quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Almeida Garrett - Não te amo, quero-te

Não te amo, quero-te: o amor vem d'alma.
E eu n'alma tenho a calma,
A calma do jazigo.
Ai! Não te amo, não.


Não te amo, quero-te: o amor é vida.
E a vida - nem sentida
A trago eu já comigo.
Ai, não te amo, não!


Ai! Não te amo, não; e só te quero
De um querer bruto e fero
Que o sangue me devora,
Não chega ao coração.

Selecionado pela  @FezinhaSaldanha
Fonte: poesiaemartini.blogspot.com

1 comentários:

Postar um comentário