domingo, 4 de agosto de 2013

João Nogueira - Malandro J.B




Eu de chinelo charlote
meu chapéu copa norte
meu blusão de vual
(não tinha ainda de tergal)
cordão bem fininho
na medalha um bom santinho
trabalhado em metal
(era São Jorge maioral)
cristão e umbandista
eu tinha o meu ponto de vista
meu padrinho era Ogum
(não tinha santo mais nenhum)
só dava eu com a Judite
aos domingos no Elite
e às quintas no Mil e Um
(era traçado em vez de rum)

E enquanto a nêga não vinha
era uma boa cervejinha
com a rapaziada
(salta uma loura bem suada)
depois do basquete
era bater na bola sete
e caprichar na tacada
(olha a morena encaçapada)

Mas eu de sambista
tive que ser jornalista
pra me valorizar
(passei no tal vestibular)
e agora veja só você:
trabalho no Caderno B
critico samba popular
(seu Tinhorão vem devagar)

Um dia então fui chamado
convidado pra jurado
de julgar samba-enredo
(confesso até que tive medo)
no meio da quadra
apareceu um camarada
com jeitão de Ipanema
(era um artista de cinema)
virou-se pra mim
foi dizendo logo assim:
"sou diretor de carnaval"
(até aí nada de mal...)
esse é o samba dos cartolas
vai dar grana pra escola
de direito autoral
(toca na Rádio Mundial)

Se é coisa que eu não adoto
é nêgo cabalando voto
na maior cara de pau
e o samba de sobra
era um tremendo boi com abóbora
rimava açúcar com sal
antes de eu virar a mesa
pra acabar com a safadeza
foi armada um trelelê
(era judô e karatê)
e o tal do branco cabeludo
me deu tanto do cascudo
que eu nem sei mais escrever
(tá pensando que eu sou telha?)

Dona Condessa aborrecida
me expulsou do JB
(veja você...)

0 comentários:

Postar um comentário