domingo, 26 de dezembro de 2010

Euclides da Cunha - D. Quixote

ASSIM À ALDEIA volta o da "triste figura"
Ao tardo caminhar do Rocinante lento:
No arcaboiço dobrado - um grande desalento,
No entristecido olhar - uns laivos de loucura...

Sonhos, a glória, o amor, a alcantilada altura

Do ideal e da Fé, tudo isto num momento
A rolar, a rolar, num desmoronamento,
Entre os risos boçais do Bacharel e o Cura.

Mas, certo, ó D. Quixote, ainda foi clemente

Contigo a sorte, ao pôr nesse teu cérebro oco
O brilho da Ilusão do espírito doente;

Porque há cousa pior: é o ir-se a pouco e pouco

Perdendo, qual perdeste, um ideal ardente
E ardentes ilusões - e não se ficar louco!

Fonte: http://www.sonetos.com.br/sonetos.php?n=2397

0 comentários:

Postar um comentário