terça-feira, 21 de abril de 2009

Saudades da Terra da Garoa


Faz tempo que a São Paulo da Garoa não mostrava sua face mais gelada, cinza e molhada.

A muito tempo que não víamos um dia como esse, dia que fez lembrar a infância, quando as mães agasalhavam os filhos para sair de casa pela manhã, infância brincando com luvas, toucas e estes utensílios usados para proteger do frio.


também lembra da face mais elegante de São Paulo, a população é forçada a se vestir (se vestir mesmo, quem mora na periferia sabe bem como o povo se "veste" por aqui), usar roupas que escondem o corpo, mas deixam mais elegantes as pessoas.

lembro-me também do apelido de terra da garoa que aos mais jovens pode soar meio irônico ou ate mesmo não fazer sentido, mas a quem viveu a São Paulo do frio e das fogueiras nas ruas sabe bem do que se trata o apelido.

Como era bom aquele tempo em que reuníamos os amigos pra fazer uma fogueira, tomar um vinho "chapinha", tocar violão, jogar conversa fora e curtir um pouco do frio e da garoa paulista.

E as quermesses nos meses de Junho e Julho ?, também conhecidas como festas juninas e julinas, que aqui se estendem pelo mês de julho, afinal de contas para muitos é uma oportunidade de ganhar um extra.

Lembro do tempo que chegávamos a estas festas, geralmente eu alguma igreja ou paróquia, loucos pra tomar um vinho quente, um quentão, ou mesmo ficar ali e fazer parte daquele momento, naquela época tocava-se musicas tradicionais, os dias de hoje são embaladas pelos tradicionais funk's proibidão.

Era bom acordar de manhã ou sair a noite com aquele tradicional nevoeiro que se formava no ar.

Hoje, talvez pelo aquecimento global, com certeza pela mão do homem os dias são mais quentes mesmo no inverno e a garoa tão tradicional de São Paulo não faz mais parte de seu cotidiano, em seu lugar o calor intenso, o tempo seco e as tempestades.

Neste feriado cinza, gelado e umido, me "bateu" uma nostalgia.

Saudades da São Paulo da Garoa.

2 comentários:

Valéria Leão disse...

Saudades de um tempo que foi muito bem aproveitado.
Em especial, as festas juninas!!!
Gente, como era bom...
Sinto pela ausência da garoa mas ainda mais pelo fim de tradições que aproximam as pessoas, uma da outra e com a bela e caótica cidade.

vandre disse...

Nessas horas, dá saudade até do momento mais ingrato. O de ser acordado pela mãe, às 6 da manhã para ir à escola. Pelo caminho ir soltando fumaça pela boca de tanto frio.

Postar um comentário