Russo. Direção: Alvise Camozzi.

(Teatro)

Horários: dia 2 às 20h30 e dia 3 às 00h01.
Cordel do amor sem fim

Sinopse:
Espetáculo teatral num ônibus urbano em movimento que navega pelas ruas da cidade narrando uma história, quase verídica, que se passa às margens do rio São Francisco. Dia 2, 18h e 21h. Dia 3, 16h e 18h. R$ 12, R$ 6, R$ 3.

(Teatro)

Horários: dia 2 às 18h00, às 21h00, dia 3 às 16h00 e às 17h59.
Sertão no Meio do Redemoinho

Sinopse:
Leitura contemporânea e urbana da obra de Guimaraes Rosa. A performance entrecruza o sertão imaginário e poético presente em Grande Sertão: Veredas com as ruas e praças das cidades paulistas. Direção Andrea Caruso Saturnino e Ricardo Muniz Fernandes. O projeto conta com a interpretação de moradores da cidade de Cordisburgo.

(Sarau)

Horários: às 11h00.

21h00

TRILHAS METRAGENS - SIN (F) TONIA PARA FILMES DE BUSTER KEATON

Sinopse:
Exibição de filme e trilha sonora executada pelo duo Contrera-Tibério.

(Cinema e vídeo)

Início: dia 2 às 21h00

21h00

A noite mais fria do ano

Sinopse:
Duas sessões num mesmo espetáculo. Dois espetáculos numa mesma sessão. Texto e direção: Marcelo Rubens Paiva. Com: Mário Bortolloto, Hugo Possolo, Paula Cohen e Alex Gruli. Dia 2, 21h e 0h. R$ 20, R$ 10, R$ 5.

(Teatro)

Início: dia 2 às 21h00

22h00

Festa com DJ Greg Wilson

Sinopse:
Pioneiro na divulgação da black music na Inglaterra, Greg Wilson tambem é considerado o primeiro remixer pois ele editava as músicas em versões exclusivas de forma manual e artesanal.

(Música)

Início: dia 2 às 22h00


FIESP SESI-SP, Teatro

Endereço: Avenida Paulista, n°1313, CEP 01311923.
Espaço: Teatro do SESI;
Telefone: 3519-4286.
Atrações:

18h00

Primeiras Rosas – Cia. Pia Fraus

Sinopse:
Baseada no livro Primeiras Estórias, escrito por Guimarães Rosa e publicado em 1962, a montagem é livre interpretação de quatro contos do livro: As Margens da Alegria, A Terceira Margem do Rio, O Cavalo que Bebia Cerveja e, como ligação entre eles, Seqüência. A montagem, diferente de outros trabalhos da companhia Pia Fraus, será formada por quatro quadros extraídos de quatro contos curtos do autor brasileiro e dirigidos por quatro diretores de diferentes formações e regiões, mas diretamente ligados ao teatro de bonecos.

(Teatro)

Início: dia 2 às 18h00

23h00

Vanguart e Garotas Suecas

Sinopse:
A banda Vanguart apareceu num momento interessante para a cena independente brasileira. Ao mesmo tempo em que Rio e São Paulo se estagnaram como pólos de produção cultural durante os anos 90, capitais longe deste eixo ganharam importância e souberam capitalizar em torno de cenas locais – foi o caso de Recife, Brasília, Goiânia, Salvador, Porto Alegre e a capital do Mato Grosso, Cuiabá. Lá, o grupo começou a tocar e despontou para o país no final de 2006, quando organizou suas músicas online e passou a compor em português. São bem recebidos por serem uma banda muito nova e muito séria ao mesmo tempo. Seus integrantes beiravam os 20 anos, mas ao mesmo tempo pareciam ter ouvido todos os principais discos que uma pessoa precisa ouvir na vida.

O Garotas Suecas é um grupo que preserva a época quando o rock tinha soul, instantes antes de funkiar, momentos antes de distorcer. Ritmo e sentimento, R&B, a Jovem Guarda e os Mutantes, Tim Maia e Jorge Ben. Sem dar ouvidos aos conselhos de ninguém, o Garotas Suecas é uma banda inovadora e, ao mesmo tempo, muito jovens. É composta por Nico (bateria), Tomaz (guitarra e voz), Saldanha, Perdido (baixo), Sesa (guitarra) e Irina (teclados).

(Música)

Início: dia 2 às 23h00

00h30

Banda Oxe

Sinopse:
A banda é originária de uma percussão nordestina eletrizante, em ritmos como o pop, o reggae e o rock e insere altas doses de vigor e muita energia à sua música. As referências sonoras do Oxe são dotadas de elementos que remetem aos mais variados gêneros e estilos e mostra que é possível beber na fonte das tradições populares e, ao mesmo tempo, atuar em um segmento como o rock, com todas as suas derivações. Uma das bandas mais requisitadas da cena do rock alagoano mostrou-se também receptiva em outros estados brasileiros e no exterior como no Festival SXSW - Texas; Surto na Comunicação – PUC/BH; Escalada do Rock, bem como outros projetos especiais. Vencedor do Prêmio Levi’s Be Original 2008, nas categorias Melhor Musica e Melhor Video Clipe. Participação na trilha sonora do filme Deus é Brasileiro, de Carlos Diegues.

(Música)

Início: dia 3 às 00h30

02h00

Banda Dada Yute

Sinopse:
Caue Granello, popularmente conhecido como Dada Yute, começou sua carreira como artista em 2004 na banda paulista Leões de Israel. Participou do tradicional festival jamaicano de maior conceito na atualidade Rebel Salute 2006, com público superior a 25 mil pessoas. Também fez parte do DVD lançado mundialmente com as bandas The Congos, Burning Spear, Nya Bhing Band, Third World, Richie Spice, entre outras. Foi backing vocal do Gladiator Clinton Fearon em sua turnê pelo Brasil e abriu o show da banda de reggae muito conhecida The Wailers. Atualmente Dada Yute segue carreira solo e está preparando seu primeiro álbum, trazendo uma linguagem contemporânea New Roots Hip Hop DanceHall.

(Música)

Início: dia 3 às 02h00

03h30

Banda Terceira Edição

Sinopse:
Com um rock de forte influência britânica, a banda pernambucana é formada por Thiago Guerra (bateria), Victor Cahú (guitarra, voz), Thiago Régis (guitarra, efeitos), Vinícius Frota (voz, violão) e Tiago Tejo (baixo). O grupo, que já dividiu palcos com nomes da música brasileira como Paralamas do Sucesso, Los Hermanos, Nando Reis e Jota Quest, comemora o lançamento do segundo CD, intitulado Histórias Sobre Todos e Sobre Ninguém (2007). Mais forte e com letras mais intensas, este novo trabalho dá continuidade ao bem sucedido O Show da Vida Ideal (2005). Desde 2003, a Terceira Edição vem conquistando público, mídia e diversos prêmios nacionais em concursos de novos talentos, como o Coca-cola Vibezone - 2005, Site Vagalume - Novos Talentos, Demo Hits – Claro Idéias, Oi Tem Peixe na Rede e Voz das Bandas; chegando a emplacar o primeiro lugar das mais pedidas, na rádio Transamérica FM - Recife, em agosto de 2006, e vem se mantendo entre as primeiras na programação das rádios. Recentemente, a 3E foi convidada a participar do site Second Life e estão em fase de produção.

(Música)

Início: dia 3 às 03h30

05h00

Banda 2

Sinopse:
Formada por Rodrigo Antao e Pedro McCardell, a Banda 2 estreia no mercado musical com o álbum intitulado CRISIS. A variedade de assuntos que o tema sugere é explorada pelo duo em canções que discorrem de forma pessoal sobre dramas universais como a descrença na política, a angústia e a frustração do indivíduo no mundo da hiper valorização material. Sem tom de crítica ou protesto, o disco é expressão consciente da realidade que aflige o homem contemporâneo. Com sonoridade híbrida de rock, blues, soul, folk e eletrônica, o 2 faz de forma minimalista, e muitas vezes dançante, uma música de estrutura e apelo pop, onde letras densas são contrabalanceadas com sonoridade upbeat. O trabalho da banda é fruto de uma amizade que começou há três anos, quando Rodrigo e Pedro se conheceram em Londres. Encontraram na música uma forma de expressar artisticamente o modo que enxergam o mundo.

(Música)

Início: dia 3 às 05h00

12h00

Música em Cena – Trio Krug – Vanzella – Savytzky

Sinopse:
Formado por três importantes instrumentistas brasileiras com carreiras consolidadas, o trio Trio Krug – Vanzella – Savytzky estreou em 2008 como um dos conjuntos camerísticos mais promissores do ano. A violinista Maria Fernanda Krug atuou como solista da Salzburg Chamber Soloists e da Kremlin Chamber Orchestra. Integra a Cantilena Ensemble e é concertino da OSM. A violoncelista Adriane Savytzky é membro da Salzburg Chamber Soloists e da Deutsche Kammerakademie-Neuss. Como camerista, participa do Salzburg Piano Trio e do Ariadne Quartet. A pianista Patrícia Vanzella solou frente aos principais conjuntos sinfônicos do país, como Osesp, Osusp e Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Cláudio Santoro. Desde 1992, integra o corpo docente do Departamento de Música da Universidade de Brasília.

(Música)

Início: dia 3 às 12h00

15h00

O Colecionador de Crepúsculos

Sinopse:
Voltada para o público infanto-juvenil, a peça apresenta um pouco sobre a vida de Câmara Cascudo, considerado um dos homens mais importantes do século para a cultura popular brasileira. É uma forma de mostrar o Brasil para as crianças e adolescentes brasileiros por meio de lendas e histórias do nosso povo. Religião, crenças, costumes, mitos, tradições e aspectos característicos da nossa gente, mostrados por meio de contos recolhidos pelo maior folclorista brasileiro de todos os tempos.

(Teatro)

Início: dia 3 às 15h00

18h00

Primeiras Rosas – Cia. Pia Fraus

FIESP SESI-SP, Galeria

Endereço: Avenida Paulista, n°1313, CEP 01311923.
Espaço: Galeria de Arte do SESI-SP;
Telefone: 3519-4286.

18h00

Exposição 1961 - A Arte Argentina na Encruzilhada: Informalismo e Nova Figuração

Sinopse:
A exposição compreende um acervo de 53 peças – telas, colagens e esculturas – produzidas de 1959 a 1962, nove fotos e 16 catálogos. Resultado de parceria entre a Associação de Amigos da Pinacoteca do Estado de São Paulo, o Museo Nacional de Bellas Artes – Buenos Aires, Argentina e o SESI-SP para a viabilização do projeto, a mostra reúne importantes obras de acervos particulares de colecionadores argentinos. O acervo, composto por produções de 25 artistas do movimento informalista, conta com nomes de artistas argentinos com intensa e influente produção no período, como Keneth Kemble, Luis Wells, Clorindo Testa, Antonio Berni, Nicolas Garcia Uriburu, Luis Felipe Noé, Ernesto Deira, Antonio Segui e Jorge de La Vega. A mostra tem curadoria do crítico de arte portenho Roberto Amigo.

Início: dia 2 às 18h00

TEAT(R)O OFICINA

Uma rua de passagem como o sambódromo do Carnaval cercada por telas de projeção, com um teto móvel para ver o céu, e um janelão de 10 metros de altura para ver a cidade de São Paulo. Uma obra de arte patrimônio arquitetônico concebido por Lina Bo Bardi, e ocupado pela Associação Teat(r)o Oficina Uzyna Uzona desde 1961 na forma e na alma de um TERREIRO ELETRÔNICO.

Endereço: Rua Jaceguay, 520, CEP 01315010.
Espaço: TERREIRO ELETRÔNICO;
Telefone: 11 3106 2818, 11 3104 0678.

22h00

Cacilda!

Sinopse:
Primeira parte de uma tetralogia que conta as vidas da grande atriz Cacilda Becker, quando foi escrita, em 1990, Cacilda! reconciliou José Celso com o teatro brasileiro. Sua primeira encenação, em 1998, consolidou o projeto da Uzyna Uzona, que durante a década de 90 revivesceu o Teatro Oficina em espetáculos antológicos. Com quase quatro horas de duração, dividida em dois atos, a montagem mostra a infância e o início da vida artística da atriz Cacilda Becker no primeiro ato. O segundo ato é a narração ficcional do coma da atriz, que durou 40 dias, antes de sua morte consequência de um aneurisma sofrido no intervalo da apresentação de Esperando Godot em 1969. Através do antagonismo do teatro de coros e da protagonista, com trechos reencenados das peças que a atriz realizou, o segundo ato traz para cena importantes personagens da dramaturgia brazyleira como Paulo Autran, Zimbienski, Madame Morineau, Walmor Chagas, Adolfo Celli. Para contar a história desta grande dama do teatro, duas atrizes se revezam no papel principal, Bete Coelho e Leona Cavalli.

(Cinema e vídeo)

Início: dia 2 às 22h00
Duração: 240 minutos;

Teatro dos Arcos

Medidas do palco:

3,72m -Altura

9m -Profundidade

9,70m -Largura

3,70m -Altura

7,76m -Boca de cena

Endereço: Rua Jandaia, 218, CEP 01316100.
Espaço: teatro de arena;
Telefone: 1131017802.

20h00

“Sem medo de ser feliz”

Sinopse:
Nessa montagem, a peça “Sem medo de ser feliz” propõe um espetáculo vibrante que se utiliza de diversas linguagens para levar aos palcos o mais novo texto do dramaturgo Jorge Julião.



Um palco vazio abre espaço para o talentoso elenco compor 11 personagens e seus conflitos dentro da proposta teatral de falar sobre qualidade de vida com uma linguagem jovem e vibrante. Narra à trajetória de uma família de classe média brasileira, os medos e desesperos dos pais, ao tentar mostrar um mundo de distorções em que vivemos. Tudo narrado com muito humor, o texto começa com Zefinha, a faxineira da casa mostrando a família sua preocupação com o meio ambiente.



Logo em seguida depois de férias quase forçadas, a família se encontra dentro de um carro com várias situações de confusão armada pelas crianças.

------------------------------------

A música do espetáculo será executada ao vivo ponteando todas as situações mencionadas no texto. Serão compostas 05 músicas sempre fazendo o público jovem refletir e pensar em como melhorar a nossa vida e a do planeta. Logo em seguida temos uma passagem de tempo, mostrando o dia a dia dos filhos do casal dentro da escola, participando de um Show de talentos onde os trabalhos vão ser apreciados no concurso estudantil “Planeta Azul”.

Em “Sem medo de ser feliz”, o grupo retrata algumas questões sobre meio ambiente, doenças sexualmente transmissíveis, qualidade de vida, Aids e também a falta de comunicação e informação entre os jovens e familiares. O texto mistura interpretação, áudio visual e música encantando e mantendo a atenção da platéia com muito humor, de uma forma direta e descontraída, ambos ao som de músicas interpretadas ao vivo pelos próprios atores em cena.

(Teatro)

Início: dia 2 às 20h00
Duração: 1 minutos;

Arte Itinerante Mineira

A Rua Barão de Itapetininga como galeria itinerante. Instalações, perfomaces, exposições, intervenções, musica e sorrisos.

Contamos com muitos artistas presentes no local por toda a Virada Cultural...



http://arteitinerantemineira.blogspot.com/

Endereço: Rua Barão de Itapetininga.
Espaço: Trajeto Praça da Republica ao Teatro Municipal;
Telefone: (031) 9979-1896.
Atrações:

17h00

Willian Mota

Sinopse:
Minha proposta é de intervenção no espaço publico. Interferindo com grafismos, ou inserindo painéis e derivados nos espaços. Meu trabalho utiliza como referência, cores e símbolos africanos e/ou afrobrasileiros, também penso no sujeito marginal e na ideia de margem ( negro, pobre, favela, guetos, botecos) com propostas de africanidades

wiliam mota

(Artes plásticas)

Início: dia 2 às 17h00

17h00

Só vendo para olhar

Sinopse:
Só vendo para olhar

Só olhando para ver

Só enxergo o que compro

Só mereço o que tenho

Quer comprar?

(Artes plásticas)

Início: dia 2 às 17h00

17h00

Bernardo Amarante

Sinopse:
Artes Plasticas

Início: dia 2 às 17h00

17h00

Chão – Leonardo Lima

Sinopse:
Pisa mas nao olha sem ser flux demais.

(Artes plásticas)

Início: dia 2 às 17h00

17h00

Ana Pedrosa

Sinopse:
Artes Plasticas

(Artes plásticas)

Início: dia 2 às 17h00

17h00

Mare de Matos

Sinopse:
Artes Plasticas

(Artes plásticas)

Início: dia 2 às 17h00

17h00

Raphael Rodrigues

Sinopse:
Artes Plasticas

(Artes plásticas)

Início: dia 2 às 17h00

17h00

Fred

Sinopse:
Artes Plasticas

(Artes plásticas)

Início: dia 2 às 17h00

17h00

Carou Ponto

Sinopse:
Cidades / Fantasmas

Artes Plasticas

(Artes plásticas)

Início: dia 2 às 17h00

17h00

Marcela

Sinopse:
Artes Plasticas

(Artes plásticas)

Início: dia 2 às 17h00

17h00

Priscila Cristina

Sinopse:
Pintura

A técnica utilizada é aquarela e guache.

(Artes plásticas)

Início: dia 2 às 17h00

17h00

Marina de Paula

Sinopse:
Artes Plasticas

(Artes plásticas)

Início: dia 2 às 17h00

17h00

Deise Oliveira

Sinopse:
Artes Plasticas

(Artes plásticas)

Início: dia 2 às 17h00

17h00

Renata Nery

Sinopse:
Artes Plasticas

(Artes plásticas)

Início: dia 2 às 17h00

17h00

Radharani Lenine

Sinopse:
Artes Plasticas

(Artes plásticas)

Início: dia 2 às 17h00

17h00

Pedro Valadares

Sinopse:
Artes Plasticas

(Artes plásticas)

Início: dia 2 às 17h00

17h00

Davi Lanna

Sinopse:
Artes Plasticas

(Artes plásticas)

Início: dia 2 às 17h00

17h00

Ana Carolina Barbosa

Sinopse:
Técnica: mosaico



Categoria: escultura

Mosaico feito num suporte de madeira ( dentro de uma gaveta)

(Artes plásticas)

Início: dia 2 às 17h00

17h00

Flora Lopes

Sinopse:
Artes Plasticas

(Artes plásticas)

Início: dia 2 às 17h00

17h00

Gilberto Macruz Inacio

Sinopse:
Artes Plasticas

(Artes plásticas)

Início: dia 2 às 17h00

17h00

Camila Baldon

Sinopse:
Artes Plasticas

(Artes plásticas)

Início: dia 2 às 17h00

17h00

Claudiney José de Souza

Sinopse:
Quadro: composição

Óleo sobre tela

104 x0,56

composição de dois corpos em um fragmento de vida que se vem surgindo...

(Artes plásticas)

Início: dia 2 às 17h00

17h00

Ramon Faria

Sinopse:
Artes Plasticas

(Artes plásticas)

Início: dia 2 às 17h00

17h00

Wilton Vinicius

Sinopse:
Artes Plasticas

(Artes plásticas)

Início: dia 2 às 17h00

17h00

Luiz Carlos Kern Bustamante

Sinopse:
Artes Plasticas

(Artes plásticas)

Início: dia 2 às 17h00

17h00

Pablo Campos

Sinopse:
Artes Plasticas

série: . O lixo do luxo também é luxo

(Artes plásticas)

Início: dia 2 às 17h00

17h00

Flavia Virginia

Sinopse:
Artes Plasticas

(Artes plásticas)

Início: dia 2 às 17h00

17h00

Leonardo Lima Duarte

Sinopse:
Artes Plasticas

(Artes plásticas)

Início: dia 2 às 17h00

17h00

Leandro Duarte

Sinopse:
Artes Plasticas

(Artes plásticas)

Início: dia 2 às 17h00

17h00

Flavia Ribeiro

Sinopse:
Artes

Início: dia 2 às 17h00

17h00

Luiz Felipe

Sinopse:
Artes

Início: dia 2 às 17h00

17h00

Eduardo Mendes

Sinopse:
Intervençoes Urbanas

(Artes plásticas)

Início: dia 2 às 17h00

17h00

Desgraçado

HSBC Belas Artes

Originalmente este cultuado cinema, situado na esquina da rua da Consolação com a Av. Paulista, foi inaugurado com apenas três salas, em 1967. Em 1980 o cine Belas Artes foi reformado e passou a ter seis salas, cada uma batizada com o nome de um artista brasileiro: Villa-Lobos, Candido Portinari, Oscar Niemeyer, Aleijadinho, Mario de Andrade e Carmen Miranda.

No início de 2003 o cineasta André Sturm, diretor da distribuidora de filmes Pandora Filmes, procurou os proprietários do cinema e propôs uma sociedade, dando início a um projeto de recuperação. Em seguida Sturm estendeu a proposta a produtora de filmes O2, resultando na compra total do cinema, seguida de uma grande reforma, patrocinada pelo banco HSBC, cuja super-aguardada reinauguração aconteceu em maio de 2004, com super-lotação das 6 salas que projetavam, simultaneamente, o filme O Outro Lado da Rua, de Marcos Bernstein, estrelado por Fernanda Montenegro e Raul Cortês, presentes no evento que marcou o fim de um pesadelo para milhares de cinéfilos apaixonados pelo cinema, hoje HSBC Belas Artes.

Endereço: Rua da Consolação, 2423.
Espaço: todas as salas;
Telefone: 5093-0839.

18h00

VIRADA CINE-GASTRONÔMICA

Sinopse:
Das 10:00 de 2 de maio às 8:00 de 3 de maio, o HSBC Belas Artes realiza a VIRADA CINE-GASTRONÔMICA, um evento que junta o melhor da cinema e da gastronomia.



São 3 sessões de cinema durante a madrugada cujos filmes obedecem apenas a um critério de seleção: dar água na boca. No intervalo entre uma sessão e outra, a platéia passa por degustações gastronômicas.



PROGRAMAÇÃO

Entrada

Filme 1

Jantar

Filme 2

Sobremesa

Filme 3

Café da Manhã



(*) Filmes e cardápio estão em definição.



São 6 filmes disponíveis em 6 salas de cinema, onde cada participante poderá escolher 3.



FILMES DA PROGRAMAÇÃO - em definição.



Preço do ingresso - em definição.

(Cinema e vídeo)

Início: dia 2 às 18h00

Estúdio La casa de Musica

Endereço: r. alves guimaraes, 723, CEP 05410001.
Telefone: 30852264.
Atrações:

20h10

Mr. Ludico & Tupiniquin

Sinopse:
Quem é Tupiniquin

Por Patricia Palumbo



Rock,afro-samba, bossa nova e tropicália. Esse é o caldeirão de Tupiniquin, cantor de timbre grave, compositor de estética urbana que se diz influenciado tanto por Caetano Veloso como pelo inclassificável Devendra Banhart, norte americano criado na Venezuela e um dos artistas do chamado \movimento da nova América esquisita\. Na primeira faixa do cd \Made in São Paulo\ ele faz uma declaração à metrópole cantando a sua Bebete (referencia à Benjor) dizendo que vai comprar sandálias no Brás. Na sequencia pensa a sua própria música citando explicitamente suas influencias estéticas. Uma boa mistura de samba paulista com pop inglês.





www.myspace.com/tupiniquin



Mister Lúdico e Os Morféticos - \Mister Lúdico e Os Morféticos\ (Independente; 2007)





Quem mais poderia subverter o rock, que sempre gostou de falar duro e de chegar metendo o pé na porta, senão uma banda assumidamente lúdica, mas que não deixa em nenhum momento de se levar a sério?



Álbum de estréia homônimo do trio de São Paulo, \'Mister Lúdico e Os Morféticos\' tem o pé inegável no punk e pós-punk sujo, de guitarras pesadas, inspiradas por bandas que vão de Ramones a Led Zeppelin. É daquele rock\'n\'roll que gosta de ser tocado alto, estridente em uma pista, mas cujas letras sempre trazem uma mensagem longe de pesada. Seus versos dão boas-vindas a alienígenas, falam com uma dureza quase infantil de relacionamentos intempestivos, de política e de direitos dos animais.



Sim, a adoração aos animais dá o tom de pelo menos três canções do disco. \'Rei Leão\', \'Savanna\' e \'Caixote\' contam histórias de bichos em meio a guitarras pesadas, um baixo de tremer o peito e uma bateria elaborada e rápida, de deixar o baterista suado logo na segunda música nos shows. Mister Lúdico (vocal e baixo) e seus Morféticos – Rafa Menezes (guitarra) e Amadeu Coiote (bateria) - são de uma ingenuidade proposital, dura e profunda. Em \'Na Praia com Você\', por exemplo, o interlocutor deixa de lado a vergonha e recita um poema singelo, carregado de despretensão. Nessa e nas demais faixas, o recado deve ser entendido pelas entrelinhas, no conjunto brincalhão da obra.



Corajosos ou loucos? Para eles, apenas lúdicos.





BAIXE O DISCO NA ÍNTEGRA:



www.tramavirtual.com.br/mister_ludico

(Música)

Início: dia 2 às 20h10
Duração: 75 minutos;

22h00

Retratos delimitados

Casa Mestre Ananias

Casa antiga do Bixiga com estrutura e proposta de convivência através das culturas populares em sua apresentação tradicional. Possui três ambientes; uma sala de 50m2 onde ocorrem as atrações, um quintal aberto de 108m2 e um ambiente de convivência de 60m2. Além disso há uma cozinha de 20m2 com acesso pelo quintal e a área de convivência.

Endereço: Rua Conselheiro Ramalho, 945 - Bixiga, CEP 01325001.
Espaço: sala fechada e quintal aberto;
Telefone: 39260676.

18h00

Mestre Ananias e o samba de roda Garoa do Recôncavo

Sinopse:
O SAMBA DE RODA BAIANO



O samba de roda do Recôncavo Baiano é uma expressão musical, coreográfica, poética e festiva das mais importantes e significativas da cultura brasileira (Patrimônio Imaterial e Oral da Humanidade - Unesco). O Mestre Ananias é ramanescente do Recôncavo e pioneiro em São Paulo (desde 1953) e um dos expoentes dessa cultura.

A Casa Mestre Ananias é uma sede desse movimento através do grupo “GAROA DO RECÔNCAVO” formado por discípulos e sambadores. É um retrato do samba do Recôncavo Baiano já que é liderado por um remanescente baiano e é uma atração da Cultura Paulistana

Formação 10 componentes: Viola Machete, violão e cavaco, 02 pandeiros, atabaque, percussão e 04 coristas dançarinas caracterizadas.

Início: dia 2 às 18h00
Duração: 120 minutos;


Fonte: http://viradacultural.org/programacao/centro

0 comentários:

Postar um comentário