quarta-feira, 23 de junho de 2010

Vladimir Maiakovski - Clamo

Levantei-me como um atleta,
levei-o como um acrobata,
como se levam os candidatos ao comício,
como nas aldeias se toca a rebate
nos dias de incêndio.
Clamava:
“Aqui está, aqui! Tomai-o!”
Quando este corpanzil se punha a uivar,
as donas
disparando
pelo pó, pelo barro ou pela neve,
como um foguete fugiam de mim.
- “Para nós, algo um tanto menor,
algo assim como um tango...”
Não posso levá-lo
e carrego meu fardo.
Quero arremessá-lo fora
e sei, não o farei.
Os arcos de minhas costelas não resistem.
Sob a pressão
range a caixa torácica.

(Tradução de Haroldo de Campos)
Fonte: http://arcaliteraria.org/arcaliteraria/wp-content/uploads/1869/Vladimir_Maiakovski_Poemas%5B1%5D.pdf

0 comentários:

Postar um comentário