sexta-feira, 30 de julho de 2010

Manuel Bandeira - Soneto Sonhado

Meu tudo, minha amada e minha amiga,
Eis, compendiada toda num soneto,
A minha profissão de fé e afeto,
Que à confissão, posto aos teus pés, me obriga.

O que nalma guardei de muito antiga

Experiência foi pena e ansiar inquieto.
Gosto pouco do amor ideal objeto
Só, e do amor só carnal não gosto miga.

O que há melhor no amor é a iluminância.

Mas, ai de nós! não vem de nós. Viria
De onde? Dos céus?... Dos longes da distância?...

Não te prometo os estos, a alegria,

A assunção... Mas em toda circunstância
Ser-te-ei sincero como a luz do dia.

Fonte: http://www.sonetos.com.br/sonetos.php?n=4694

0 comentários:

Postar um comentário