quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Martins Fontes - Balada ao bom camarada

Tu, sim! tu, só! foste um Heroe!
Tua alma branda de criança
da dôr alheia se condoe,
E em luta impávida se lança,
E a penitência não te cansa,
Semeando a idéia, ao Deus dará.
O Cavaleiro da Esperança, 
Quem nada quis, tudo terá.

Nenhum remorso te corroe, 
De nenhum mal guardas lembrança,
És pura e belo, como sóe
Ser Jean Jaurés na velha França
E pelo ideal, erguendo a lança,
Vaes da Argentina ao Gran-Pará.
Ó Cavaleiro da Esperança,
Quem nada quis, tudo terá.

Contra a doutrina de Monroe,
Ou contra o fogo, que destro,
mas purifica a transmudança.
Finda a queimada, sem tardança,
A seara ao sol abrolhará,
Ó Cavaleiro da Esperança,
Quem nada quis, tudo terá.

Oferta:

Em tua estátua, à semelhança
Da de meu Pai, se esculpirá:
Ó Cavaleiro da Esperança.
Quem nada quis, tudo terá.

Do Livro "Sombra, Silencio e Sonho" - 1933
Fonte: Revista Fundamentos, numero 33 - Setembro/Outubro de 1938.

0 comentários:

Postar um comentário